REPENSANDO IDENTIDADES E EMUDECIMENTOS NA ESCOLA: REFLEXÕES SOBRE O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO RIO DE JANEIRO

Autores

  • Marina Silva Alves

Palavras-chave:

História e Cultura afro-brasileira e africana, etnografia, Instituição estatal, emudecimento.

Resumo

Em um contexto político brasileiro o qual ações afirmativas referentes às relações étnicorraciais adquirem maior legitimidade, tendo como um de seus expoentes a criação da lei que tornou obrigatório o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana nas escolas (10.639/03), coube a esta pesquisa questionamentos acerca de que África é esta que estamos a construir nestes espaços. A criação da categoria emudecimento foi uma tentativa de elucidar sutilezas da experiência etnográfica realizada em uma escola pública no Rio de janeiro, que demonstrou a existência de uma invisibilização institucional em relação ao tema. Por compreender a escola pública como parte integrante do Estado de Direito contemporâneo busquei articular epistemologicamente a concepção deste último partindo de uma perspectiva cujas relações interpessoais ganham maior relevância e nos auxilia a tornar instituições familiares em objetos exóticos. Portanto, este artigo tem por finalidade a construção de um breve diálogo sobre uma trajetória mais ampla de reflexões sobre a inclusão étnicorracial nas escolas, que a partir da gestação de sensibilidades antropológicas, surgiu como uma oportunidade de contribuir com o debate no campo das políticas públicas para educação brasileira e dos Direitos Humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COPQUE, Bárbara Andréa Silva. III Seminário Imagens e Narrativas, 2011, UERJ. Abrigando o tempo. (Resumo)
FONSECA, Claudia & BRITES, Jurema. Etnografias da participação. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006.
FOUCAULT, Michel. A governamentabilidade. _______. Microfísica do poder. 9ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.
MAIA, Bóris. Matéria de caderno, uma etnografia das aulas de ensino religioso, 2011.
MCLAREN, Peter. Rituais na escola: em direção a uma economia política de símbolos e gestos na educação. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1991.
MIRANDA, Ana Paula M. Antropologia, Estado Moderno e Poder: perspectivas e desafios de um campo em construção. Revista Avá, Posadas, n.7, jun. 2005, p. 128-146.
-------------------------------------. Fisco e cartórios: exemplos de burocracia à brasileira In: Antropologia e Direito: temas jurídico-antropológicos para debates jurídicos. Florianópolis: Nova Letra, 2010.
MUNANGA, Kabenguele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1999.
NASCIMENTO, Maria Beatriz. Por uma história do homem negro. Revista de Cultura Vozes, 1968.
RADCLIFFE-BROWN, A. R. Sistemas africanos de parentesco e casamento – Introdução. In: MELATTI, J. C. Radcliffe-Brown: Antropologia. São Paulo: Ática, 1978.
PEIRANO, Mariza. Max Weber e a antropologia: a relação entre microetnografia e macrossociologia. _________. A teoria vivida e outros ensaios de antropologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.
PEREIRA, Luena Nunes Nacimento. O ensino e pesquisa sobre África no Brasil e a lei 10.639. In Revista África e Africanidades. Ano 3, n.11, 2010.
WEBER, Max. “"Burocracia" ___. Ensaios de sociologia. 4ª ed.. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

Downloads

Publicado

2020-04-04

Como Citar

SILVA ALVES, M. . REPENSANDO IDENTIDADES E EMUDECIMENTOS NA ESCOLA: REFLEXÕES SOBRE O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO RIO DE JANEIRO. Revista Desenvolvimento Social, [S. l.], v. 3, n. 10, p. 75–84, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/1794. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos