Prevenção do câncer de boca: acesso a informações e comportamento entre idosos de Montes Claros – MG

Autores

  • Andréa Maria Eleutério Barros Lima Martins Doutora em Saúde Pública / Epidemiologia - Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Professora da Unimontes.
  • João Gabriel Silva Souza Graduando em Odontologia - FUNORTE/SOEBRAS
  • Pedro Eleutério Santos-Neto Mestre em Ciências da Saúde - Unimontes. Professor da Unimontes
  • Núbia Barbosa Eleutério Pós-graduada em Residência Multiprofissional em Saúde da Família - Unimontes
  • Desirée Sant’Ana Haikal Mestre em Odontologia em Saúde Coletiva - UFMG. Professora da Unimontes.
  • Marise Fagundes Silveira Doutoranda no programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva - UNIFESP. Professora da Unimontes.
  • Alfredo Maurício Batista Paula Doutor em Patologia - UFMG. Professor da Unimontes.
  • André Luiz Sena Guimarães Pós-doutor em Biologia Celular na University of Western Ontario. Professor da Unimontes
  • Raquel Conceição Ferreira Doutora em Odontologia - Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Professora da Unimontes.
  • Isabela Almeida Pordeus Doutora em Epidemiology and Public Health - University College London. Professora titular em Odontopediatria da UFMG.

Palavras-chave:

