Quando Paulo Freire vier: Pedagogia do Oprimido, Santa Cruz e Religião

When Paulo Freire Comes: Pedagogy of the Oppressed, Holy Cross and Religion

Autores

  • Emerson Sena da Silveira Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v27n2p41-70

Palavras-chave:

Educação problematizadora, Paulo Freire e evangélicos, Crítica da religião, Comunidade pentecostal

Resumo

Este artigo procura compreender duas obras e contextos, a Pedagogia do Oprimido (1968), do filósofo e educador Paulo Freire, e o filme-documentário Santa Cruz (2000), do cineasta João Moreira Salles e do jornalista Marcos Sá Corrêa. A primeira obra, critica educação tradicional, propõe a educação problematizadora e a mudança social radical. A segunda, mostra o cotidiano de evangélicos pentecostais na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro durante a construção de seu pequeno templo. Elaborou-se um paralelo entre as obras e, nos contextos sócio-históricos, tangentes. Entende-se que uma reflexão socio-crítica se faz essencial diante do crescimento evangélico e seu forte impacto na política, educação e sociedade brasileiras. A metodologia qualitativa-teórica, baseada em uma perspectiva histórico-antropológica, guiará a construção discursivo-textual deste artigo. A partir da exposição resumida das obras e da seleção de passagens-chave, buscam-se três resultados: a importância da releitura das ideias paulofreirianas para compreender melhor o mundo contemporâneo; a crítica das abordagens romântico-fenomenológicas e, por fim, o convite à transformação social a partir da crítica paulofreriana à sectarização e à educação não-problematizadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emerson Sena da Silveira, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Doutor em Ciência da religião, antropólogo, professor do Departamento de Ciência da religião da Universidade Federal de Juiz de Fora, MG, Brasil. E-mail: emerosn.pesquisa@gmail.com – ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-5407-596X.

Referências

ALENCAR, Protestantismo tupiniquim. Hipótese sobre a (não) contribuição evangélica à cultura brasileira. São Paulo: Editora Recriar, 2018.

BÍBLIA, N. T. I Carta de João. BÍBLIA. Português. Nova Tradução Almeida. Tradução de João Ferreira de Almeida. Disponível em: https://www.bibliaon.com/versiculo/1_joao_5_19/ Acesso em: 15 nov. 2021.

CORTEN, André. Os pobres e o Espírito Santo. Petrópolis: Vozes, 1996.

CUNHA, Christina V. “Religião e criminalidade: traficantes e evangélicos entre os anos 1980 e 2000 nas favelas cariocas”. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, 34, 1, p. 61-93, 2014.

CUNHA, Christina V. “Irmãos contra o Império: evangélicos de esquerda nas eleições 2020 no Brasil”. Debates do NER, Porto Alegre, ano 21, n. 39, p. 13-80, jan./jul. 2021

DA COSTA, Samuel. S. da C.; COZZER, Roney R. . “Religião, periferia e leitura popular da bíblia: uma análise do documentário Santa Cruz à luz da pneumagiologia pentecostal”. REPAS, Revista Protestantismo em Revista, [S. l.], v. 5, n. 5, 2020. Disponível em: https://www.revista.repas.com.br/index.php/repas/article/view/31. Acesso em: 1 nov. 2021. Disponível em: http://periodicos.est.edu.br/index.php/nepp/article/view/3604

D'EPINAY, Christian Lalive. Refugio de las Masas: estudio sociológico del protestantismo chileno. Chile: Editorial Del Pacifico, 1968

FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 5ª ed., Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1981.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança. Um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido (o manuscrito). São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire; Universidade Nove de Julho (UNINOVE); BigTime Editora/BT Acadêmica, 2018.

GHIRALDELLI Jr, Paulo. As lições de Paulo Freire: filosofia, educação e política. Barueri: Manole, 2012.

GHIRALDELLI Jr, Paulo. República Brasileira: de Deodoro a Bolsonaro. 2 ed. São Paulo: CEFA Editorial, 2021.

