Perfil Ocupacional, Comportamentos e Saúde Segundo Diferenciais de Gênero entre Professores da Rede Pública

Autores

  • Tatiana Almeida de Magalhães Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Marise Fagundes Silveira Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Jairo Evangelista Nascimento Faculdades Unidas do Norte de Minas - FUNORTE
  • Marta Raquel Mendes Vieira Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Emerson Willian Santos de Almeida Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Andréa Maria Eleutério de Barros Lima Martins Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Efigênia Ferreira e Ferreira Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • Desirée Sant’Ana Haikal Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

DOI:

https://doi.org/10.46551/ruc.v22n2a12

Palavras-chave:

Diferença de gênero; Professores; Comportamento; Saúde.

Resumo

Resumo: Objetivou-se identificar possíveis diferenciais de gênero entre professores segundo o perfil laboral, comportamentos e saúde. Trata-se de um estudo de prevalência usando amostra probabilística por conglomerados de docentes do ensino básico da rede pública de um município norte mineiro. Foram estimadas prevalências e análises bivariadas corrigidas pelo desenho amostral. Dos 745 docentes investigados, as mulheres representam ampla maioria (85,4%), apresentaram maiores proporções de casadas/união estável e divorciadas/viúvas, com filhos, de classe social mais baixa, perfil laboral precário, com melhores comportamentos relacionados à saúde, apesar de relatarem maior autopercepção negativa de sua aparência e pior qualidade de vida nos domínios físico e psicológico em relação aos homens. Já os homens apresentaram um melhor perfil laboral, maiores frequências de comportamentos não saudáveis e menor busca por assistência médica/odontológica. Observou-se consideráveis diferenças entre os gêneros, demonstrando que são as mulheres que refletem o maior peso da precarização profissional e os homens, os piores comportamentos de saúde. Desse modo, este estudo contribui para que as políticas públicas repensem as oportunidades sociais e questões de saúde relacionadas aos gêneros dentro da classe docente. 

Palavras chaves: Diferença de gênero; Professores; Comportamento; Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marise Fagundes Silveira, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

A coautora trabalhou na coleta de dados, análises e revisão

Jairo Evangelista Nascimento, Faculdades Unidas do Norte de Minas - FUNORTE

O coautor participu da coleta de dados, análises e revisão

Marta Raquel Mendes Vieira, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

A coautora na coleta de dados, análises e revisão

Emerson Willian Santos de Almeida, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

O coautor trabalhou na coleta de dados e revisão

Andréa Maria Eleutério de Barros Lima Martins, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

A coautora trabalhou na revisão crítica do artigo.

Desirée Sant’Ana Haikal, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

A coautora é orientadora da autora principal e participou na concepção, coleta, análise e interpretação dos dados, redação do artigo.

Referências

GASPARINI, Sandra Maria; BARRETO, Sandhi Maria; ASSUNÇÃO, Ada Ávila. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p.189-199, 2005.

ARAÚJO, Tânia Maria de et al. Diferenciais de gênero no trabalho docente e repercussões sobre a saúde. Ciênc. saúde coletiva, v. 11, n. 4, p. 1117-1129, 2006.

SANTOS, Márcio Neres dos; MARQUES, Alexandre Carriconde. Condições de saúde, estilo de vida e características de trabalho de professores de uma cidade do sul do Brasil. Ciênc. saúde coletiva, v. 18, n. 3, p. 837-846, 2013.

GUERREIRO, Natalia Paludeto et al. Perfil sociodemográfico, condições e cargas de trabalho de professores da rede estadual de ensino de um município da região sul do Brasil. Trabalho, educação e saúde, v. 14, supl. 1, p. 197-217, 2016.

COSTA, Gilvan Luiz Machado; OLIVEIRA, Dalila Andrade. Trabalho docente no ensino médio no Brasil. Perspectiva, v. 29, n. 2, p. 727-750, 2011.

TABELEAO, Viviane Porto; TOMASI, Elaine; NEVES, Siduana Facin. Qualidade de vida e esgotamento profissional entre docentes da rede pública de Ensino Médio e Fundamental no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 27, n. 12, p. 2401-2408, 2011.

