Reflexões sobre o espaço urbano na pandemia, a partir do bairro Major Prates, em Montes Claros-MG

Autores

  • Mariana Fernandes Teixeira Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v27n1p74-97

Palavras-chave:

Espaço Urbano, Major Prates, Citadinos, Resistência, Pandemia

Resumo

O presente trabalho buscou analisar a formação do bairro Major Prates, na cidade de Montes Claros – MG, e suas características contemporâneas, levando em consideração seu caráter paradoxal, intensificado no contexto pandêmico. Por um lado, apresenta uma rede complexa de serviços e comércios, especulação imobiliária e disputas espaciais, por outro, uma articulação do urbano e do rural, revelando tradições e modos astuciosos de construir suas dinâmicas e sociabilidades. O estudo foi realizado a partir de uma combinação metodológica de pesquisa bibliográfica e observação direta. A primeira etapa procurou analisar a articulação do bairro com a cidade, em relação ao planejamento urbano, ressaltando o papel de subcentro e o caráter de resistência presente nas práticas socioespaciais dos citadinos. A observação direta ocorreu em horários e dias diferentes do mês de dezembro de dois mil e vinte, buscando identificar e analisar ações e comportamentos que demonstrem as estratégias de resistência realizadas no âmbito cotidiano, nos espaços que tem interface com a rua. Pretendeu-se, com isso, fomentar reflexões mais críticas sobre o espaço público, pois, além de desempenhar importantes papéis democráticos, é o palco no qual se realiza a vida urbana, o respiro da rotina, o encontro, e, principalmente, a diversidade.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Fernandes Teixeira, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Doutoranda em Desenvolvimento Social pelo PPGDS – UNIMONTES; Mestre em Arquitetura e Urbanismo pelo NPGAU – UFMG; Arquiteta e Urbanista pela UFMG; Coordenadora do curso de Arquitetura e Urbanismo na UNIFIPMoc; Professora e orientadora de Trabalho de Graduação nos cursos de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Civil na UNIFIPMoc. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0883-4889. E-mail: nanafteixeira@gmail.com.

Referências

AGIER, Michel. Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos. São Paulo: Terceiro Nome, 2011, p.1-44.

AMORIM FILHO, O. B., BUENO, M. E. T. e ABREU, J. F. Cidades de porte médio e o programa de ações sócio-educativo-culturais para as populações carentes do meio urbano em Minas Gerais. In: Boletim de Geografia Teorética, Rio Claro – SP, v. 2, n. 23-24, 33-46, 1982.

BRASIL. Lei no 10.257, de 10 de julho de 2001. Estatuto da Cidade e Legislação Correlata. 2. ed., atual. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2002. 80 p.

BUSTAMANTE, P. Cares; DURÃES, P. G. Dias. O impacto da feira livre do bairro Major Prates da cidade de Montes Claros na renda dos feirantes. Revista Desenvolvimento Social, N. 14/01, p. 109-128, 2015.

CARLOS, Ana Fani. A lógica do planejamento versus a dialética do mundo. In: LIMONAD, E.; CASTRO, E. R. (Org.). Um novo planejamento para um novo Brasil? Rio de Janeiro: Editora Letra Capital. 300p. p. 25-39, 2014.

CARLOS, Ana Fani. A “revolução” no cotidiano invadido pela pandemia. In: GESP. (Org) COVID-19 e a crise urbana. São Paulo: FFLCH/USP. 3.484 Kb; PDF, 99p. p. 10-17, 2020.

COSTA, João Batista de Almeida. A Sociedade De Curral: Desenvolvimento Social Pelas figurações Sociais, Pelo Habitus e Pela organização Do Estado No Norte De Minas. Revista Argumentos, v. 16, n. 2, p. 195-236, 2 set. 2019.

FERNANDE, Daniel Mendes. O Estar-no-Entre-Meio na Feira do Major Prates e outros Espaços Sociais: Uma Etnografia sobre as Estratégias de Territorilidade de Populações Rurais em Montes Claros. 2006. 99 f. Dissertação (Mestrado em Geografia). PPGEO, Unimontes, Montes Claros, 2006.

FRANÇA, I. S. de. A cidade Média e suas Centralidades: o exemplo de Montes Claros no Norte de Minas Gerais. 2007. 240 f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2007.

IBGE. Censo demográfico 2010. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2017.

LEITE, M. Esdras. Geoprocessamento aplicado ao estudo do espaço urbano: o caso da cidade de Montes Claros/MG. 2006. 171 f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2006.

LEITE, M. Esdras. Geotecnologias aplicadas ao mapeamento do uso do solo urbano e da dinâmica da favela em cidade média: o caso de Montes Claros/MG. 2011. 288 f. Tese (Doutorado em geografia). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2011.

LEITE M. E.; BATISTA R. P. e CLEMENTE C. M.S. Segregação espontânea na cidade de Montes Claros/MG: Uma análise auxiliada pelo sensoriamento remoto. Revista Eletrônica do Curso de Geografia. Jataí, n.15, 2010.

LEITE, M. Esdras; PEREIRA, A. Marília. Expansão territorial e os espaços de pobreza na cidade de Montes Claros. X Encontro de Geógrafos da América Latina. São Paulo, mar. 2005. Disponível em: <http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal10/Geografiasocioeconomica/Geografiadelapoblacion/29.pdf>. Acesso em: 13 set. 2017.

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

SILVA, Lindon Jonhson Dias da. A Modernidade No Sertão: A experiência do I Plano Diretor de Montes Claros na década de 1970. 2008. 99 f. Dissertação (Mestrado em desenvolvimento social) Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros, 2008.

SOARES, B. R. Cidades Médias: uma revisão bibliográfica. In: ALVES, A. F.; Flávio, L. C.; SANTOS, R. A dos (Org). Espaço e Território: interpretações e perspectivas do desenvolvimento. 1. Ed. Francisco Beltrão, Paraná, 2005. V. p.273.286.

SPOSITO, M. da E. B. As cidades médias e os contextos econômicos contemporâneos. In: SPOSITO, M. E. B. (Org.). Urbanização e cidades: perspectivas geográficas. São Paulo: Unesp; FCT, 2001. p. 609-643.

Downloads

Publicado

2021-08-16

Como Citar

Fernandes Teixeira, M. (2021). Reflexões sobre o espaço urbano na pandemia, a partir do bairro Major Prates, em Montes Claros-MG. Revista Desenvolvimento Social, 27(1), 74–97. https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v27n1p74-97