Proposta de atividade epilinguística para o ensino de concordância verbal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/ees.v18n20a03

Palavras-chave:

Concordância verbal, Atividades epilinguísticas, Ensino de gramática

Resumo

Resumo: O objetivo deste estudo é propor uma atividade para o ensino da concordância
verbal de 3ª pessoa do plural em textos escritos, fenômeno linguístico muito valorizado
nas aulas de português, o qual, se não ocorre conforme a norma-padrão, constitui-se como
um fator de distinção social estigmatizante. Assim, é importante que a abordagem da
concordância verbal se dê de forma mais produtiva, apresentando-se atividades
epilinguísticas, pautadas na reflexão e na tomada de consciência sobre como ocorrem os
fenômenos linguísticos. Considerando que a concordância verbal é um fenômeno variável
no português brasileiro, importa que seja abordado conforme os pressupostos da
pedagogia da variação linguística, que legitima a norma dominada pelos estudantes,
utilizando-a como ponto de partida para a aquisição das normas prestigiadas. Este estudo
é relevante porque propõe um material alinhado a teorias linguísticas inovadoras e,
portanto, a orientações oficiais presentes em documentos como os PCN (1998) e a BNCC
(2018).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Henrique Viana Lopes, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (2015). É especialista em Ensino de Língua Portuguesa (2020) pela Universidade Estadual do Ceará e mestre em Letras (2019) pela mesma universidade, estudando, principalmente, sobre o ensino de gramática na educação básica à luz da Pedagogia da Variação e da Gramática Contextualizada. É Doutorando em Linguística pelo Programa de pós-graduação em Linguística da Universidade Federal do Ceará. Atua como professor da área de linguagens, códigos e suas tecnologias, vinculado à Secretaria da Educação do Estado do Ceará, para a qual contribuiu, ainda, como elaborador de material didático e formador de pares.

Valdinar Custódio Filho, Universidade Estadual do Ceará

Graduado em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (2003). Mestre (2006) e doutor (2011) em Linguística pela Universidade Federal do Ceará, atualmente realizando estágio pós-doutoral na mesma instituição. Professor adjunto K do Curso de Letras e do Mestrado Profissional em Letras (Profletras) da Universidade Estadual do Ceará (2016 em diante). Membro do Grupo Protexto. Produtor de material didático para o ensino fundamental e o ensino médio. Experiência nas áreas de Linguística Textual, ensino-aprendizagem de língua portuguesa e formação de professores.

Referências

ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola, 2003.

ANTUNES, Irandé. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no

caminho. São Paulo: Parábola, 2007.

BAGNO, Marcos. Norma linguística & preconceito social: questões de terminologia.

Veredas, Juiz de Fora, v. 5, n. 2, p. 71-83, 2001. Disponível em

https://periodicos.ufjf.br/index.php/veredas/article/view/25311. Acesso em: 08 jun. 2023.

BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 56. ed. São Paulo:

Parábola, 2015.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna,

BORTONI-RICARDO, Stela Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística em

sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental.

Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental –

Língua Portuguesa. Brasília, 1998. Disponível em

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/portugues.pdf. Acesso em: 08 jun. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Básica. Base

nacional comum curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília, 2018.

Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 08 jun. 2023.

BUENO, Francisco. Silveira. Gramática de Silveira Bueno. São Paulo: Global, 2014.

CUNHA, Celso.; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 6.

ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.

CYRANKA, Lúcia Mendonça. A pedagogia da variação é possível? In: ZILLES, Ana

Maria Stahl; FARACO, Carlos Alberto (Org.). Pedagogia da variação linguística: língua,

diversidade e ensino. São Paulo: Parábola, 2015, p. 31-51.

FRANCHI, Carlos. Criatividade e gramática. In: POSSENTI, C. (Org.). Mas o que é

mesmo gramática? São Paulo: Parábola, 2006, p. 34-101.

LOPES, Gustavo Henrique Viana. A concordância verbal com 3ª pessoa do plural em

textos escritos do 8º ano fundamental: uma proposta de ensino. 2019. 216 f. Dissertação

(Mestrado Profissional em Letras) – Programa de Mestrado profissional em Letras,

Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2019. Disponível em

file:///C:/Users/gusta/Downloads/Gustavo-Henrique-Viana-Lopes%20(5).pdf. Acesso

em: 08 jun. 2023.

NEVES, Maria Helena de Moura. Que gramática estudar na escola? Norma e uso na

língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2019.

PERINI, Mário Alberto. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2010.

RUBIO, Cássio. Florêncio. Padrões de concordância verbal e de alternância pronominal

no português brasileiro e europeu: estudo sociolinguístico comparativo. 2012. 391 f. Tese

(Doutorado em Estudos Linguísticos) - Programa de Pós-graduação em Estudos

Linguísticos, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2012.

SCHERRE, Maria Marta Pereira. Doa-se lindos filhotes de poodle: variação linguística,

mídia e preconceito. São Paulo: Parábola, 2005.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de

gramática. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

VIEIRA, Silvia Rodrigues. Concordância verbal. In: VIEIRA, Silvia. Rodrigues.;

BRANDÃO, Silvia Figueiredo. (Org.). Ensino de gramática: descrição e uso. 2. ed. São

Paulo: Contexto, 2011. p. 85-102.

ZILLES, Ana Maria Stahl; FARACO, Carlos Alberto. Introdução. In: ZILLES, Ana

Maria Stahl; FARACO, Carlos Alberto. (Org.). Pedagogia da variação linguística:

língua, diversidade e ensino. São Paulo: Parábola, 2015, p. 07-15.

Arquivos adicionais

Publicado

25.08.2023

Edição

Seção

Dossiê - A pesquisa no PROFLETRAS: formações e ações no contexto escolar