O idadismo no contexto da pandemia da Covid-19

Como o preconceito etário se tornou evidente no Brasil

Autores

  • Valmir Moratelli Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v27n1p9-29

Palavras-chave:

Velhice, Preconceito, Coronavírus, Pandemia

Resumo

Este artigo faz uma análise sobre o preconceito etário no Brasil, a partir do panorama da pandemia do novo coronavírus, que alterou circunstancialmente a rotina do país logo após o carnaval de 2020. Assim, introduz-se uma interpretação sobre como as percepções construídas socialmente a respeito do idoso são atravessadas por preconceito e suscitam o ódio, reforçando distanciamentos de respeito, solidariedade e empatia. É também feito um levantamento do discurso público do presidente da República e de empresários brasileiros, que minimizaram o alerta da pandemia e contrário aos pedidos de isolamento e/ou quarentena da Organização Mundial da Saúde (OMS). A interpretação de dados de recentes pesquisas econômicas ajuda a embasar a importância dos idosos como força econômica, contradizendo a ideia de improdutividade dos mesmos tão presente no pensamento neoliberal vigente. Entre as principais conclusões do trabalho, percebe-se como a pandemia escancarou as facetas de um preconceito naturalizado no país e ainda pouco debatido publicamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valmir Moratelli, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Doutorando do PPGCOM da PUC-Rio. Integrante do Grupo de Pesquisa “Narrativas da vida moderna na cultura midiática – dos folhetins às séries audiovisuais”. Email: vmoratelli@gmail.com / Orcid: https://orcid.org/0000-0002-6071-1360

Referências

BEAUVOIR, Simone de. A velhice. Tradução de Maria Helena Franco Martins. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

CÍCERO, M. T. De Senectute: Saber Envelhecer. Tradução de Paulo Neves. 1ª edição. Porto Alegre: L&PM, 1997.

DEBERT, Guita Grin. “Pressupostos da reflexão antropológica sobre a velhice”. In: DEBERT, Guita Grin. A antropologia e a velhice – Textos Didáticos, 2ª ed., 1 (13), Campinas, IFCH/Unicamp, 1998.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

ELIAS, Norbet, O Processo Civilizador. Uma História dos Costumes. Jorge Zahar Editor: Rio de Janeiro, 1990.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

GUARDINI, Romano. A sublime arte de envelhecer. Petrópolis: Vozes, 2008.

HALL, Stuart. Cultura e Representação. Tradução de William Oliveira e Daniel Miranda. Rio de Janeiro: Apicuri, 2016.

HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e Diferença. A perspectiva dos Estudos Culturais. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis: Editora Vozes, 2003

HOOKS, Bell. Eu Não Sou Uma Mulher? – Mulheres Negras e Feminismo. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

KRENAK, Ailton. O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

MBEMBE, Achille. Políticas da inimizade. Rio de Janeiro: Antigona, 2016.

MACIEL, Welliton Caixeta. “Pandemia, necropolítica e purificação simbólica dos cuidadores da morte”. In: Cientistas sociais e o coronavírus. GROSSI, Miriam Pillar; TONIOL, Rodrigo (org.). – 1. ed. – São Paulo: ANPOCS; Florianópolis: Tribo da Ilha, 2020.

MARQUES, Ana Maria.” Velho/Idoso: Construindo o sujeito da terceira idade”. Revista Esboços, Nº 11 – UFSC. 2004.

ROSEMBERG, Fúlvia. “Educação formal, mulher e gênero no Brasil contemporâneo”. Revista Estudos Feministas. vol.9, nº 2. Florianópolis, 2001. Disponível em <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2001000200011>.

SECCO, Carmen Lucia Tindó Ribeiro. “As rugas do tempo na ficção”. Cadernos IPUB, Rio de Janeiro, n. 10. 1999.

SEVCENKO, Nicolau. A Revolta da Vacina: mentes insanas em corpos rebeldes. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

Downloads

Publicado

2021-08-16

Como Citar

Moratelli, V. (2021). O idadismo no contexto da pandemia da Covid-19: Como o preconceito etário se tornou evidente no Brasil . Revista Desenvolvimento Social, 27(1), 9–29. https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v27n1p9-29