Inteligibilidade e hegemonia: Diálogos com o futebol na relação com a cis-hetero-normatividade

Intelligibility and hegemony: Dialogues with football in relation to cis-hetero-normativity

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v28n1p30-49

Palavras-chave:

Cisgeneridade, Heteronormatividade, Inteligibilidade, Hegemonia, Futebol

Resumo

O presente artigo visa refletir sobre as formas através das quais é possível fazer-se humano e inteligível na sociedade brasileira diante das masculinidades hegemônicas que temos no nosso país contemporaneamente, analisando as condições que permitem a estabilização da hegemonia da cisgeneridade, da heterossexualidade e de um tipo de masculinidade no Brasil. A partir daí, também será possível cruzar essa referência em relação à cis-hetero-normatividade no esporte, e mais particularmente, no futebol. Para este fim, realizamos uma revisão bibliográfica com base em teóricas transfeministas contemporâneas e tendo como referência também investigações científicas qualitativas realizadas pelos autores no campo dos estudos de gênero e sexualidade. Concluímos que atletas dissidentes em termos de gênero e sexualidade no futebol e em esportes em geral só são possíveis, ainda atualmente, a partir da invisibilidade de suas identidades ou a partir de modelos estruturados pela cisgeneridade que tomam a verdade dos seus corpos através de noções biologicistas e essencialistas. Ainda, que o esporte, assim como diversas outras instituições, reflete  um regime de gênero e sexualidade hegemônico que retiram a inteligibilidade daquelas identidades dissidentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eric Seger de Camargo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Licenciado em Educação Física, Mestre em Educação (UFRGS). Membro fundador do grupo HTA - Homens Trans em Ação (RS). ORCID: 0000-0003-0770-9832. Contato: eric.w.seger@gmail.com.  

Guilherme Gomes Ferreira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Bacharel, Mestre e Doutor em Serviço Social (PUCRS). Especialista em Saúde da Família e Comunidade (GHC). Professor do Departamento de Serviço Social e Coordenador do Curso de Serviço Social da UFRGS. Líder do JUDIS - Grupo de Pesquisas em Justiça, Direitos Humanos e Segurança (UFRGS). Vice-líder do MarGens - Grupo de Pesquisa em Marcadores de Gênero e Sexualidade na Saúde (GHC). Membro do Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura. Ativista voluntário na ONG Somos - Comunicação, Saúde e Sexualidade. ORCID: 0000-0002-4036-1615. Contato: guilhermeferreira@ufrgs.br.

Referências

ANJOS, Luiza Aguiar dos. “Tribuna 77 e a defesa de LGBTQI+ nos estádios”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 29, n. 2, p.1-13, 2021.

ANJOS, Luiza Aguiar dos. De “são bichas mas são nossas” à diversidade da alegria: uma história da torcida Coligay. 2018. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano) – Faculdade de Educação Física, Fisioterapia e Dança, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

BAGAGLI, Beatriz. “Cisgênero” nos discursos feministas: uma palavra “tão defendida; tão atacada; tão pouco entendida”. Publicações IEL Unicamp – Campinas, 2018.

BANDEIRA, Gustavo Andrada; SEFFNER, Fernando. Futebol, gênero, masculinidade e homofobia: um jogo dentro do jogo. Espaço Plural, Nº 29, 2º Semestre, p. 246 – 270, 2013. ISSN 1981-478X

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal: introdução à sociologia do direito penal. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

BERLANT, Lauren; WARNER, Michael. “Sexo en público”. In: JIMÉNEZ, Rafael Mérida (Org.). Sexualidades transgresoras: una antología de estudios queer. Barcelona: Icaria Editorial, 2002, p. 229-257.

CAMARGO, Eric Seger. “O sexo das pessoas trans: uma análise de materiais didáticos”. In: MACHADO, Frederico Viana, BARNART, Fabiano e MATTOS, Renan de (Orgs.). A diversidade e a livre expressão sexual entre as ruas, as redes e as políticas públicas. Porto Alegre: Rede Unida, 2017, p. 205-2014.

CAMARGO, Eric Seger. “Pessoas trans no esporte”: os jogos da cisnormatividade. 2020. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

CHIES, Luis Antônio Bogo. “Gênero, criminalização, punição e sistema de justiça criminal: um olhar sobre as sobrecargas punitivas e as dominações do masculino”. Revista de Estudos Criminais, Porto Alegre, n. 28, p. 81-106, 2008.

