Avaliação da aprendizagem na educação superior: um desafio a ser enfrentado

Autores

DOI:

10.46551/ees.v19n21art01

Palavras-chave:

Educação superior. , Avaliação educacional, Universidades.

Resumo

Resumo: A avaliação da aprendizagem vem se configurando como um desafio para professores, alunos e gestão, pois, assim como a educação, não se trata de uma ação neutra, mas, ao contrário, está impregnada de sentidos, interesses e valores, consubstanciada em uma visão de ser humano, de mundo e de sociedade que a fundamente. Nesse sentido, a avaliação da aprendizagem está localizada em um cenário de múltiplas dimensões (política, pedagógica, social e econômica), havendo diferentes intencionalidades que podem afastá-la do objetivo de contribuir para a efetiva aprendizagem e a formação humana, tendo em vista a construção de uma sociedade justa, democrática e digna. Este artigo apresenta uma sistematização de concepções que podem contribuir para a compreensão do processo de avaliação na educação superior como um desafio, com a intenção de fortalecer a perspectiva emancipadora da educação e a necessidade da construção de projetos pedagógicos como instrumentos de resistência, bem como dos espaços coletivos de formação docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina de Souza Alves, Sociedade de Ensino Universitário do Nordeste - SEUNE

Doutora pela Universidade de São Paulo (USP), 2022. Mestra em Bioética e Aspectos Jurídicos da Saúde em Universidade Del Museo Social Argentino em Buenos Aires (2014) e Enfermeira pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), 1996. Vasta experiência na área de Educação em Saúde, como Enfermeira assistencial, de Unidade de Emergência e Unidade Básica de Saúde. Atualmente atuando como Enfermeira na Gerência de Doenças Crônicas na Secretaria Municipal de Saúde de Maceió/AL e docente na Sociedade de Ensino Universitário do Nordeste - SEUNE.

Sílvia Helena Mendonça de Moraes, Universidade de São Paulo

Graduada em Pedagogia (UFMS) e Psicologia (UCDB). Mestre em Saúde Pública (ENSP/FIOCRUZ). Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Fundamental (EERP/USP). É especialista em Saúde Mental (ENSP/FIOCRUZ) e em Educação na Saúde para Preceptores do SUS (IEP). Atuou na Coordenação Pedagógica da Escola Técnica do SUS de Mato Grosso do Sul (2002 a 2014), foi docente do curso de especialização em Saúde Pública (ESP/MS) e tutora no curso de especialização em Atenção Básica em Saúde da Família (UFMS/UNA-SUS). Atualmente é Pesquisadora em Saúde Pública, da Fundação Oswaldo Cruz Mato Grosso do Sul (FIOCRUZ MS) e Coordenadora do curso de especialização em Saúde da Família (FIOCRUZ MS/UNA-SUS). Possui experiência profissional em Educação na Saúde e Saúde Coletiva, com enfoque nas seguintes temáticas: Formação dos profissionais da saúde, incluindo a formação técnica de nível médio; Educação Permanente em Saúde; Estratégia Saúde da Família; Saúde Mental.

Adriana Katia Corrêa, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (1989), mestrado em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (1995), doutorado em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (2000) e pós-doutorado em educação pela Faculdade de Educação da UNICAMP. Atualmente é professora associada do Departamento de Enfermagem Geral e Especializada da EERP - Universidade de São Paulo, atuando especificamente no Curso de Bacharelado e Licenciatura em Enfermagem. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase na interface com a área de educação - Formação de profissionais e de professores, no âmbito do ensino superior e da educação profissional técnica de nível médio, atuando principalmente nos seguintes temas: educação superior, educação profissional em saúde e enfermagem e formação de professores na área da saúde. 

Referências

AFONSO, A. J. Questões, objetos e perspectivas em avaliação. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, v. 19, n. 2, p. 487-507, jul. 2014.

ANTUNES, C. A avaliação da aprendizagem escolar: fascículo 11. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional- LDB. Brasília, DF: Presidência da República, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Parecer CNE/CES nº 67/2003. Referencial para as Diretrizes Curriculares Nacionais. MEC/CNE, 2003.

CATANI, A. M.; OLIVEIRA, J. F.; DOURADO, L. F. Política educacional, mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação no Brasil. Educação & Sociedade, v. 22, n. 75, p. 67-83, ago. 2001.

CHAUÍ, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 24, p. 5-15, dez. 2003.

CHAUÍ, M. Escritos sobre a universidade. 1. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2011. p. 208.

CUNHA, M. I. Diferentes Olhares Sobre as Práticas Pedagógicas no Ensino Superior: a docência e sua formação. Educação, Porto Alegre, v. XXVII, n. 54, set./dez., 2004, p. 525-536.

