https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/issue/feed Revista Unimontes Científica 2020-06-16T15:10:17+00:00 Cristina Andrade Sampaio ruc@unimontes.br Open Journal Systems <p style="text-align: justify;">A <em>Revista Unimontes Científica</em> (RUC) é uma publicação periódica, técnico-científica, que tem por finalidade contribuir para divulgação, acesso e utilização do conhecimento produzido multidisciplinarmente.&nbsp; A RUC tem como missão ser instrumento no avanço do conhecimento técnico-científico gerado no rigor da metodologia da pesquisa e da ética, por meio da publicação de artigos de elevado mérito científico. Seu público-alvo são profissionais e estudantes de todas áreas do conhecimento, principalmente, Ciências Biológicas e da Saúde, Ciências Humanas e Sociais. Caracteriza-se como periódico nacional, de circulação internacional que teve sua primeira edição publicada em 2001. Apresenta-se, também, pela chamada de dossiês temáticos, para promover a discussão de temas relevantes para o conhecimento científico.</p> https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/2526 Atividade Antibacteriana de Frutas do Nordeste Brasileiro sobre Bactéria Cariogênica 2020-06-15T00:28:34+00:00 Carlos Eduardo Mendes D’Angelis carlos.dangelis@unimontes.br Abner Nicolas da Silva abnernicolas@outlook.com.br Nair Amélia Prates Barreto nair.barreto@unimontes.br Karina Andrade de Prince karina.prince@bol.com.br Ana Cristina Carvalho Botelho anacristina.botelho@yahoo.com.br Ana Cristina Morseli Polizello anacrisp@fcfrp.usp.br Augusto Cesar Cropanese Spadaro cespada@usp.br <p>a cárie dentária é um grande problema de saúde pública em muitos países. Algumas regiões do Brasil são mais afetadas como o Norte e o Nordeste. A atividade antibacteriana frente à <em>Streptococcus mutans</em> representa um alvo terapêutico interessante para o estudo e controle da cárie dentária, já que este micro-organismo é reconhecido como um importante agente causador da formação de placa dental e cárie dentária. <strong>Objetivo:</strong> o objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade antimicrobiana, frente à <em>S. mutans, </em>da polpa de frutos nativos da região Nordeste do Brasil: <em>Spondias mombin</em> L. (cajazeira), <em>Spondias purpurea</em> L (sirigueleira) e <em>Spondias tuberosa </em>(umbuzeiro). <strong>Metodologia:</strong> as frações clorofórmica, hexânica, acetato de etila e Aquosa de polpas de fruta integral dessas espécies foram obtidas através do processo de partição líquido-líquido. Realizou-se teste de difusão em ágar, caracterizando os extratos quanto ao seu potencial antimicrobiano frente à <em>S. mutans, </em>elegendo-se o de maior atividade para realização da concentração inibitória mínima - CIM. <strong>Resultados:</strong> as frações hexânica, acetato de etila e clorofórmica de cajá apresentaram expressiva atividade antimicrobiana frente a <em>S. mutans</em> nos ensaios de disco-difusão, sendo eleita para o teste de CIM. O teste revelou atividade inibitória de 0,01 mg/mL, 0,78 mg/mL e 0,02 mg/mL para as frações hexânica, clorofórmica e acetato de etila, respectivamente. <strong>Conclusão:</strong> conclui-se que as frações hexânica, clorofórmica e acetato de etila de cajá apresentaram interessante efeito antimicrobiano, principalmente as frações mais apolares, e, merecem estudos mais aprofundados quanto a sua atividade biológica.</p> 2020-06-14T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Unimontes Científica https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/2651 Fatores associados à necessidade de hemotransfusão em recém-nascidos cadastrados em um ambulatório de Follow-up 2020-06-16T15:10:17+00:00 Antonio Caldeira antonio.caldeira@unimontes.br Andreia Caroline Ribeiro Ramos andreia897@hotmail.com Isabella Prates Caldeira isabellapratescaldeira@gmail.com Patrícia Soares Castro patcastro83@hotmail.com Jair Almeida Carneiro jairjota@yahoo.com.br Lucineia Pinho lucineiapinho@hotmail.com <p><strong>Objetivo: </strong>conhecer a frequência e os fatores associados à necessidade de hemotransfusão em recém-nascidos acompanhados em um serviço seguimento de recém-nascidos de alto risco. Metodologia: Trata-se de estudo com base em dados secundários, a partir do grupo de crianças de ambulatório de seguimento no norte de Minas Gerais. Foram coletadas variáveis relacionadas às condições de gestação, parto e permanência na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Após análises bivariadas, seguiu-se regressão de Poisson com as variáveis que se mostraram associadas até o nível de 20%. No modelo final, permaneceram apenas as variáveis que se mostraram associadas à necessidade de hemotransfusão até o nível de 5%, registrando-se as razões de prevalência e seus respectivos intervalos de confiança de 95%. Resultados: Foram coletados dados de 282 neonatos. Houve ligeiro predomínio do sexo masculino. Mais da metade apresentavam peso de nascimento abaixo de 1500 gramas (59,6%). Entre as intercorrências apresentadas, a sepse foi a mais comum (58,9%). A anemia com necessidade de hemotransfusão foi identificada em 96 prontuários (34,0%). Em uma análise conjunta, as variáveis que se mostraram estatisticamente associadas à necessidade de hemotransfusão para o grupo estudado foram: o peso de nascimento menor que 1500g (RP=1,25; IC95%:1,09-1,39), o tempo de oxigenioterapia igual ou superior a 15 dias (RP=1,42; IC95%:1,29-1,56) e a ocorrência de sepse (RP=1,11; IC95%:1,01-1,23). Conclusão: Observou-se elevada frequência de hemotransfusão para o grupo estudado. As variáveis associadas destacam o papel da prematuridade e dos cuidados com os prematuros no período neonatal.</p> 2020-06-16T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Unimontes Científica