Levantamento das condições de saúde bucal em escolares de 12 anos no município de Montes Claros, MG

Autores

  • Lorenna Fonseca Braga Oliveira Doutora em Odontopediatria - Universidade Cruzeiro do Sul - UNICSUL. Professora da Unimontes.
  • Raquel Conceição Ferreira
  • Carolina de Castro Oliveira Doutorado em Odontologia - Universidade Cruzeiro do Sul - UNICSUL. Professora da Unimontes.
  • Michelle Pimenta Oliveira Mestre em Ciências da Saúde - Unimontes. Professor da Unimontes
  • Mauricio da Rocha Dourado Mestrando em Odontologia - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM.
  • Pedro Eleutério Santos-Neto Mestre em Ciências da Saúde - Unimontes. Professor da Unimontes.
  • Carolina Vieira de Freitas Graduada em Odontologia - Unimontes.
  • Núbia Barbosa Eléutério Pós-graduada em Residência Multiprofissional em Saúde da Família - Unimontes
  • Andréa Maria Eleutério de Barros Lima Martins Doutora em Saúde Pública / Epidemiologia - Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Professora da Unimontes.

Palavras-chave:

Saúde bucal. Inquérito Epidemiológico. Índice CPOD. Fluorose Dentária. Estudo transversal.

Resumo

Objetivo: Descrever as condições de saúde bucal dos escolares de 12 anos do município de Montes Claros-
-MG. Metodologia: Realizou-se um estudo exploratório, descritivo, com uma amostra de 357 indivíduos de 12 anos
do Levantamento das Condições de Saúde Bucal da população de Montes Claros, o “Projeto SB MOC”. Resultados:
O CPOD encontrado foi de 1,35 e a prevalência de escolares com fluorose foi considerada alta. Com relação à higiene
bucal e a condição periodontal, verificou-se que 63,05% dos indivíduos avaliados não apresentavam placa visível em
nenhuma superfície dentária e 96,10% não tinham cálculo. Apenas 11,40% dos escolares apresentaram sangramento
à sondagem. Conclusões: Verificou-se que os escolares de 12 anos possuem uma condição bucal satisfatória. Novos
estudos devem ser realizados, já que a amostra utilizada não foi representativa dessa população, além disso, pesquisas
sobre a fluorose devem ser conduzidas, pois a prevalência encontrada foi considerada alta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. COSTA, M.C.N.; TEIXEIRA, M.G.L.C. A concepção do “espaço” na investigação epidemiológica.
Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2,
p. 271-279, abr-jun, 1999.
2. RONCALLI, A.G. et al. Projeto SB 2000: Uma
perspectiva para a consolidação da epidemiologia em
Saúde Bucal Coletiva. Revista Brasileira de Odontologia em Saúde Coletiva, v. 1, n. 2, p. 9-25, 2000.
3. SÁ JUNIOR, L. S. M. Desconstruindo a definição
de saúde. Jornal do Conselho Federal de Medicina. São
Paulo, p.15-16, jul-set, 2004.
4. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Oral
health surveys: basic methods. 4. ed. Geneve: World
Health Organization; 1997.
5. BRASIL. Ministério da Saúde. Divisão Nacional
de Saúde Bucal. Levantamento epidemiológico em saúde bucal: Brasil, zona urbana. Brasília: Ministério da
Saúde, 1988. 137p.
6. ––––––. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Assistência e Promoção à Saúde. Coordenação de Saúde Bucal. Levantamento epidemiológico em saúde bucal: 1ª etapa: cárie
dental: projeto. Brasília, 1996.
7.
8. BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. SB Brasil
