Calibração de examinadores do Levantamento epidemiológico das condições de saúde bucal da população de Montes Claros, MG - Projeto SBMOC

Autores

  • Andréa Maria Eleutério Barros de Lima Martins Doutora em Saúde Pública / Epidemiologia - Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Professora da Unimontes.
  • Desirée Sant’Ana Haikal Mestre em Odontologia em Saúde Coletiva - UFMG. Professora da Unimontes
  • Pedro Eleutério dos Santos-Neto Mestre em Ciências da Saúde - Unimontes. Professor da Unimontes
  • Sâmia Francy Ferreira Alves Graduada em Odontologia - Unimontes.
  • Núbia Barbosa Eleutério Pós-graduada em Residência Multiprofissional em Saúde da Família - Unimontes.
  • Pablo Henrique Ataíde Oliveira Bacharel em Matemática - Unimontes.
  • Gustavo Pereira Gomes Bacharel em Matemática - Unimontes.
  • Bruno Lopes Guimarães Bacharel em Matemática - Unimontes.
  • Raquel Conceição Ferreira Doutora em Odontologia - UFMG. Professora da Unimontes
  • Marise Fagundes Silveira Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva - Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. Professora da Unimontes.
  • Isabela Almeida Pordeus Doutora em Epidemiology and Public Health - University College London. Professora titular em Odontopediatria da UFMG.

Palavras-chave:

Epidemiologia. Reprodutibilidade dos testes. Estatística. Validação. Levantamento epidemiológico. Inquérito de saúde bucal.

