OS Os Sentimentos das Mães diante do Diagnóstico de Pé Torto Congênito de um Filho

Autores

  • Suelen Priscila Macedo Farias Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Mateus Costa Lima Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Ana Flávia Mundim Ramos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Maria Tereza Carvalho Almeida Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Simone Monteiro Ribeiro Faculdades Integradas Pitágoras - FIPMOC
  • Fernanda Alves Maia Universidade Estadual de São Paulo - UNESP
  • Maria Rachel Alves Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC.

Palavras-chave:

Pé torto; Pé torto congênito; Relação mãe-filho; Sentimentos maternos; Relação médicopaciente; Diagnóstico.

Resumo

Objetivo: este estudo tem como objetivo investigar quais os sentimentos mais frequentes das
mães frente ao diagnóstico de um filho com pé torto congênito, a deformidade músculo-esquelética mais
comum ao nascimento. Metodologia: trata-se de uma pesquisa exploratória com abordagem qualitativa.
Utilizamos entrevistas semiestruturadas, que foram gravadas e transcritas. Os dados foram sistematizados
e submetidos à análise temática. Resultados: foram encontrados os sentimentos de culpa, revolta, choque,
surpresa, dúvida, frustração, desespero, aversão, preocupação, indignação, insegurança, ansiedade e
aceitação. As entrevistadas relataram o despreparo dos profissionais ao dar o diagnóstico. Conclusão:
concluiu-se que as mães conseguiram um nível de superação em relação aos sofrimentos iniciais. Todas elas
demonstraram aceitação e desenvolveram uma relação de afeto positivo com o filho. No entanto, os níveis
de desgaste inicial poderiam ter sido abreviados se elas tivessem recebido atenção profissional satisfatória
no momento do diagnóstico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. WORLD HEALTH ORGANIZATION.
(2016). Congenital anomalies. Recuperado de http://
www.who.int/mediacentre/factsheets/fs370/en/.
2. GILI, J. et al High Birth Prevalence Rates
for Congenital Anomalies in South American
Regions. Epidemiology: Philadelphia; 2015; 26
p. 53 – 55 doi:10.1097/EDE.0000000000000345
3. FOSTER, A; DAVIS, N.
Congenital talipes equinovarus (clubfoot)
Orthopaedic IV: degenerative/paediatric
disorders. Surgery. 2007; 25(4): 171-5.
4. MACNICOL, M. F.; MURRAY, A.W.
Changing concepts in the management of
congenital talipes equinovarus. Symposium:
surgery & orthopaedics. Paediatrics
and Child Health. 2008; 18(6): 272-5.
5. PONSETI, I et al. Pé torto, tratamento
pelo Método de Ponseti. Global-HELP. 2005.
6. RADLER, C. et al. Maternal attitudes
towards prenatal diagnosis of idiopathic clubfoot.
Ultrasound Obstet Gynecol. 2011; 37(6): 658-662.
7. GOLDBECK, L. 2006. The o impact
of newly diagnosed chronic paediatric
conditions on parental quality of life. Quality
of Life Research. 2006; 15 (7) 1121-31.
8. ASPLIN, N et al. Maternal emotional
wellbeing over time and attachment to the
fetus when a malformation is detected Sexual
& Reproductive Healthcare 6. (2015) 191–195
9. CUNHA, A. C. B. et al. Diagnóstico
de malformações congênitas: impactos sobre
a saúde mental de gestantes. Estud. psicol.
(Campinas) [online]. 2016, vol.33, n.4,
pp.601-611. ISSN 1982-0275. http://dx.doi.