OLIVEIRA, Elizabete Regina Araújo de et al. Gênero e qualidade de vida percebida: estudo com professores da área de saúde. Ciênc. saúde coletiva, v.17, n.3, p. 741-747, 2012.

BARATA, Rita B. A posição social e seus reflexos sobre a saúde. In: Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2009.

LUDERMIR, Ana Bernarda. Inserção produtiva, gênero e saúde mental. Cadernos de Saúde Pública, v.16, n. 3, p. 647-659, 2000.

BORRELL, Carme; ARTAZCOZ, Lucia. Desigualdades de gênero em saúde: desafios para o futuro. Rev. Esp. Saúde Pública, Madrid, v. 82, n. 3, p. 241-249, 2008.

DELCOR, Núria Serre et al. Condições de trabalho e saúde dos professores da rede particular de ensino de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 20, n. 1, p. 187-196, 2004.

ROCHA, Kátia Bones; SARRIERA, Jorge Castellá. Saúde percebida em professores universitários: gênero, religião e condições de trabalho. Psicol. Esc. Educ. (Impr.),v. 10, n. 2, p. 187-196, 2006 .

CARLOTTO, Mary Sandra et al. Transtornos Mentais Comuns (TMC) e fatores associados em trabalhadores: uma análise na perspectiva de gênero. Caderno Saúde Coletiva, v. 19, n. 2, p. 172-178, 2011.

ALCANTARA, Marcus Alessandro de et al. Determinantes de capacidade para o trabalho no cenário da Educação Básica do Brasil: Estudo Educatel, 2016. Cad. Saúde Pública, v. 35, supl. 1, e00179617, 2019.

NEVES, Mary Yale Rodrigues; BRITO, Jussara Cruz de; MUNIZ, Hélder Pordeus. A saúde das professoras, os contornos de gênero e o trabalho no Ensino Fundamental. Cad. Saúde Pública, v. 35, supl.1, e00189617, 2019.

IBGE-CIDADES. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/v4/brasil/mg/montes-claros/panorama> Acesso em: Fevereiro/2020.

ABEP. Critério de Classificação Econômica Brasil. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, 2017.

VALLI, Márcio. Análise de Cluster. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, v. 4, p. 77-87, 2012.

MATSUDO, Sandra et al. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Atividade Física & Saúde, v. 6, n. 2, p. 5-18, 2001.

FLECK, Marcelo PA et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida "WHOQOL-bref". Revista de Saúde Pública, v. 34, n. 2, p.178-183, 2000.

UTAH DEPARTMENT OF HEALTH. Health status in Utah: the medical outcomes study SF-12 (2001 Utah health status survey report). Salt Lake City, 2004.

VERZA, Fabiana; SATTLER, Marli Kath; STREY, Marlene Neves. Mãe, mulher e chefe de família: perspectivas de gênero na terapia familiar. Pensando fam., v. 19, n. 1, p. 46-60, 2015.

BEVILAQUA, Caroline; BUAES Caroline Stumpf. Sentidos de chefia familiar feminina em contextos de comunidades populares. Psicologia Argumento, v. 30, n. 68, p. 99-108, 2012.

ALVES, Ana Luisa Sant'Anna et al. Características do consumo alimentar de funcionários e professores de uma universidade comunitária. Arquivos de Ciências da Saúde, [S.l.], v. 24, n. 4, p. 42-46, 2017.

ABREU, Alice Rangel de Paiva; HIRATA, Helena; LOMBARDI, Maria Rosa. Gênero e trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais. Coautoria de Adriana Gracia Piscitelli. São Paulo, SP: Boitempo, 2016.

CNSDSS. Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde. As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil/Causes of social inequities in Brazil. Editora Fiocruz. 2008.

CARVALHO, Ana Maria Almeida et al. Mulheres e cuidado: bases psicobiológicas ou arbitrariedade cultural?. Paidéia, v. 18, n. 41, p. 431-444, 2008.

LEVANDOSKI, Gustavo; OGG, Fabiano; CARDOSO, Fernando Luiz. Violência contra professores de educação física no ensino público do estado do Paraná. Motriz: revista de educação física, v. 17, n. 3, p. 374-383, 2011.

