Utopia e heterotopia: Análise da normatização e das resistências dos corpos e espaços

Utopia and heterotopy: Analysis of normatization and resistance of bodies and spaces

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v28n1p247-266

Palavras-chave:

Utopia, Espaços Heterotópicos, Corpo, Cisnormatividade, Pessoas Trans

Resumo

O artigo tem como objetivo debater sobre o corpo enquanto um espaço heterotópico, tomando por base a noção definida por Foucault, O Corpo, as heterotopias. Nesse sentido, propomos compreender como os corpos dissidentes da cisnormatividade podem ser entendidos como um espaço heterotópico na medida em que se mostram como um instrumento de resistência às formas de normalização e normatização de si mesmos e do espaço físico. O significado de corpo em nossa análise aponta para um espaço de luta, de disputa de sentidos entre os sujeitos e de embate de diferentes relações de poder que atravessam os indivíduos e suas vivências. Propomos pensar as pessoas trans a partir da ideia do corpo como uma heterotopia, tanto pelo seu caráter de resistência aos processos de normatizações, como pelo processo de apropriação que essas pessoas fazem da sua identidade, constituindo-se como sujeitos dos seus desejos e subjetividades. Os corpos dissidentes são considerados como um espaço heterotópico na medida em que estão gravados na constituição do mesmo uma série de processos de significações e construções socioculturais, mas ao mesmo tempo esse corpo, enquanto espaço heterotópico, resiste e subverte o processo, as imposições binárias e o discurso cisnormativo, criando em si mesmos um espaço heterotópico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Brito, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Bacharel em Direito pela Universidade Estadual de Montes Claros. Mestre e doutorando pelo Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros/Unimontes. Professor do Curso de Direito da Universidade Estadual de Montes Claros/Unimontes. E-mail: professormarcelob@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5692-0883

Ildenilson Meireles, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Doutor em Filosofia. Professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros/Unimontes. E-mail: meirelesildenilson@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0528-727X

Iuri Simões Mota, Faculdade Santo Agostinho de Montes Claros

Bacharel em Direito e Mestre em Estudos Literários pela Universidade Estadual de Montes Claros/Unimontes. Professor e Coordenador do Curso de Direito da Faculdade Santo Agostinho de Montes Claros. E-mail: iurimota@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8521-251X

Referências

ARARUNA, Maria Léo Fontes Borges. O direito à cidade em uma perspectiva travesti: uma breve autoetnografia sobre socialização transfeminina em espaços urbanos. Salvador, n. 8, v. 1, nov.2017-abr. 2018.

AZEVEDO, M. P. Corpos em resistência: um olhar sobre a noção de heterotopia de Michel Foucault. Revista Colineares, Mossoró, v. 05, n. 02, p. 03-17, Jul/Dez, 2018.

BASTOS, Camila Diniz. et, al. Entre o espaço abstrato e o espaço diferencial: ocupações urbanas em Belo Horizonte. Rev. bras. estud. urbanos reg. (online), RECIFE, V.19, N.2, p.251-266, MAIO-AGO. 2017.

BUTLER, Judith. “Cuerpos que Importan” – Sobre os límites materiales y discursivos del “sexo”. 2002. Buenos Aires/Barcelona/México: Paidós. P.173.

BUTLER, J. Desdiagnosticando o gênero. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 117, 2009.

Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/physis/v19n1/v19n1a06.pdf>.

BUTLER, Judith. Vida precária: os poderes do luto e da violência Trad. Andreas Lieber. 2019. Belo Horizonte: Autêntica. 189 pp.

DESLANDES, Keila (Coord.). Homotransfobia e direitos sexuais: debates e embates contemporâneos. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

DUMARESQ, Leila. 15/12/2014. O cisgênero existe. Disponível em: http://transliteracao.com.br/leiladumaresq/2014/12/o-cisgenero-existe/.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FOUCAULT, Michel. Ditos & escritos III: estética: literatura, pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, Michel. O Corpo utópico – As heterotopias. São Paulo, 2013.

LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Trad. Doralice Barros Pereira e Sérgio Martins (do original: La production de l’espace. 4e éd. Paris: Éditions Anthropos, 2000). Primeira versão: fev.2006.

MARINHO, C. M. Corpo heterotópico como resistência aos processos de subjetivação identitária: algumas questões filosófico-educacionais. [S.l.]: Foucault et alii, 2015. Disponível em: http://www.michelfoucault.com.br/?textos,37. Acesso em 20 de junho de 2021.

MILANEZ, N. Corpo cheiroso, corpo gostoso. Unidades corporais do sujeito no discurso. In: Acta Scientiarum. Language and Culture. Universidade Estadual de Maringá, v. 31, n. 2. Maringá: Eduem, 2009, p. 215-222.

SILVA, Luciana Codognoto; JUSTO, José Sterza; PERES, Wiliam Siqueira. Psicologia e Heterotopias: Um Estudo sobre a Prostituição de Mulheres Adultas em um Município do Interior do Estado de Mato Grosso do Sul. Revista Latino Americana de Geografia e Gênero, v. 9, n. 1, p. 7287, 2018. ISSN 21772886.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade / Viviane Vergueiro. - 2016. 244 f.: il. Orientador: Prof. Dr. Djalma Thürler. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Salvador, 2015.

Downloads

Publicado

2022-10-19

Como Citar

BRITO, M.; MEIRELES, I.; SIMÕES MOTA, I. Utopia e heterotopia: Análise da normatização e das resistências dos corpos e espaços: Utopia and heterotopy: Analysis of normatization and resistance of bodies and spaces. Revista Desenvolvimento Social, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 247–266, 2022. DOI: 10.46551/issn2179-6807v28n1p247-266. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/5021. Acesso em: 6 dez. 2022.