Trajetória e experiência de vida acadêmica wauja

Wajua's trajectory and experience of academic life

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v28n2p50-78

Palavras-chave:

Trajetória indígena na universidade, Educação Wauja, Educação não indígena

Resumo

Neste trabalho descrevo minha trajetória tanto na educação Wauja, povo a qual pertenço, como na escolarização não indígena, a entrada na universidade e realização de pesquisa de mestrado. Analiso a educação Wauja, relacionada a reclusão pubertária, e os modos de aprendizagem das crianças e dos jovens Wauja que foram temas de minha dissertação e estão relacionados a minha trajetória como professor indígena. O povo Wauja é falante de língua do tronco Aruwaki que vive na Terra Indígena do Xingu e no Estado de Mato Grosso-MT. Os Wauja recebem a educação desde crianças e até a vida adulta com as famílias, por meio de orientações orais, de práticas manuais e da observação.  Atualmente, há a oportunidade de os indígenas acessarem a universidade e realizarem suas próprias pesquisas. A partir da minha experiência mostro que o estudo na universidade é importante para os povos indígenas como modo de fortalecimento das suas tradições e da luta por direitos específicos e reconhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Autaki Waurá, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Estadual de Campinas (PPGAS/Unicamp). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Goiás (PPGAS/UFG). Graduado em Educação Intercultural, com habilitação em Ciências da Linguagem, pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Professor indígena desde 2006. Atualmente leciona na Escola Indígena Municipal Ulupuwene (aldeia Ulupuwene, Parque Indígena do Xingu). ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5784-881X. E-mail: autakiwaura@gmail.com.

Referências

BARRETO, João Paulo Lima. Wai-Mahsã: peixes e humanos um ensaio de antropologia indígena. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2013.

BENEDICT, Ruth. The Chrysanthemum and the Sword. C.E. Tuttle, EUA, 1973.

BENITES, Luiz Felipe Rocha. “Cultura e Reversibilidade: breve reflexão sobre a abordagem ‘‘inventiva’’de Roy Wagner”. Campos (UFPR), v.8, p.117-130, 2007.

COHN, Clarice. “Crescendo como um Xikrin: uma análise da infância e do desenvolvimento infantil entre os Kayapó-Xikrin do Bacajá”. Revista de Antropologia, V.43 n.2. São Paulo: USP, 2000.

COSTA, Carlos Eduardo. “Política da reclusão: chefia e fabricação de corpos no Alto Xingu”. R@U - Revista Antropologia da UFSCAR, n.12 (1). São Paulo: UFSCAR, jan./jun.2020, p. 145-172.

FRANCHETTO, Bruna. “Mulheres entre os Kuikúro”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 35, jan. 1996. Disponível em: <https://antigo.periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16653/15211>. Acesso em: 22 de junho de 2022.

JOÃO, Izaque. Reko Nheypyu Marangatu Mborahéi: origem e fundamentos do canto ritual jerosy puku entre os kaiowá de panambi, panambizinho e sucury. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados, 2011.

NOVO, Marina. Pereira. “Esse é o meu patikula”: Uma etnografia do dinheiro e outras coisas entre os Kalapalo de Aiha. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2018.

POSTIGO, Adriana Viana. Língua Wauja (Aruwak): uma descrição fonológica e morfossintática. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) - Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”. São Paulo, 2014.

TAVARES, Sérgio Correa. A Reclusão Pubertária nos Kamayurá de Ipavu - um enfoque biocultural. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1994.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. “A fabricação do corpo na sociedade Xinguana”. Boletim do Museu Nacional, Série Antropologia, n. 32. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 1979.

WAURÁ, Autaki. Wauja O̱náka, O̱nakiyejetuwãpitsana: Reclusão Pubertária, Saúde, Beleza e o Saber-Fazer do Algodão. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2021.

Downloads

Publicado

2022-12-20

Como Citar

WAURÁ, A. Trajetória e experiência de vida acadêmica wauja: Wajua’s trajectory and experience of academic life. Revista Desenvolvimento Social, [S. l.], v. 28, n. 2, p. 50–78, 2022. DOI: 10.46551/issn2179-6807v28n2p50-78. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/6118. Acesso em: 29 jan. 2023.