2003: condições de saúde bucal da população brasileira
2002-2003. Resultados principais. Brasília: Ministério
da Saúde, 2004.
9. MARTINS, A.M.E.B.L. et al. Levantamentos epidemiológicos brasileiros das condições de saúde bucal.
Unimontes Científica, Montes Claros, v. 7, n. 1, p. 55-
66, 2005.
10. PERES, M.A.A. O declínio de cárie no Brasil e no
mundo. Jornal ABOPREV, 1998, 4 out.
11. TRIOLA, M. F. Introdução a estatística. 7. ed. Rio
de Janeiro: LTC, 1999.
12. CICCHETTI, D.V. et al. Assessing the reliability
of clinical scales when the data have both nominal and
ordinal features: proposed guidelines for neuropsychological assessments. Journal of Clinical and Experimental
Neuropsychology, v. 14, n. 5, p. 673-86, Sep.,1992.
13. PERES, K.G.; TRAEBERT, E.S.A.; MARCENES,
W. Diferenças entre autopercepção e critérios normativos na identificação das oclusopatias. Revista de Saúde
Pública, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 230-236, dez., 2002.
14. KOZLOWSKI, F.C.; FERREIRA, A.C. Aspectos
Clínicos e epidemiológicos da fluorose dentária. In:
Odontologia em Saúde Coletiva. São Paulo: Artmed,
2003.
15. SILNESS, J.; LÖE, H. Periodontal disease in pregnancy. II Correlation between oral hygiene and periodontal condition. Acta Odontológica Scandinavica, v.
22, p. 121-135, 1964.
16. AINAMO, J.; BAY, I. Problems and proposals for
recording gingivitis and plaque. International Dental
Journal, v. 25, p. 229-235, 1975.
17. QUEIROZ, R.C.S.; PORTELA, M.C.; VASCONCELLOS, M.T.L. Pesquisa sobre as Condições de Saúde Bucal da População Brasileira (SB Brasil 2003): seus
dados não produzem estimativas populacionais, mas há
possibilidade de correção. Cadernos de Saúde Pública,
Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 47-58, jan, 2009.
18. PEREIRA, M.G. Serviços de saúde. In: Pereira
MG. Epidemiologia: teoria e prática. 5.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.
19. BARROS, A.J.D.; BERTOLDI, A.D. Desigualdades na utilização e no acesso a serviços odontológicos:
uma avaliação em nível nacional. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de janeiro, v. 7, p. 709-717, 2002.
20. PINTO, V.G. Relacionamento entre padrões de
doença e serviços de atenção odontológica. Revista de
Saúde Pública, São Paulo, v. 23, p. 509-514, 1989.
21. GRYTTEN, J.; HOLST, D. Do young adults demand more dental services as their income increases?
Community Dentistry and Oral Epidemiology, v. 30, p.
463-469, 2002.
22. GRYTTEN, J.; RONGEN, G. Efficiency in provision of public dental services in Norway. Community
Dentistry and Oral Epidemiology, v. 28, p. 170-176,
2000.
23. GRYTTEN, J.; RONGEN, G.; ASMYHR, O. Subsidized dental care for young men: its impact on utilization and dental health. Health Econ, v. 5, p. 119-128,
1996.
24. GRYTTEN, J.; LUND, E.; RONGEN, G. Equity
in access to public dental services: the experience from
Norway. Acta Odontológica Scandinavica, v. 59, p.
372-378, 2001.
25. NGUYEN, L.; HAKKINEN, U.; ROSENQVIST,
G. Determinants of dental service utilization among
adults – the case of Finland. Health Care Management
Science, v. 8, p. 335-345, 2005.
26. MOREIRA, R.S. et al. A saúde bucal do idoso brasileiro: revisão sistemática sobre o quadro epidemiológico e acesso aos serviços de saúde bucal. Cadernos
de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, p. 1665-1675,
2005.