Idosos. Câncer Bucal. Prevenção & Controle. Acesso aos serviços de saúde

Resumo

Objetivo Avaliou-se, entre idosos (65-74 anos) o acesso a informações sobre como evitar o câncer de boca
nos serviços odontológicos de Montes Claros – MG e descreveu-se esse estrato populacional quanto às questões
que podem influenciar ou serem influenciadas pelo acesso a essas informações. Metodologia Utilizou-se dados do
Levantamento Epidemiológico das Condições de Saúde Bucal da população de Montes Claros 2008/2009. Na análise
dos dados, empregou-se o software PASW® Statistics 18.0. A amostra foi complexa por conglomerados, por isso foi
feita a correção pelo efeito desenho através da ponderação*
para estimativa das prevalências médias e erro padrões.
Foram incluídos os que relataram terem ido ao serviço odontológico e que não apresentaram déficit na avaliação da
capacidade cognitiva. Resultados Dos 495 incluídos, apenas 40,9%*
afirmaram ter recebido informações sobre como
evitar o câncer de boca nos serviços odontológicos. A média de idade foi de 68,43*
anos. A maioria relatou ser do sexo
feminino (52,30%), ter baixa escolaridade (59,70%) e recursos financeiros escassos (67,20%) e afirmou não realizar
o autoexame da boca (78%*
), embora 41,9%* tenham tido acesso a informações sobre como realizar o autoexame da
boca. Boa parte relatou ser branco (36,70%), ter hábitos tabagistas (35,9%) e ou consumir álcool (39,9%). Conclusão
A maioria não teve acesso, nos serviços odontológicos, a informações sobre como evitar o câncer de boca, dentre os
fatores possivelmente associados a essa doença verificou-se que boa parte relatou possuir hábitos de risco e que a
maioria relatou a não realização do autoexame da boca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. RAMOS, A. P. S; EMMERICH, A.; ZANDONADE,
E. Conhecimentos dos acadêmicos de odontologia sobre
câncer de boca. UFES Revista de Odontologia, Vitória,
v.7, n.1, p.30-38, jan./abr. 2005.
2. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E
ESTATÍSTICA – IBGE. Indicadores Sociodemográficos
e de Saude no Brasil 2009. Estudos e Pesquisas
Informação Demográfica e Socioeconômica, número
25. 2009. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/
home/estatistica/populacao/indic_sociosaude/2009/
indicsaude.pdf. Acesso em: 20 ago. 2011.
3. FERREIRA, J. H. F; MELO, M. C. B. Perfil das
ações de Combate ao Câncer de Boca no Estado de
Pernambuco/Brasil. Odontologia Clínico-Científica,
Recife, v. 9, n. 3, p. 219-222, jul./set., 2010.
4. AUGUSTO, T. A. Medidas preventivas do câncer bucal
– Revisão de literatura. Premio Colgate ProfissionalPrevenção na área de saúde bucal. Campinas, fev., 2007.
5. SCHMIDT, M. I. et al. Doenças crônicas não
transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. The
Lancet, New York, v. 377, n., p. 2042-2053, may., 2011.
6. PAIM, J. et al. O sistema de saúde brasileiro: história,
avanços e desafios. The Lancet, New York, n. 377, v.
9782, p. 1778-1797, may., 2011.
7. GAZIANO, T. A; GALEA, G; REDDY, K. S. Scaling
up interventions for chronic disease prevention: the
evidence. The Lancet, New York, v. 370, 2007.
8. WORLD HEALTH ORGANIZATION. The world
health report 2004: changing history. Geneva: WHO,
2004.
9. PETERSEN, P. E. Oral cancer prevention and control
– The approach of the World Health Organization. Oral
Oncology, 2008.
10. INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER - INCA.
Ministério da Saúde. Instituto Nacional do câncer.
Estimava 2010 – Incidência de Câncer no Brasil.
Disponível em: <http://www.inca.gov.br> Acesso: 02,
set, 2011.
11. D’SOUZA, G. et al. Case-control study of human
papillomavirus and oropharyngeal cancer. New England
Journal of Medicne, v. 356, n.19, p. 1944-1956, 2007.
12. DE PAULA, A. M. et al. Analysis of 724 cases
of primary head and neck squamous cell carcinoma
(HNSCC) with a focus on young patients and p53
immunolocalization. Oral Oncology, v. 45, n. 9, p. 777-
782, 2009.
13. ZAVRAS, A. Oral cancer treatment costs in Greece
and effect of advanced disease. BMC Public Health, v.
2, n. 12, 2002.
14. BRASIL. Ministério da Saúde. Estatuto do Idoso
/ Ministério da Saúde. – 1. ed., 2.ª reimpr. – Brasília:
Ministério da Saúde, 2003. Disponível em: <http://
portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/idoso.pdf>
Acesso em: 02 set. 2011.
15. HOROWITZ, A. M. et al. Oral Pharyngeal Câncer
Prevention and Early Detection. Journal of the American
Dental Association, USA, v. 131, abr, 2000.
16. CARRARD, V. C. et al. Álcool e câncer bucal:
considerações sobre os mecanismos relacionados.
Revista Brasileira de Cancerologia, Brasil – INCA, v.
54, n. 1, p. 49-56, 2008.
17. MOHAMMAD, T. H. C; PAU, A; CROUCHER, R.
Bangladeshi Dental Students’ Knowledge, Attitudes and
Behaviour Regarding Tobacco Control and Oral Cancer.
Journal of Cancer Education, v. 25, p. 391–395, 2010.
18. SANTOS, G. L. et al. Fumo e álcool como fatores
de risco para o câncer bucal. Odontologia ClínicoCientífica, Recife. v. 9, n. 2, p. 131-133, abr./jun., 2010.
19. PITIPAHT, W. et al. Factors Associated with Delay
