DELINEAMENTOS DE ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS E NÃO EPIDEMIOLÓGICOS DA ÁREA DA SAÚDE: UMA REVISÃO DE LITERATURA

Autores

  • Andréa Maria Eleutério de Barros Lima Martins Doutora em Saúde Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Professora da Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes.
  • Raquel Conceição Ferreira Doutora em Odontologia pela UFMG. Professora da UFMG.
  • Pedro Eleutério dos Santos-Neto Doutorando em Ciências da Saúde pela Unimontes. Professor da Unimontes.
  • Carlos Alberto Quintão Rodrigues Doutorando em Ciências da Saúde pela Unimontes. Professor da Unimontes.
  • Carlos Alberto Quintão Rodrigues Mestre em Ciências da Saúde pela Unimontes. Professor da Unimontes
  • Duran Nunes de Pinho Veloso Graduado(a) em Odontologia pela Unimontes.
  • Janaina Maia e Cruz
  • Leandro da Cunha Dias Graduado(a) em Odontologia pela Unimontes.
  • Daiane Cristianismo Costa Graduado(a) em Odontologia pela Unimontes.

Palavras-chave:

Epidemiologia. Viés (Epidemiologia). Características dos estudos. Revisão. Saúde. Metodologia.

Resumo

Estudos na área da saúde contribuem para a construção do conhecimento científico referente a
indivíduos ou populações, podendo orientar políticas de saúde voltadas às suas necessidades. Sendo assim, a
escolha do delineamento ou desenho do estudo deve considerar os objetivos propostos pelos pesquisadores,
o rigor metodológico almejado, a força de evidência desejada, os recursos financeiros disponíveis e o
cronograma da pesquisa, se são feitos em nível de comunidades ou de indivíduos e se a análise dos dados
é descritiva ou comparativa, com objetivo de testar hipóteses. Foi feita uma revisão da literatura, buscando
descrever os diferentes delineamentos empregados em estudos científicos da área da saúde quanto as
vantagens e desvantagens, poder de inferência e influência no âmbito científico. Foram incluídos estudos
não-epidemiológicos e epidemiológicos. Os não-epidemiológicos considerados foram: pesquisa qualitativa,
pesquisa-ação, pesquisa documental, estudo de caso, estudo de série de casos, experimento laboratorial,
revisão de literatura, revisão sistemática da literatura e metanálise. Os epidemiológicos foram: prevalência,
incidência, ecológico, estudo de tendência, caso-controle, coorte, híbrido, quase experimental e ensaios. A
partir disso, foram identificados os propósitos e poder de inferência dos delineamentos não-epidemiológicos
e epidemiológicos, de acordo com o rigor metodológico. Conclui-se que o delineamento do estudo a ser
conduzido depende do propósito ou objetivo da pesquisa e tem relação direta com o seu poder de inferência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. HOCHMAN, B. et al. Desenhos de pesquisa.
Acta Cir Bras, v. 20, p. 2-9, 2005.
2. LIMA-COSTA, M. F; BARRETO, S. M.
Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos
básicos e aplicações na área do envelhecimento.
Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 12, p. 189-
201, 2003.
3. OLIVEIRA, G; OLIVEIRA, E; LELES,
C. Tipos de delineamento de pesquisa de estudos
publicados em periódicos odontológicos brasileiros.
Rev. odonto ciência, v. 22, p. 42-47, 2007.
4. SOUSA, V. D; DRIESSNACK, M;
MENDES, I. A. C. Revisão dos desenhos de
pesquisa relevantes para enfermagem: Parte 1:
desenhos de pesquisa quantitativa. Rev. Latino-Am.
Enfermagem, v. 15, 2007.
5. ROUQUAYROL, M. Z; ALMEIDA FILHO,
N. Epidemiologia e saúde. In: Proceedings of the
Brazilian Nursing Communication Symposium;
São Paulo; 2002.
6. PETRIE, A; BULMAN, J. S; OSBORN, J.
F. Further statistics in dentistry - Part 1: Research
designs 1. Brit Dent J, v. 193, p. 377-380, 2002.
7. GORDIS, L. Epidemiologia. Rio de Janeiro:
Revinter, 2009
8. COUTINHO, M. Princípios de epidemiologia
clínica aplicada à cardiologia. Arq Bras Cardiol, v.
71, p. 1-8, 1998.
9. SUZUMURA, E. A. et al. Como avaliar
criticamente estudos de coorte em terapia intensiva?
Rev. bras. ter. intensiva, v. 20, p. 93-98, 2008.
10. PETRIE, A; BULMAN, J. S; OSBORN, J.
F. Further statistics in dentistry - Part 10: Sherlock
Holmes, evidence and evidence-based dentistry.
Brit Dent J, v. 194, p. 189-195, 2003.
11. PETRIE, A; BULMAN, J. S; OSBORN, J. F.
Further statistics in dentistry - Part 4: Clinical trials
2. Brit Dent J, v. 193, p. 557-561, 2002.
12. LAST, J. M. A dictionary of epidemiology.
Oxford University Press, 1995.