GHIRALDELLI Jr, Paulo. Os mortos, biopoder e imunização. In: GHIRALDELLI Jr, Paulo. A Democracia de Bolsonaro, 2018-2020. São Paulo: CEFA Editorial, 2021 b.

HABERMAS, Jürgen. Dialética e Hermenêutica. Para a crítica da hermenêutica de Gadamer. Porto Alegre: L&MP, 1987.

LANTERNARI, Vittorio. As religiões dos oprimidos. Um estudo dos modernos cultos messiânicos, São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.

MARX, Karl. Texto: Introdução à Crítica da Filosofia do Direito de Hegel. 1844. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/marx/1844/critica/introducao.htm Acesso em: 12 nov. 2021.

MARX, Karl. Introdução à Crítica da Filosofia do Direito de Hegel. 1844. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/marx/1844/critica/introducao.htm Acesso em: 15 nov. 2021

MELO E SILVA JUNIOR, João. “Cristandade católica, teologia da prosperidade pentecostal e predestinação calvinista: elementos epistemológicos do cristofascismo bolsonarista”. Anais do CONGRESSO BRASILEIRO DE TEOLOGIA PASTORAL. Discernir a pastoral em tempos de crise: realidade, desafios, tarefas. FAJE: Belo Horizonte,. 2021.

MICHELS, Robert. Political Parties: a sociological study of the oligarchical tendencies of modern democracy. New York: Free. 1949.

MONTERO, Paulo. “Secularização e espaço público: a reinvenção do pluralismo religioso no Brasil”. Revista etnográfica, Lisboa, maio de 2009, p.13, n. 1, p. 7-16.

NOVAES, Regina. Os escolhidos de Deus. Pentecostais, trabalhadores e cidadania. São Paulo: Editora Marco Zero, 1985

SAAD FILHO, Alfredo; MORAIS, Lecio. Brasil. Neoliberalismo versus democracia. São Paulo: Boitempo, 2018.

SANTA CRUZ. Direção de João Moreira Salles e Marcos Sá Correa. GLOBOSAT: Rio de Janeiro. 2000, 60 minutos. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=d-PjHpahJzY&t=1031s Acesso em: 15 nov. 2021.

SANCHIS, Pierre. “As religiões dos brasileiros”. Horizonte (Revista), Belo Horizonte, v. 1, n.2, p. 28-43, 1997.

SOUZA, Beatriz M. A experiência da salvação: pentecostais em São Paulo. Front Cover. Beatriz Muniz de Souza. Duas Cidades, 1969.

SOUZA, Jessé. A Classe Média no espelho. São Paulo: Estação Brasil- sextante, 2018.

SOUZA, Jessé. A elite do Atraso: da escravidão a Bolsonaro. 2. ed. São Paulo: Estação Brasil, 2018.

SLOTERDIJK, Peter. Ira e tempo. Ensaio político-psicológico. São Paulo: Estação Liberdade, 2021

TROELTSCH. Ernest. “Igreja e seitas”. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 14. n. 33, 1987, p. 134-144.

WEBER, Max. “As seitas protestantes e o Espírito do Capitalismo”. In: WEBER, Ma. Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: LTC, 2002, p. 212-225.

WEBER, Max. Metodologia das Ciências Sociais. 5 ed. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora as Unicamp, 2016.

WEBER, Max. A ética protestante e o Espírito do Capitalismo. Petrópolis: Vozes, 2020

WEISS, Fátima de J. “Uma Igreja Inclusiva na parada: religião, visibilidade e política da/na diversidade”. Seminário Fazendo Gênero 9. Diásporas, Diversidades, Deslocamentos, 23 a 26 de agosto de 2010.

Downloads

Publicado

2021-12-23

Como Citar

SENA DA SILVEIRA, E. Quando Paulo Freire vier: Pedagogia do Oprimido, Santa Cruz e Religião: When Paulo Freire Comes: Pedagogy of the Oppressed, Holy Cross and Religion. Revista Desenvolvimento Social, [S. l.], v. 27, n. 2, p. 41–70, 2021. DOI: 10.46551/issn2179-6807v27n2p41-70. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/4812. Acesso em: 18 maio. 2022.