in the Diagnosis of Oral Cancer. Journal of Dental
Research, v. 81, n. 3, p. 192-197, 2002.
20. VASCONCELOS, E. M. Comportamento dos
cirurgiões-dentistas das unidades básicas de saúde
do município de São Paulo quanto a prevenção e
ao diagnóstico precoce do câncer bucal. 2006. 101
f. Dissertação (Mestrado em Diagnóstico Bucal) –
Faculdade de Odontologia, Universidade de São Paulo,
São Paulo, 2006.
21. CLOVIS, J. B; HOROWITZ, A. M; POEL, D. H.
Oral and pharyngeal cancer: knowledge and opinions of
dentists in British Columbia and Nova Scotia. Journal
of the Canadian Dental Association, v. 68, n. 7, 2002.
22. GELLRICH, N. C. et al. Characteristics of oral
cancer in a central European population – Defining
the dentist’s role. Journal of the American Dental
Association, v.134, n. 3, p. 307-314, 2003.
23. DIAS, G. F. et al. Autocuidados na prevenção do
câncer bucal. Revista Cientifica da Universidade de
França, França (SP), v. 5, n. 1/6, p. 14-20, jan-dez,
2005.
24. QUIRINO, M. R. S. et al. Avaliação do Conhecimento
sobre o câncer de boca entre participante da campanha
para prevenção e diagnóstico precoce da doença em
Taubaté SP. Revista de Odontologia da UNESP, São
Paulo, v. 35, n. 4, p. 327-333, 2006.
25. MARTINS, A. M. E. L.; BARRETO, S. M.;
PORDEUS, I. A. Características associadas ao uso
de serviços odontológicos entre idosos dentados e
edentados no Sudeste do Brasil: Projeto SB Brasil.
Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1,
p. 81-92, jan , 2008.
26. LIMA, A. A. S. et al. Conhecimento de alunos
universitários sobre câncer bucal. Revista Brasileira de
Cancerologia, Brasil - INCA, v. 51, n. 4, p. 283-288,
2005.
27. SPANEMBERG, J. C. et al. Conhecimento e
atitudes da população em relação às doenças bucais:
uma experiência espanhola. XVII Congresso Iniciação
Científica, Universidade Federal de Pelotas, RS, nov.,
2008.
28. RIBEIRO, R. et al.Avaliação do nível de
conhecimento de uma população envolvendo câncer
oral. Revista Odontológica do Brasil Central - Robrac,
Goiânia, v. 17, n. 44, p. 104-109, 2008.
29. ANDERSEN. R. M; DAVIDSON, P. L. Ethnicity,
aging, and oral health outcomes: a conceptual
framework. Advances in Dental Research, v. 11, n. 2,
1997.
30. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Conselho Nacional
de Saúde, Comissão Nacional de Ética em Pesquisa.
Resoluções do Conselho Nacional de Saúde sobre
pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em:
<http://www.datasus.gov.br/conselho/comissoes/
etica/Resolucoes.htm.1999> Acesso em: 02 set. 2011.
31. BRUCKI, S. M. D. et al. Sugestões para o uso do
Mini-Exame do Estado Mental no Brasil. Arquivos de
Neuropsiquiatria, São Paulo, v. 61, p. 777-781, 2003.
32. CAMELIER, A. A. Avaliação da Qualidade de Vida
Relacionada à Saúde em Pacientes com DPOC: Estudo
de base populacional com o SF-12 na cidade de São
Paulo-SP. 2004. 154 fls. Tese (Doutorado em Ciências)
- Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, São
Paulo.
33. OLIVEIRA, B. H.; NADANOVSKY, P. Psycometric
properties of the Brazilian version of the oral health
impact profile-short form. Community Dentistry and
Oral Epidemiology, Copenhagen, v. 33, p.307-14, 2005.
34. TRIOLA, M. F. Introdução à Estatística. 7 ed. Rio
de Janeiro (RJ): LTC, 1999.
35. BLOT, W. J. et al. Smoking and drinking in relation
to oral and pharyngeal cancer. Cancer Research,
Philadelphia, v. 48, p.3282-7, 1988.
36. FRANCO, E. L. et al. Risk factors for oral cancer
in Brazil: a case-control study. International Journal of
Cancer, USA, n. 43, p. 992-1000, 1989.
37. BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de
Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.
Projeto SB Brasil 2003: condições de saúde bucal da
população brasileira 2002-2003: resultados principais.
Brasília: Ministério da Saúde, 2004.
38. MATHEW, A. L. et al. Department of Oral Medicine
and Radiology, Manipal College of Dental Sciences,
Manipal, Karnataka – 576 104, Índia. The prevalence of
oral mucosal lesions in patients visiting a dental school
in Southern India.
39. KOVAC-KAVCIC, M.; SKALERIC, U.
Department of Oral Medicine and Periodontology,
Faculty of Medicine, University of Ljubljana, Slovenia
Correspondence. The prevalence of oral mucosal lesions
in a population in Ljubljana, Slovenia.
40. VICTORA, C. G. et al. Condições de saúde e
inovações nas políticas de saúde no Brasil: o caminho
a percorrer. The Lancet, New York, v. 377, n. 9782, p.
2042-2053, may, 2011.

Downloads

Publicado

2020-04-28

Como Citar

ELEUTÉRIO BARROS LIMA MARTINS, A. M. .; SILVA SOUZA, J. G. .; SANTOS-NETO, P. E. .; BARBOSA ELEUTÉRIO, N. .; SANT’ANA HAIKAL, D. .; FAGUNDES SILVEIRA, . M. .; BATISTA PAULA, A. M. .; SENA GUIMARÃES, A. L. .; FERREIRA, R. C. .; ALMEIDA PORDEUS, I. . Prevenção do câncer de boca: acesso a informações e comportamento entre idosos de Montes Claros – MG. Revista Unimontes Científica, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 141–153, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/2173. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>