DEPRESBITERIS, L. Avaliação educacional em três atos [eBook]. 2. ed. São Paulo: Senac, 2017.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação educativa: produção de sentidos com valor de formação. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, v. 13, n. 1, p. 193-207, mar. 2008.

DIAS SOBRINHO, J. Universidade em tempos ultraliberais. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 23, n. 02, p. 288-293, jul. 2018.

DIAS SOBRINHO, J. Universidade fraturada: reflexões sobre conhecimento e responsabilidade social. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, v. 20, n. 3, p. 581-601, nov. 2015.

GARCIA, J. Avaliação e aprendizagem na educação superior. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 20, n. 43, maio-ago. 2009.

GIMENO SACRISTÁN, J. O que significa o currículo? In: GIMENO SACRISTÁN, J. (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. 1. ed. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 16-35.

HOFFMANN, J. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à Universidade. 33. ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2014. p. 192.

HOFFMANN, J. Avaliação: mito e desafio - uma perspectiva construtivista. 46. ed. Porto Alegre: Mediação, 2019. p. 160.

LIMA, K. R. S. O Banco Mundial e a educação superior brasileira na primeira década do novo século. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 14, n. 1, p. 86-94, jan./jun. 2011.

LUCARELLI, E. Las prácticas inovadoras en el aula universitaria: uma mirada desde la investigación. In: ZANCHET, B. M. B. A.; GHIGGI, G. (Orgs.). Práticas inovadoras na aula universitária: possibilidades, desafios e perspectivas. São Luís: EDUFMA, 2009. p. 17-46.

LUCKESI, C. C. Avaliação da Aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2015. p.448.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2018.

MAGALHÃES, S. M. F.; GABRIELLONI, M. C.; SANNA, M. C.; BARBIERI, M. Educação em Enfermagem: conceituando projeto pedagógico na visão de professores; Acta Paul Enferm. 2017; 30(3):247-53.

MÉNDEZ, J. M. A. A retórica da avaliação. In: MÉNDEZ, J. M. A. Avaliar para conhecer, examinar para excluir. Porto Alegre: Artmed, 2002. p. 43-71.

PEREIRA, D. R.; FLORES, M. A. Percepções dos estudantes universitários sobre a avaliação das aprendizagens: um estudo exploratório. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, v. 17, n. 2, p. 529-556, jul. 2012.

PEREIRA, I. D. F.; LAGES, I. Diretrizes Curriculares para a Formação de Profissionais de Saúde: Competências ou Práxis? Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11 n. 2, p. 319-338, maio/ago. 2013.

SGUISSARDI, V. O trabalho docente na educação superior no Brasil: heterogeneidade, insegurança e futuro incerto. Integración y Conocimiento, v.2, n.7, p. 142-162, 2017.

SORDI, M. R. L.; MALAVAZI, M. M. S. As duas faces da avaliação: da realidade à utopia. Revista de Educação PUC-CAMPINAS, Campinas, n. 7, p. 105-15, nov. 2004.

SORDI, M. R. L.; SANTOS, M.H.A. O lugar da avaliação das aprendizagens em uma perspectiva histórico-crítica. In: VEIGA, I.P.A; FERNANDES, R.C.A. (org.). Por uma didática da educação superior. 1.ed. Campinas: Editora Autores Associados, 2020.

VASCONCELLOS, M. M. M.; SORDI, M. R. L. Formar professores universitários: tarefa (im)possível? Interface-Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 20, n. 57, p. 403-14, 2016.

VEIGA, I. P. A. Projeto Político Pedagógico da Escola: uma construção possível. 28. ed. Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico - Campinas, SP: Papirus, 2010.

VEIGA, I. P. A. Projeto político-pedagógico e gestão democrática: Novos marcos para a educação de qualidade. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 3, n. 4, p. 163-171, jan./jun. 2009.

VILELA, N. S.; MELO, G. F.; DIAS, M. J. S. Avaliação da aprendizagem: perspectiva de professores e alunos da universidade federal de uberlândia. Rev. Docência Ens. Sup., Belo Horizonte, v. 10, e019866, 2020.

Arquivos adicionais

Publicado

26.04.2024

Como Citar

DE SOUZA ALVES, Regina; HELENA MENDONÇA DE MORAES, Sílvia; KATIA CORRÊA, Adriana. Avaliação da aprendizagem na educação superior: um desafio a ser enfrentado. Educação, Escola & Sociedade, Montes Claros, v. 19, n. 21, p. 1–17, 2024. DOI: 10.46551/ees.v19n21art01. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rees/article/view/6380. Acesso em: 18 jul. 2024.