Toda periferia é um centro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v26n1p144-168

Palavras-chave:

Sarau. Ação Coletiva. Poetas. Afetos. Aparecimento.

Resumo

O artigo aborda os encontros-saraus realizados por Poetas de periferia, em Fortaleza, Ceará, Brasil. O anseio por um líder não é mais a tônica, nem defesa de única ideologia sobre a realidade em sua concretude. Este aspecto aparentemente fragmentado das posturas políticas em sociedade é encarado como busca por emancipação, identidade, liberdade e rebeldia. Este artigo tem ainda por objetivo analisar como esses encontros-saraus se organizam como ação coletiva e de que maneira os afetos contribuem para a possibilidade ou não do direito de aparecer. Apresentamos uma escrita política e poética da nossa experiência etnográfica no Sarau da B1, localizado no Conjunto São Cristóvão, Zona Sul da Cidade. A partir da expressão “toda periferia é um centro”, discutiremos as implicações da circularidade, ocupação e as produções da periferia para a periferia que a transformam em centro, assim como apresentaremos a identidade-relação do Poeta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Rômulo do Nascimento Silva, Universidade Estadual do Ceará

Jornalista, Mestre em Sociologia e doutorando do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS/UECE) e pesquisador do Laboratório de Estudos Conflitualidades e Violência (COVIO), da Universidade Estadual do Ceará (UECE). ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8594-8754. E-mail: franromulosilva@gmail.com.

Geovani Jacó de Freitas, Universidade Estadual do Ceará

Docente do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS/UECE) e coordenador do COVIO/UECE. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3661-9473. E-mail: gil.jaco@uece.br.

Referências

ACHINTE, Adolfo Albán. Prácticas creativas de re-existência basadas en lugar: más allá del arte… el mundo de lo sensible. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2017.

ALEXANDER, Jeffrey. “Ação coletiva, cultura e sociedade civil: secularização, atualização, inversão, revisão e deslocamento do modelo clássico dos movimentos sociais” In: Revista Brasileira Ciências Sociais. [online], vol.13, n. 37, 1998, p.5-31. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69091998000200001

BARBOSA, Lia Pinheiro. “Legado e rupturas da Revolução Soviética desde as lutas sociais na América Latina”. Tensões Mundiais, v. 13, n. 24, jan-jun, p. 107-138, 2017.

BEZERRA, Roselane Gomes. O bairro Praia de Iracema entre o "adeus" e a "boemia": usos, apropriações e representações de um espaço urbano. Tese de doutoramento, Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Sociologia, Fortaleza (CE), 2008.

BHABHA, Homi K. O local da cultura, Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BRANDÃO, Marcílio Dantas. “Medo, fetiche e espetacularização da política de juventude em Pernambuco”. Estudos de Sociologia, v. 1, n. 22, p. 145-182, 2016.

BUTLER, Judith. Quadros de Guerra: Quando a vida é passível de luto, tradução Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

_____. Corpos em Aliança e a Política das Ruas: Notas para uma teoria performativa de assembleia, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CEFAÏ, Daniel. “Como nos mobilizamos? A contribuição de uma abordagem pragmatista para a sociologia da ação coletiva”. In: Dilemas, v.2 (4), 2009, p. 11-48. Disponível: https://revistas.ufrj.br/index.php/dilemas/article/view/7163

CERTEAU, Michel De. A Invenção do Cotidiano: 1 artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CLIFFORD, James. A experiência Etnográfica: antropologia e literatura no século XX, Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2014.

DELEUZE, Gilles & GUATTARI, Félix. O que é a filosofia?, São Paulo: Editora 34, 2010.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

EVARISTO, Conceição. “Questão de Pele para Além da Pele”. In: RUFFATO, Luiz. Questão de Pele. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2009.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FOUCAULT, Michel. Em Defesa da Sociedade, 2ª ed. - São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

FREITAS, Geovani Jacó de. Ecos da violência: narrativas e relações de poder no Nordeste canavieiro, Rio de Janeiro: Relum Dumará: Núcleo de Antropologia da Política/UFRJ, 2003.

GLISSANT, Édouard. O pensamento do Tremor. La Cohée du Lamentin, Juiz de Fora: Gallimard/Editora UFJF, 2014.

_____. Poética da Relação. Portugal: Porto Editora, 2011.

_____. Le discours antillais. Paris: Seuils, 1981.

GOHN, Maria da Glória. Novas teorias dos movimentos sociais, São Paulo: Edições Loyola, 2014.

GUATTARI, Félix. “Espaço e poder: a criação de territórios na cidade”, Espaços e Debates, Revista de Estudos Regionais e Urbanos. Ano V, n. 16, São Paulo, SP: NERU, 1985.

HARNEY, Stefano & MOTEN, Fred. Los abajocomunes: Planear fugitivo y estudio negro, México: Campechana Mental El Cráter Invertido, 2017.

LEITE, Rogerio Proença. “CONTRA-USOS E ESPAÇO PÚBLICO: notas sobre a construção social dos lugares na Manguetown”. Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS), Vol. 17, n. 49 - junho. 2002, p. 115-172. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v17n49/a08v1749.pdf

LORDON, Frédéric. A sociedade dos afetos: por um estruturalismo das paixões, Campinas-SP: Papirus Editora, 2015.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra, 2ª ed. Lisboa: Antígona, 2014.

_____. Políticas da Inimizade. Lisboa: Antígona, 2017.

_____. Sair da grande noite: ensaio sobre a África descolonizada. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.

MISSE, Michel. Malandros, Marginais e Vagabundos & a acumulação da violência no Rio de Janeiro, Tese de Doutoramento IUPRJ. Rio de Janeiro, 1999.

_____. Crime, Sujeito e Sujeição Criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”, São Paulo: Lua Nova, 2010.

NASCIMENTO, Érika Peçanha do. “Literatura Marginal”: os escritores da periferia entram em cena. São Paulo: [s.n.], Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, 2006.

PAIVA, L. F. S. “Aqui não tem gangue, tem facção’: as transformações sociais do crime em Fortaleza, Brasil”, In: Caderno CRH, Salvador, v. 32, n. 85, 2019, p. 165-184, jan-abr. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ccrh/v32n85/0103-4979-ccrh-32-85-0165.pdf

PEDROSA, George. Palmas e Palmeiras, Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2012.

Subcomandante Insurgente Marcos. “Ni el Centro ni la Periferia”. Primer Coloquio Internacional In Memoriam Andrés Aubry. Planeta Tierra: movimientos antisistémicos. Chiapas: CIDECI, 2007. Disponível em: https://www.nodo50.org/cubasigloXXI/taller/marcos_301207.pdf

SAID, Edward W. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios, Tradução: Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SILVA, Francisco Rômulo do Nascimento & FREITAS, Geovani Jacó de. Práticas de re-existências poéticas: a poesia no “busão” em Fortaleza (CE). INTERSEÇÕES [Rio de Janeiro] v. 22 n. 1, p. 97-123, mai. 2020. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/intersecoes/article/view/51166/33903>

SPINOZA, Benedidus de. Ética, tradução de Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009 [1677].

TENNINA, Lucía. “Saraus das periferias de São Paulo: poesia entre tragos, silêncios e aplausos”. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 42, p. 11-28, jul./dez, 2013.

Downloads

Publicado

2020-09-15

Como Citar

Rômulo do Nascimento Silva, F., & Jacó de Freitas, G. (2020). Toda periferia é um centro. Revista Desenvolvimento Social, 26(1), 144-168. https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v26n1p144-168