13. PETRIE, A; BULMAN, J. S; OSBORN, J.
F. Further statistics in dentistry - Part 2: Research
designs 2. Brit Dent J, v. 193, p. 435-440, 2002.
14. MINAYO, M. C. S. et al. Pesquisa Social.
23. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.
15. FRANKEL, R. M; DEVERS, K. J. Study
design in qualitative research-1: developing
questions and assessing resource needs. Educ
Health, v. 13, p. 251-261, 2000.
16. THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisaação. São Paulo: Cortez; 1986.
17. SÁ-SILVA, L. R. C. et al. Pesquisa
documental: alternativa investigativa na formação
docente. In: IX Congresso Nacional de Educação
– EDUCERE, 2009.
18. FIGUEIREDO, N. M. A. Método e
metodologia na pesquisa científica. 2. ed. São
Caetano do Sul, São Paulo: Yendis Editora, 2007.
19. CELLARD, A. A análise documental.
In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa:
enfoques epistemológicos e metodológicos.
Petrópolis: Vozes, 2008.
20. LUDKE, M; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa
em educação: abordagens qualitativas. São Paulo:
EPU, 1986.
21. NEVES, J. L. Pesquisa Qualitativa –
características, usos e possibilidades. Caderno de
Pesquisa em Administração, v. 1, n. 3, 1996.
22. ROSENTHAL, R. Meta-analytic procedures
for social research. Applied Social Research
Methods Series, 6 ed. Newbury Park: Sage, 1984.
23. GRAFTON, A. The footnote: A curious
history. Cambridge: Harvard U Press, 1997.
24. GUNTHER, H. Pesquisa Qualitativa
Versus Pesquisa Quantitativa: Esta É a Questão?
Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 22 n. 2, p. 201-
210, 2006.
25. GIL, A. C. Como classificar as pesquisas? In:
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa.
São Paulo: Atlas; 2002. p. 41-58.
26. VENTURA M. V. O Estudo de caso como
modalidade de pesquisa. Revista SOCERJ, v. 20, p.
383–386, 2000.
27. PEREIRA, M. G. Epidemiologia: teoria e
prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
28. BLETTNER, M. et al. Traditional reviews,
meta-analyses and pooled analyses in epidemiology.
Int J Epidemiol, v. 28, p. 1-9, 1999.
29. PETRIE, A; BULMAN, J. S; OSBORN, J. F.
Further statistics in dentistry - Part 8: Systematic
reviews and meta-analyses. Brit Dent J, v. 194, p.
73-78, 2003.
30. ROTHMAN, K. J; GREENLAND, S; LASH,
T. J. Epidemiologia Moderna. 3. Ed. Porto Alegre:
Artmed, 2011.
31. WALTER, S. D. The ecologic method in the
study of environmental health. 1. Overview of the
Method. Environ Health Perspect, v. 94, p. 61-65,
1991.
32. DOLL, R. Cohort studies: history of the
method I. prospective cohort studies. Sozial
Praventivmed, v. 46, p. 75–86, 2001.
33. GRIMES, D. A; SCHULZ, K. F. Cohort
studies: marching towards outcomes. Lancet, v.
359, p. 341-345, 2002.
34. LILIENFIELD, D. E; STOLLEY, P. D.
Foundations of epidemiology: revised by David
E. Lilienfeld, Paul D. Stalley. New York: Oxford
University Press; 1994.
35. CAMPBEL, D. T; STANLEY, J.
Experimental and quasi-experimental design for
research. Boston: Houghton Mifflin Company,
1966.
36. CARNEIRO, M. Estudos epidemiológicos na
avaliação de efetividade do Programa de Controle
da Doença de Chagas: discussão metodológica.
Rev bras epidemiol, v. 5, p. 129-141, 2002.
37. FRIIS, R. H; SELLERS, T. A. Epidemiology
for Public Health Practice. 5 th ed. Burlington:
Jones & Bartlett Learning, 2014. Disponível em:
http://books.google.com.br/books?id=CaFhNI7CcbUC&pri
ntsec=frontcover&hl=pt-BR#v=onepage&q&f=false
38. ROUQUAYROL, M. Z; FILHO, N. A.
Epidemiologia e Saúde. 5. ed. Rio de Janeiro:
Medsi, 1999.
PETRIE, A; BULMAN, J. S; OSBORN, J. F.
Further statistics in dentistry - Part 3: clinical trials
1. Brit Dent J, v. 193, p. 495-498, 2002.

Downloads

Publicado

2020-04-17

Como Citar

ELEUTÉRIO DE BARROS LIMA MARTINS, A. M. .; FERREIRA, R. C. .; ELEUTÉRIO DOS SANTOS-NETO, P. .; ALBERTO QUINTÃO RODRIGUES, C. .; QUINTÃO RODRIGUES, C. A. .; NUNES DE PINHO VELOSO, D. .; MAIA E CRUZ, J. .; DA CUNHA DIAS, L. .; CRISTIANISMO COSTA, D. . DELINEAMENTOS DE ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS E NÃO EPIDEMIOLÓGICOS DA ÁREA DA SAÚDE: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Revista Unimontes Científica, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 64–80, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/2030. Acesso em: 31 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos de Revisão

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>