27. ARAÚJO, C.S. et al. Utilização de serviços odontológicos e fatores associados: um estudo de base populacional no Sul do Brasil. Cadernos de. Saúde Pública,
Rio de Janeiro, v. 25, n. 5, p. 1063-1072, maio, 2009.
28. MARQUES, L. S. et al. Prevalência da maloclusão
e necessidade de tratamento ortodôntico em escolares
de 10 a 14 anos de idade em Belo Horizonte, Minas
Gerais, Brasil: enfoque psicossocial. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, p. 1099-1106,
jul-ago, 2005.
29. MARTHALER, TM. Changes in dental caries
1953-2003. Caries Research, v. 38, n. 3, p. 173-181,
2004.
30. NARVAI, P.C. et al. Cárie dentária no Brasil: declínio, polarização, iniquidade e exclusão social. Revis
ta Panamericana de Salud Pública, v. 19, p. 385-393,
2006.
31. FOMON, S.J.; EKSTRAND, J.; ZIEGLER, E.
E. Fluoride intake and prevalence of dental fluorosis:
trends in fluoride intake with special attention to infants. Journal of Public Health Dentistry. v. 60, n. 3, p.
131 - 139, 2000.
32. CAMPOS et. al. apud TERADA, R.S.S.; HAYACIBARA, M.F.; MARCHI, V.; RAMOS, M.J. Fluorose
dental em estudantes da rede estadual de ensino de Maringá-PR. Cadernos de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro,
v. 1 7, n. 2, p. 351-360, 2009.
33. CAPELLA, L.F. et al. Ocorrência de fluorose dentária endêmica. Revista Gaúcha de Odontologia, Porto
Alegre, v. 36, p. 371-375, 1989.
34. CANGUSSU, M.C.T. et. al. A fluorose dentária no
Brasil: uma revisão crítica. Cadernos de Saúde Pública,
Rio de Janeiro, v. 18, p. 7-15, 2002.
35. PENDRYS, D.G.; STAMM, J.W. Relationship of
total fluoride intake to beneficial effects and enamel fluorosis. Journal of Dental Research. v. 69, p. 529-538,
1990.
36. CYPRIANO, S. et. al. Saúde bucal dos pré-escolares, Piracicaba, Brasil, 1999. Revista de Saúde Pública,
São Paulo, v. 37, p. 247-253, 2003.
37. WORLD HEALTH ORGANIZATION. The World
Oral Health Report, 2003. Continuous improvement of
oral health in the 21 st century – the approach of the
WHO Global Oral Health Programe. Geneve; 2003.
38. CORTELLI, J.R. et. al. Prevalência de periodontite
agressiva em adolescentes e adultos jovens do Vale do
Paraíba. Pesquisa Odontológica Brasileira, v. 16, n. 2,
p. 163-168, 2002.
39. PEREIRA, M.A.S. Condição periodontal da população de 3 a 14 anos assistida em serviço odontológico
universitário. 2004. Tese - Universidade de São Paulo,
São Paulo (SP).
40. SEGUNDO, T.K..; FERREIRA, E.F.; COSTA,J.E. A doença periodontal na comunidade negra dos
Arturo’s, Contagem, Minas Gerais, Brasil. Cadernos
de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, mar./abr.
2004.
41. KLEINMAN, D.V.; SWANGO, P.A.; PINDBORG,
J.J. Epidemiology of oral mucosal lesions in United
States schoolchildren: 1986.

Downloads

Publicado

2020-04-24

Como Citar

FONSECA BRAGA OLIVEIRA, L. .; CONCEIÇÃO FERREIRA, R. .; DE CASTRO OLIVEIRA, . C. .; PIMENTA OLIVEIRA, . M. .; DA ROCHA DOURADO, M. .; ELEUTÉRIO SANTOS-NETO, P. .; VIEIRA DE FREITAS, C. .; BARBOSA ELÉUTÉRIO, . N. .; ELEUTÉRIO DE BARROS LIMA MARTINS, A. M. . Levantamento das condições de saúde bucal em escolares de 12 anos no município de Montes Claros, MG. Revista Unimontes Científica, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 83–98, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/2144. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>