Resumo

Introdução: O diagnóstico das doenças bucais apresenta alto grau de subjetividade, podendo ocorrer
divergências nesses diagnósticos em investigações nas quais muitas pessoas são examinadas por diversos
examinadores. Em 1991, a Organização Mundial da Saúde (OMS) propôs a padronização de critérios diagnósticos
e o treinamento e calibração dos examinadores. Objetivos: Identificar a concordância inter e intra-examinadores
na calibração dos cirurgiões-dentistas que atuaram no diagnóstico das condições bucais avaliadas no Levantamento
epidemiológico das condições de saúde bucal da população de Montes Claros-MG. Método: A calibração consistiu
da seleção de voluntários, treinamento teórico, treinamento prático, coleta de dados e cálculo da concordância. Trinta
e três cirurgiões-dentistas examinaram e re-examinaram os voluntários, utilizando os códigos e critérios propostos
pela OMS em 1997. Na estimativa das concordâncias, considerando satisfatórios os níveis ≥ 0,60, utilizaram-se
os coeficientes adequados à condição de saúde avaliada: Kappa (condições da coroa dentária e da raiz dentária,
necessidade de tratamento dentário, alteração gengival e uso/necessidade de prótese), Kappa ponderado (fluorose,
cálculo e condições periodontais) e o coeficiente de correlação intra-classe (Dental Aesthetic Indice). Resultados:
Dentre aproximadamente 1600 voluntários, 945 foram selecionados. Os treinamentos teórico e prático demandaram
noventa horas. Após a coleta de dados (sessenta horas) e cálculo da concordância, constatou-se que, dos trinta e três
examinadores, vinte e seis foram considerados aptos a participarem da coleta de dados, dos quais, nove atuaram do
início até a finalização e quinze atuaram em algum momento da coleta. Conclusão: As concordâncias satisfatórias
proporcionaram consistência aos resultados obtidos no levantamento epidemiológico realizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. PERES, M. A.; TRAEBERT, J.; MARCENES, W.
Calibração de examinadores para estudos epidemiológicos
de cárie dentária. Cadernos de Saúde Pública, Rio
de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 153-159, jan-fev, 2001.
2. RONCALLI, A. G. et al. Projeto SB2000: uma
perspectiva para a consolidação da epidemiologia
em Saúde Bucal Coletiva. Revista Brasileira de
Odontologia e Saúde Coletiva, v. 1, n. 2, p. 9-25, 2000.
3. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE.
Levantamento epidemiológico básico de
saúde bucal. 3. ed. São Paulo: Santos; 1991.
4. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Oral Health
surveys: basic methods. 4. ed. Geneva: ORH EPID, 1997.
5. RONCALLI, A. G., et al. Levantamentos
epidemiológicos em saúde bucal: análise da
metodologia proposta pela Organização Mundial
de Saúde. Revista Brasileira de Epidemiologia,
São Paulo, v. 1, n. 2, p. 177-89, Ago, 1998..
6. ASSAF, A. V., et al. Comparação entre medidas
de reprodutividade para calibração em levantamentos
epidemiológicos da cárie dentária. Cadernos de Saúde
Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 9, p. 1901-07, Set, 2006.
7. MUNOZ, S. R.; BANGDIWALA, S. I. Interpretation
of Kappa and B statistics measures of agreement. Journal
of Applied Statistics, v. 24, n. 1, p. 105-12, Feb, 1997.
8. COHEN, J. Weighted kappa: nominal scale agreement
with provision for scaled disagreement or partial credit.
Psychological Bulletin, v. 70, n. 4, p. 213-20, Oct, 1968
9. CICCHETTI, D. V. et al. Assessing the reliability of
clinical scales when the data have both nominal and ordinal
features: proposed guidelines for neuropsychological
assessments. Journal of Clinical and Experimental
Neuropsychology, v. 14, n. 5, p. 673-86, Sept, 1992.
10. FLEISS, J. L. Statistical methods for rates and
proportions. New York: John Wiley Sons, 1981.
11. BULMANN, J. S.; OSBORN, J. F.
Measuring diagnostic consistency. British Dental
Journal, v. 166, n. 10, p. 377- 81, May, 1989.
12. BARTKO, J. J.; CARPENTER, W. T. On the
methods and theory of reliability. The Journal of Nervous
and Mental Disease, v. 163, n. 5, p. 307-17, Nov, 1976.
13. COSTA, R. N. Necessidade de tratamento
ortodôntico: validação do DAI (Índice de Estética
Dental) e do ICON (Índice de Complexidade, Resultado
e Necessidade) para a região de Belo Horizonte. 2007.
139 f. Dissertação (Mestrado em Odontologia) -
Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
14. FLEISS, J. L. The Design and analysis of clinical
experiments. New York: John Wiley & Sons, 1986.
15. BRASIL. Ministério da Saúde. Projeto
SB Brasil 2003: condições de saúde bucal da
população brasileira 2002-2003: resultados
principais. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.
16. BRASIL. Ministério da Saúde. SB Brasil
2010. Manual de Calibração de Examinadores.
Brasília: Ministério da Saúde, 2010.
17. EKLUND, S. A.; MOLLER, I. J.;
LECLERCQ, M. H. Calibrating examiners for
oral health epidemiology surveys. Word Health
Organization, 1996; WHO/ORH/Epid. 931.
18. FRIAS, A. C.; ANTUNES, J. L. F.; NARVAI,
P. C. Precisão e validade de levantamentos
epidemiológicos em saúde bucal: cárie dentária
na cidade de São Paulo, 2002. Revista Brasileira
de Epidemiologia, v. 7, n. 2, p. 144-54, jun, 2004.
19. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Calibration
of Examiners for Oral Health Epidemiology Surveys.
Technical Report. Geneva: ORH/EPID, 1993.
20. LUIZ, R. R.; COSTA, A. J. L.; NADANOVSKY,
P. Epidemiologia e bioestatística na pesquisa
odontológica. São Paulo: Atheneu, 2005.
21. CONS, N.C.; JENNY, J.; KOHOUT,
F.J. DAI: the dental aesthetic index. Iowa
City: Iowa College of Dentistry, 1986.
22. SUSIN, C.; RÖSING, C. K. A importância do
treinamento, reprodutibilidade e calibragem para
a qualidade dos estudos. Revista da Faculdade de
Odontologia de Porto Alegre, v. 41, n. 1, p. 3-7, 2000.

Downloads

Publicado

2020-04-24

Como Citar

ELEUTÉRIO BARROS DE LIMA MARTINS, A. M. .; SANT’ANA HAIKAL, D. .; ELEUTÉRIO DOS SANTOS-NETO, P. .; FERREIRA ALVES, S. F. .; BARBOSA ELEUTÉRIO, N. .; ATAÍDE OLIVEIRA, P. H. .; PEREIRA GOMES, G. .; LOPES GUIMARÃES, B. .; FERREIRA, . R. C. .; FAGUNDES SILVEIRA, . M. .; ALMEIDA PORDEUS, I. . Calibração de examinadores do Levantamento epidemiológico das condições de saúde bucal da população de Montes Claros, MG - Projeto SBMOC. Revista Unimontes Científica, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 43–56, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/2138. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>