Revista Unimontes Científica https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica <p style="text-align: justify;">A <em>Revista Unimontes Científica</em> (RUC) é uma publicação periódica, técnico-científica, que tem por finalidade contribuir para divulgação, acesso e utilização do conhecimento produzido multidisciplinarmente.&nbsp; A RUC tem como missão ser instrumento no avanço do conhecimento técnico-científico gerado no rigor da metodologia da pesquisa e da ética, por meio da publicação de artigos de elevado mérito científico. Seu público-alvo são profissionais e estudantes de todas áreas do conhecimento, principalmente, Ciências Biológicas e da Saúde, Ciências Humanas e Sociais. Caracteriza-se como periódico nacional, de circulação internacional que teve sua primeira edição publicada em 2001. Apresenta-se, também, pela chamada de dossiês temáticos, para promover a discussão de temas relevantes para o conhecimento científico.</p> pt-BR ruc@unimontes.br (Cristina Andrade Sampaio) portal.periodicos@unimontes.br (Equipe Portal Periodicos) seg, 15 jun 2020 00:30:16 +0000 OJS 3.2.1.0 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Atividade Antibacteriana de Frutas do Nordeste Brasileiro sobre Bactéria Cariogênica https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/2526 <p>a cárie dentária é um grande problema de saúde pública em muitos países. Algumas regiões do Brasil são mais afetadas como o Norte e o Nordeste. A atividade antibacteriana frente à <em>Streptococcus mutans</em> representa um alvo terapêutico interessante para o estudo e controle da cárie dentária, já que este micro-organismo é reconhecido como um importante agente causador da formação de placa dental e cárie dentária. <strong>Objetivo:</strong> o objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade antimicrobiana, frente à <em>S. mutans, </em>da polpa de frutos nativos da região Nordeste do Brasil: <em>Spondias mombin</em> L. (cajazeira), <em>Spondias purpurea</em> L (sirigueleira) e <em>Spondias tuberosa </em>(umbuzeiro). <strong>Metodologia:</strong> as frações clorofórmica, hexânica, acetato de etila e Aquosa de polpas de fruta integral dessas espécies foram obtidas através do processo de partição líquido-líquido. Realizou-se teste de difusão em ágar, caracterizando os extratos quanto ao seu potencial antimicrobiano frente à <em>S. mutans, </em>elegendo-se o de maior atividade para realização da concentração inibitória mínima - CIM. <strong>Resultados:</strong> as frações hexânica, acetato de etila e clorofórmica de cajá apresentaram expressiva atividade antimicrobiana frente a <em>S. mutans</em> nos ensaios de disco-difusão, sendo eleita para o teste de CIM. O teste revelou atividade inibitória de 0,01 mg/mL, 0,78 mg/mL e 0,02 mg/mL para as frações hexânica, clorofórmica e acetato de etila, respectivamente. <strong>Conclusão:</strong> conclui-se que as frações hexânica, clorofórmica e acetato de etila de cajá apresentaram interessante efeito antimicrobiano, principalmente as frações mais apolares, e, merecem estudos mais aprofundados quanto a sua atividade biológica.</p> Carlos Eduardo Mendes D’Angelis, Abner Nicolas da Silva, Nair Amélia Prates Barreto, Karina Andrade de Prince, Ana Cristina Carvalho Botelho, Ana Cristina Morseli Polizello, Augusto Cesar Cropanese Spadaro Copyright (c) 2020 Revista Unimontes Científica https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/2526 dom, 14 jun 2020 00:00:00 +0000 Fatores associados à necessidade de hemotransfusão em recém-nascidos cadastrados em um ambulatório de Follow-up https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/2651 <p><strong>Objetivo: </strong>conhecer a frequência e os fatores associados à necessidade de hemotransfusão em recém-nascidos acompanhados em um serviço seguimento de recém-nascidos de alto risco. Metodologia: Trata-se de estudo com base em dados secundários, a partir do grupo de crianças de ambulatório de seguimento no norte de Minas Gerais. Foram coletadas variáveis relacionadas às condições de gestação, parto e permanência na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Após análises bivariadas, seguiu-se regressão de Poisson com as variáveis que se mostraram associadas até o nível de 20%. No modelo final, permaneceram apenas as variáveis que se mostraram associadas à necessidade de hemotransfusão até o nível de 5%, registrando-se as razões de prevalência e seus respectivos intervalos de confiança de 95%. Resultados: Foram coletados dados de 282 neonatos. Houve ligeiro predomínio do sexo masculino. Mais da metade apresentavam peso de nascimento abaixo de 1500 gramas (59,6%). Entre as intercorrências apresentadas, a sepse foi a mais comum (58,9%). A anemia com necessidade de hemotransfusão foi identificada em 96 prontuários (34,0%). Em uma análise conjunta, as variáveis que se mostraram estatisticamente associadas à necessidade de hemotransfusão para o grupo estudado foram: o peso de nascimento menor que 1500g (RP=1,25; IC95%:1,09-1,39), o tempo de oxigenioterapia igual ou superior a 15 dias (RP=1,42; IC95%:1,29-1,56) e a ocorrência de sepse (RP=1,11; IC95%:1,01-1,23). Conclusão: Observou-se elevada frequência de hemotransfusão para o grupo estudado. As variáveis associadas destacam o papel da prematuridade e dos cuidados com os prematuros no período neonatal.</p> Antonio Caldeira, Andreia Caroline Ribeiro Ramos, Isabella Prates Caldeira, Patrícia Soares Castro, Jair Almeida Carneiro, Lucineia Pinho Copyright (c) 2020 Revista Unimontes Científica https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/2651 ter, 16 jun 2020 00:00:00 +0000