CONTRADIÇÕES DA POLÍTICA AMBIENTAL E O PROCESSO DE ENCURRALAMENTO/EXPROPRIAÇÃO DAS POPULAÇÕES LOCAIS NO NORTE DE MINAS

Autores

  • Fábio Dias dos Santos
  • Rômulo Soares Barbosa

Palavras-chave:

Unidades de Conservação Ambiental, conflitos socioambientais, mediação política

Resumo

Este artigo tem por objetivo desenvolver um estudo a cerca do processo que envolve a criação de Unidades de Conservação ambiental como fator de encurralamento das populações locais no Norte de Minas, observando os conflitos que decorrem da dinâmica de implantação das Unidades de Proteção Integrais – UPI’s. Para o alcance do objetivo desenvolveram-se os seguintes procedimentos metodológicos: investigações teóricas e empíricas, envolvendo análise documental; análise da legislação compreendida no Sistema Nacional de Unidade de Conservação – SNUC; análise do processo de criação de UPI’s como compensação ambiental ao Projeto Jaíba (fruticultura irrigada); trabalhos de campo em comunidades atingidas, a partir de entrevistas com os sujeitos políticos envolvidos no processo de tensionamento, representantes de comunidades quilombolas, vazanteiras e ONG’s. Diante da interpretação das informações coletadas, as conclusões apontam para a necessidade de uma revisão da política ambiental no âmbito da criação de UPI’s como compensação ambiental. As UPI’s se revelam como contraditórias para a efetiva conservação dos recursos naturais. Todavia, as mesmas se mantêm hegemônicas na política de conservação ambiental brasileira. Nesse contexto, as Unidades de Uso Sustentável – UUS apresentam-se como umas das concepções conflitantes no processo sócioambiental em disputa. O estudo revela, ainda, o posicionamento do Estado como paradoxal, pois ao mesmo tempo em que atua como agente regulador das práticas de conservação ambiental defende práticas que resultam em degradação dos recursos naturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACSELRAD, Hanri. Externalidade Ambiental e Sociabilidade Capitalista. In Clovis Cavalcante (org). Desenvolvimento e Natureza: estudo para um sociedade sustentavel. 2 ed – São Paulo: Cortez: Recife, PE: Fundação Nambuco, 1998.
ALIER, Joan Martínez (2007), O ecologismo dos pobres, S. Paulo, Contexto: 2007 (Capítulos: Correntes do Ecologismo, O Estado e outros atores, A dívida ecológica - p. 21-40 e 263-332).
ANAYA, Felisa; BARBOSA, Rômulo S; SAMPAIO, Cristina. Sociedade e Biodiversidade na Mata Seca Mineira. UNIMONTES Cientifica Revista da Universidade Estadual de Montes Claros / Universidade Estadual de Montes Claros. – v 8, n. 1, (jan/jun. 2006) – Montes Claros: UNIMONTES, 2006.
CASTELLS, Manuel. A Era da Informação: economia, sociedade e cultura. Vol 2. O Poder da Identidade. 3a ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2002. Cap. 1 – Paraísos Comunais: identidade e significado na sociedade em rede.
DIEGUES, Antonio Carlos. ARRUDA, Rinaldo S. V. (org). Saberes Tradicionais e Biodiversidade no Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; São Paulo: USP, 2001. p 176. (Biodiversidade, 4).
GONÇALVES, Carlos Walter Porto. As Minas e os Gerais – Breve ensaio Sobre desenvolvimento e sustentabilidade a partir da Geografia do Norte de Minas. In DAYRELL, C.A; LUZ, C. (Orgs.). Cerrado e Desenvolvimento: Tradição e Atualidade. Montes Claros: CAA- NM/REDE CERRADO, 2000.
OLIVEIRA, Cláudia Luz. Vazanteiros do Rio São Francisco: um estudo sobre populações tradicionais e territorialidade no Norte de Minas Gerais. Belo Horizonte: Dissertação de Mestrado. UFMG, 2005.
PEREIRA, Doralice Barros. Paradoxo do Papel do Estado nas Unidades de Conservação. In ZHOURI, Andréa; LASCHEFSKI Klemens; PEREIRA, Doralice Barros (Org’s). A Insustentável leveza da Política Ambiental – Desenvolvimento e Conflitos Socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
SANTOS, Fábio D. Unidades de conservação ambiental e o encurralamento das populações locais no Norte de Minas. IV Encontro Nacional da Anppas, Brasília – DF, 2008.
SCHERER-WARRE, Ilse. Das Mobilizações às Redes de Movimentos Sociais. Revista
Sociedade e Estado, Vol. 21, n.1, 2006.
SILVA, Carlos Eduardo Mazzetto. Desenvolvimento e Sustentabilidade nos Cerrados: o caso do Sertao norte mineiro. In DAYRELL, C.A; LUZ, C. (Orgs.). Cerrado e Desenvolvimento: Tradição e Atualidade. Montes Claros: CAA-NM/REDE CERRADO, 2000.
SILVA, Cássio Alexandre. Parque Nacional Cavernas do Peruaçu/PARNA – Januária/Itacarambi
- MG - Comunidade do Janelão: as comunidades tradicionais e o impacto da criação da Unidade de Conservação em seu território. Montes Claros: UNIMONTES, 2007. (dissertação de mestrado)
SNUC, Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza: Lei nº 9.985, de 18 de Julho de 2000; Decreto nº 4.340, de 22 de agosto de 2002. 5 ed. aum. Brasília: MMA/SBF, 2004. 56p.

Downloads

Publicado

2020-03-24

Como Citar

DIAS DOS SANTOS, F. .; SOARES BARBOSA, R. . CONTRADIÇÕES DA POLÍTICA AMBIENTAL E O PROCESSO DE ENCURRALAMENTO/EXPROPRIAÇÃO DAS POPULAÇÕES LOCAIS NO NORTE DE MINAS. Revista Desenvolvimento Social, [S. l.], v. 1, n. 3, p. 145–157, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/1551. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos