Método fônico ou método global para alfabetizar crianças das camadas populares? (1930-1980)

Resumo

Inserido no âmbito da História Cultural, o artigo tem por objetivo discutir representações, práticas e resistências produzidas em torno do método fônico e do método global de alfabetização. A pesquisa retoma memórias de alfabetizadoras e conteúdos em circulação entre as décadas de 1970 e 1980 — período em que Minas Gerais implanta o Projeto Alfa e propõe o método fônico para alfabetizar. Foi utilizada a história oral para reconstituir a memória coletiva, captar discursos, prescrições e práticas que colocaram metodologias de alfabetização em oposição. Foi constatado que o método global era considerado o mais adequado, mas, na década de 1970, as professoras adotam o método fônico — adoção que se processa em meio a resistências e forte oposição no Grupo Escolar Gonçalves Chaves.

Palavras-chave: Alfabetização. Método Fônico. Método Global. Resistência. História da Educação.

Referências

ALBERTI, Verena. O que documenta a fonte oral? Possibilidades para além da construção do passado. In: II SEMINÁRIO DE HISTÓRIA ORAL, 1996, Belo Horizonte. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, 19 a 20 set. 1996.

ALMEIDA, Maria Celestina. Entrevista realizada em 22/05/2009 por Geisa Magela Veloso, Regina Coele Cordeiro e Esthefane Sabrine A. Silveira Lima.

BARBOSA, Lucília de Souza. Entrevista realizada em 14/05/2009 por Geisa Magela Veloso e Regina Coele Cordeiro.

BARRETTO, Elba Siqueira de Sá; MITRULIS, Eleny. Trajetória e desafios dos ciclos escolares no país. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, n. 42, p. 103-140, ago. 2001.

BRAGA, Maria de Lourdes Lopes. Entrevista realizada em 15 de maio de 2009 por Geisa Magela Veloso e Regina Coele Cordeiro.

BRASIL. Decreto n. 9.765, de 11 de abril de 2019. Institui a Política Nacional de Alfabetização. Brasília: Diário Oficial da União, 11 abr. 2019.

BURKE, Peter. Abertura: a nova história, seu passado e seu futuro. In.: BURKE, Peter. (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992, p. 7-37.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia:história entre certezas e inquietudes. Tradução Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: EdUFRGS, 2002.

CHARTIER, Roger. História cultural: entre práticas e representações. Tradução de Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: Berthand do Brasil, 1990.

FARIA, Jane Rodrigues. Entrevista realizada em 14/12/2009 por Geisa Magela Veloso e Regina Coele Cordeiro.

GOULD, Stephen Jay. A falsa medida do homem. 2. ed. Tradução de Valter Lellis Siqueira. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GUIMARÃES, Ligia Bernadeth Oliveira. Entrevista realizada em 14 de maio de 2009 por Geisa Magela Veloso, Regina Coele Cordeiro e Esthefane Sabrine A. Silveira Lima.

LOURENÇO FILHO, Manoel Bergstron. Testes ABC para verificação da maturidade necessária à aprendizagem da leitura e escrita. 13 ed. Brasília: INEP, 2008.

MAIRINKY, Terezinha. Entrevista realizada em 27 de novembro de 2009 por Geisa Magela Veloso.

MEDEIROS E ALBUQUERQUE, José Joaquim de Campos da Costa. Tests: introdução ao estudo dos meios científicos de julgar a inteligência e aplicação dos alunos. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1924.

MEDINA, Anamaria Vaz de Assis. Organização pública e implementação de novas metodologias: o Projeto Alfa em Minas Gerais. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 65, p. 38-51, 1988.

MELLO, Darlize Teixeira. Os testes ABC: avaliação da aprendizagem escolar nas décadas de 30 a 50. In: VII SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 2007, Itajaí. Anais da VII ANPED SUL: Pesquisa em Educação e inserção social. Itajaí: UNIVALI, 2007, p. 1-17.

MONARCHA, Carlos, "Testes ABC": origem e desenvolvimento. Boletim Academia Paulista de Psicologia, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 7-17, jan./jun. 2008.

MORAIS, Artur Gomes. Concepções e metodologias de alfabetização: por que é preciso ir além da discussão sobre velhos “métodos”? In: SEMINÁRIO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO EM DEBATE, 2006, Brasília. Brasília: Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, 27 abr. 2006, p. 1-15.

MORTATTI, Maria Rosário Longo. História dos métodos de alfabetização no Brasil. In: SEMINÁRIO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO EM DEBATE, 2006, Brasília. Brasília: Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, 27 abr. 2006, p. 1-16.

NUNES, Clarice; CARVALHO, Marta Maria Chagas. Historiografia da educação e fontes. Cadernos ANPEd, Porto Alegre, n. 5. p. 7-64, 1993.

PAIXÃO, Lea Pinheiro. A escola dos carentes: um projeto em Minas. In: ARROYO, Miguel Gonzalez (Org.). Da escola carente à escola possível. São Paulo: Loyola, 1987, p. 55-86.

ROMANO, Ieda. Entrevista realizada em 04 de maio de 2009 por Geisa Magela Veloso, Eduardo Nascimento e Esthefane Sabrine A. Silveira Lima.

SAVIANI, Dermeval. O legado educacional do regime militar. Cadernos Cedes, Campinas, v. 28, n. 76, p. 291-312, set./dez. 2008.

SOARES, Magda Becker. Letramento e alfabetização. São Paulo: Contexto, 2003.

SOARES, Magda Becker. Linguagem e escola: uma perspectiva social. 15 ed. São Paulo: Ática, 1997.

SOUTO, Amélia Prates Barbosa. Entrevista realizada em 22 de maio de 2009 por Geisa Magela Veloso.

SOUZA, Maria Ilda Batista. Entrevista realizada em 05 de junho de 2009 por Geisa Magela Veloso, Eduardo Nascimento e Esthefane Sabrine A. Silveira Lima.

VAINFAS, Ronaldo. História das mentalidades e história cultural. In.: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. (Org.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997, p. 127-162.

WARDE, Mirian Jorge; CARVALHO, Marta Maria Chagas. Política e cultura na produção da história da educação no Brasil. Contemporaneidade e Educação, Rio de Janeiro, v. 5, n. 7, p. 9-33, 2000.

Publicado
2020-01-01