org/10.1590/1982-02752016000400004.
10. SAVIANI-ZEOTI, F and PETEAN,
E. B. L.. Apego materno-fetal, ansiedade e
depressão em gestantes com gravidez normal
e de risco: estudo comparativo. Estud. psicol.
(Campinas) [online]. 2015, vol.32, n.4,
pp.675-683. ISSN 0103-166X. http://dx.doi.
org/10.1590/0103-166X2015000400010.
11. GOMES, A. G. ; PICCININI, C.
A. . Malformação no bebê e maternidade:
Aspectos teóricos e clínicos. Psicologia Clínica
(PUCRJ. Impresso), v. 22, p. 157-171, 2010.
12. MARTINS, E. H. T. S. Metodologia
qualitativa de pesquisa. Educação e
pesquisa. São Paulo, 30(2). p 289-300. 2004
13. BAUER, M.W.; GASKELL G.
Pesquisa qualitativa com texto, imagem e
som: um manual prático. Petrópolis: Vozes,
2002. (P. A. Guareschi, Trad.). Petrópolis:
Vozes (Original publicado em 2000).
14. MARCON, S. S. ; ELSEN, I. . Um estudo
trigeracional sobre a experiência de famílias
ao criarem seus filhos.. Ciência, Cuidado e
Saúde , Maringá, v. 1, n.1, p. 111-115, 2002.
15. SÁ, S. M. P.; RABINOVICH, E. P.
Compreendendo a família da criança com
deficiência física. Revista Brasileira Crescimento
Desenvolvimento Humano, v. 16, n. 1, p. 68-84, 2006.
16. BUSCÁLIA, L. Os deficientes e
seus pais: um desafio ao aconselhamento.
3ª ed. Rio de Janeiro: Record; 1997.
17. FIGUEIREDO, A. R. O psicólogo no
acolhimento de mães de crianças especiais. I
Fórum de Estudos Multidisciplinares IX Encontro
de pesquisadores. Mai 5-9 2008 [acesso em
20 junho 2013] Disponível em http://legacy.
unifacef.com.br/novo/publicacoes/IIforum/
Textos%20EP/Adriana%20R%20Figueiredo.pdf.
18. HOHER, S. P.; WAGNER, A. D. L. A
transmissão do diagnóstico e de orientações
pais de crianças com necessidades especiais:
a questão da formação profissional. Estudos
de Psicologia (Campinas), Campinas,
v. 23, n. 2, p. 113-125, Jun. 2006.
19. FERRARETO, I et al . Ações integradas
na reabilitação de crianças portadoras de
paralisia cerebral. In: KUDO, A.M. et al,
organizadores. Fisioterapia, Fonoaudiologia e
Terapia Ocupacional em Pediatria. Monografias
Médicas. 2. ed. São Paulo: Sarvier; 1994. 283-290.
20. PIETRUCIN-MATEREK, M. et al.
Parenting a child with clubfoot: A qualitative
study. International Journal of Orthopaedic
and Trauma Nursing. 2011; 15(4): 176–184.
21. COPPOLA, G. et al. The impact of the
baby’s congenital malformation on the mother’s
psychological well-being: an empirical contribution
on the clubfoot. J Pediatr Orthop. 2012; 32 (5): 521-6.
22. RAINES, D. A. Suspended mothering:
women’s experiences mothering an infant
with a genetic anomaly identified at
birth. Neonatal Netw. 1999; 18(5): 35-9.
23. LOPES, G. B.; KATO, L. S.; CORRÊA,
P. R. C. Os pais das crianças com deficiência:
reflexões acerca da orientação motora. Psicologia:
Teoria e Prática, v. 4, n. 2, p. 67-72, 2002.

Downloads

Publicado

2020-12-06

Como Citar

MACEDO FARIAS, S. P. .; COSTA LIMA, M. .; MUNDIM RAMOS, A. F. .; CARVALHO ALMEIDA, M. T. .; MONTEIRO RIBEIRO, S. .; ALVES MAIA, F. .; ALVES, M. R. . OS Os Sentimentos das Mães diante do Diagnóstico de Pé Torto Congênito de um Filho. Revista Unimontes Científica, [S. l.], v. 18, n. 2, p. 49–61, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/1771. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)