CONNELL, Raewyn; MESSERSCHMIDT. “Masculinidade hegemônica: repensando o conceito”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 241-282, 2013.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. S. Paulo: Boitempo, 2016.

FALKOWSKI, Fabrício. “Por que não há gays? Ao contrário da grande maioria das profissões, entre jogadores de futebol masculino dificilmente alguém se assume homossexual”. Reportagem Especial. Correio do Povo, 2021. Disponível em: <https://www.correiodopovo.com.br/especial/por-que-n%C3%A3o-h%C3%A1-gays-1.692752>. Acesso em: 14 mai. 2022.

FAUSTO-STERLING, Anne. “Dualismos em duelo”. Cadernos Pagu, São Paulo, n. 17/18, p. 9-79, 2001.

FAUSTO-STERLING, Anne. Sexing the body: gender politics and the construction of sexuality. Nova York: Basic Books, 2000.

FERREIRA, Guilherme Gomes. Vidas lixadas: crime e castigo nas narrativas de travestis e transexuais brasileiras. Salvador: Editora Devires, 2018.

JONES, Bethany Alice; ARCELUS, Jon; BOUMAN, Walter Pierre; HAYCRAFT, Emma. “Sport and transgender people: a systematic review of the literature relating to sport participation and competitive sport policies”. British Journal of Sports Medicine, Londres, v. 47, n. 4, p. 701–716, 2017.

KARKAZIS, Katrina; JORDAN-YOUNG, Rebecca. “The powers of testosterone: obscuring race and regional bias in the regulation of women athletes”. Feminist Formations, Baltimore, v. 30, n. 2, p. 1–39, 2018.

MARTINS, Mariana Zuaneti; SILVA, Kezia Railarne Santis; VASQUEZ, Vitor. “As mulheres e o país do futebol: intersecções de gênero, classe e raça no Brasil”. Revista Movimento, Porto Alegre, v. 27, p. 1-18, 2021.

MENDONÇA, Carlos Magno Camargos; MENDONÇA, Felipe Viero Kolinski Machado. “Ô bicharada, toma cuidado: o Bolsonaro vai matar viado! Cantos homofóbicos de torcidas de futebol como dispositivos discursivos das masculinidades”. Galáxia, São Paulo, n. 46, p.1-18, 2021.

OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes de. O diabo em forma de gente: (r)existências de gays afeminados, viados e bichas pretas na educação. 2017. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, RS, Brasil.

PIELKE, Roger, TUCKER, Ross; BOYE, Erik. “Scientific integrity and the IAAF testosterone regulations”. The International Sports Law Journal, Reino Unido, n. 19, p. 18-26, 2019.

SILVESTRIN, Julian Pegoraro; VAZ, Alexandre Fernandez. “Transmasculinidades no esporte: entre corpos e práticas dissonantes”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 29, n. 2, e79366, 2021.

SŐNKSEN, Peter H.; BAVINGTON, L. Down; BOEHMING, Tan; COWAN, David; GUHA, Nishan; HOLT, Richard; KARKAZIS, Katrina; FERGUSON-SMITH, Malcolm Andrew; MIRCETIC, Jovan; BŐHNING, Dankmar. “Hyperandrogenism controversy in elite women's sport: an examination and critique of recent evidence”. British Journal of Sports Medicine, Londres, v. 52, n. 23, p. 1481-1482, 2018.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade.2015. Dissertação (Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade), Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

VERGUEIRO, Viviane. Pensando a cisgeneridade como crítica decolonial. In: MESSEDER, S., CASTRO, M.G., e MOUTINHO, L., (Orgs.). Enlaçando sexualidades: uma tessitura interdisciplinar no reino das sexualidades e das relações de gênero. Salvador: EDUFBA, 2016, pp. 249-270.

Downloads

Publicado

2022-08-19

Como Citar

SEGER DE CAMARGO, E.; GOMES FERREIRA, G. Inteligibilidade e hegemonia: Diálogos com o futebol na relação com a cis-hetero-normatividade: Intelligibility and hegemony: Dialogues with football in relation to cis-hetero-normativity . Revista Desenvolvimento Social, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 30–49, 2022. DOI: 10.46551/issn2179-6807v28n1p30-49. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/5672. Acesso em: 1 dez. 2022.