NETTO, Luciana et al. Experiências e especificidades da violência escolar na percepção de funcionários de uma escola pública. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 2, n. 3, p. 591-600, 2012.

MESQUITA, Alex Andrade et al. Estresse e síndrome de burnout em professores: Prevalência e causas. Psicologia Argumento, v. 31, n. 75, p. 627-635, 2013.

KOGA, Gustavo Kenedy Camargo et al. Fatores associados a piores níveis na escala de Burnout em professores da educação básica. Cad. saúde Coletiva, v. 23, n. 3, p. 268-275, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2017: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, 2018.

BARBOSA, Rose Elizabeth Cabral; FONSECA, Giovanni Campos. Prevalência de tabagismo entre professores da Educação Básica no Brasil, 2016. Cad. Saúde Pública, v. 35, supl. 1, e00180217, 2019.

CDC. Centers for Disease Control and Prevention. Behavioral Risk Factor Surveillance System – BRFSS. About the BRFSS. Disponível em: https://www.cdc.gov/brfss/index.html. Acesso em: 08 jan. 2021.

ALVES, Railda Fernades et al. Gênero e saúde: o cuidar do homem em debate. Psicologia: teoria e prática, v. 13, n. 3, p. 152-166, 2011.

MALTA, Deborah Carvalho et al. Fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico nas capitais brasileiras, Vigitel 2014. Rev. bras. Epidemiologia, v. 18, Suppl. 2, p. 238-255, 2015.

GALLINA, Luciara Souza et al. Hábito alimentar do professor: importante elemento para a promoção da saúde no ambiente escolar. Revista Simbio-Logias, v. 6, n. 9, p. 105-116, 2013.

MIELKE, Grégore Iven et al. Prática de atividade física e hábito de assistir à televisão entre adultos no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol. Serv. Saúde, v. 24, n. 2, p. 277-286, 2015.

MAIA, Emanuella Gomes et al. Hábito de assistir à televisão e sua relação com a alimentação: resultados do período de 2006 a 2014 em capitais brasileiras. Cad. Saúde Pública, v. 32, n. 9, e00104515, 2016.

ROSSI-BARBOSA, Luiza Augusta Rosa et al. Self-Reported Acute and Chronic Voice Disorders in Teachers. Journal of Voice, v. 30, n. 6, p. 755, e25-755.e33, 2016.

LEVORATO, Cleice Daiana et al. Fatores associados à procura por serviços de saúde numa perspectiva relacional de gênero. Ciênc. saúde coletiva, v. 19, n. 4, p. 1263-1274, 2014.

SAINTRAIN, Maria Vieira de Lima et al. The relation between gender in the access to dental services and goods. Revista Brasileira Promoção à Saúde, v. 27, n. 3, p. 381-388, 2014.

SILVA, Patrícia Alves dos Santos et al. A saúde do homem na visão dos enfermeiros de uma unidade básica de saúde. Esc. Anna Nery, v.16, n. 3, p. 561-568, 2012.

LENGERKE, Thomas Von et al. Body weight dissatisfaction by socioeconomic status among obese, preobese and normal weight women and men: results of the cross-sectional KORA Augsburg S4 population survey. BMC Public Health, v.12, n. 342, p. 2-11, 2012.

POLTRONIERI, Taiara Scopel et al. Insatisfação com a imagem corporal e fatores associados em mulheres do sul do Brasil. Ciência & Saúde, v. 9, n. 3, p. 128-134, 2016.

Krieger Nancy. Theories for social epidemiology in the 21st century: an ecosocial perspective. International Journal of Epidemiology, v. 30, n. 4, p. 668-677, 2001.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

MAGALHÃES, T. A. DE .; FAGUNDES SILVEIRA, M. .; NASCIMENTO, J. E.; VIEIRA, M. R. M.; ALMEIDA, E. W. S. DE; MARTINS, A. M. E. DE B. L.; FERREIRA E FERREIRA, E.; HAIKAL, D. S. Perfil Ocupacional, Comportamentos e Saúde Segundo Diferenciais de Gênero entre Professores da Rede Pública. Revista Unimontes Científica, v. 22, n. 2, p. 1-22, 31 dez. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>