Bolsonarismo e bolsonaristas no Brasil contemporâneo

Antecedentes históricos, percursos políticos

Autores

  • Clayton Romano Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v27n1p141-159

Palavras-chave:

Bolsonarismo, Bolsonaristas, Ditadura Militar, Democratização, Cultura Política

Resumo

Parte de estudo mais amplo sobre as raízes do bolsonarismo, este breve ensaio dedica-se à retrospectiva histórica de traços marcantes da cultura política encarnada por bolsonarismo e bolsonaristas. Vistos desde a ditadura militar (1964-1985), antecedentes e percursos analisados buscam salientar o caráter processual da relação entre sociedades política e civil no Brasil contemporâneo, sublinhando a conjugação operada entre autoritarismo político e “instinto animal” do mercado na base ético-política ora exposta por bolsonarismo e bolsonaristas. Frutos da aliança empresarial-militar dos tempos de ditadura, arenistas, malufistas, colloridos, entre tantos, deram vida política aos termos ditados desde os militares, atualizando-os periodicamente durante o processo de democratização da vida civil no país. Produtos das contradições entre sociedades política e civil, colecionadas em série, bolsonarismo (fenômeno) e bolsonaristas (sujeitos) são compreendidos assim enquanto a face contemporânea, e por isso também peculiar, da derradeira cultura política legada pela ditadura militar ao curso da democracia no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clayton Romano, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Historiador vinculado ao Departamento de História da Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5609-5454. E-mail: clayton.romano@uftm.edu.br.

Referências

ABRANCHES, Sérgio. Presidencialismo de coalização. Raízes e evolução do modelo político brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

AB'SÁBER, Tales. Lulismo, carisma pop e cultura anticrítica. São Paulo: Hedra, 2011.

ANDERSON, Perry. Brasil à parte. 1964-2019. São Paulo: Boitempo, 2020.

ARISTÓTELES. Política. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

BARCELLOS, Caco. Rota 66: a história da polícia que mata. 29ª ed. São Paulo: Globo, 1997.

BENEVIDES, Maria Victória. A UDN e o udenismo: ambiguidades do liberalismo brasileiro (1945-1965). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

BIASON, Rita e LIVIANU, Roberto (orgs.). A corrupção na história do Brasil. São Paulo: Editora Mackenzie, 2019.

COUTINHO, Carlos Nelson. (org.). O Leitor de Gramsci. Escritos escolhidos: 1916-1935. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder. Formação do patronato político brasileiro. 10ª ed. v. 1 e 2. São Paulo: Globo, 2000.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil. Ensaio de interpretação sociológica. 5ª ed. São Paulo: Globo, 2005.

FERREIRA, Jorge. (org.). O populismo e sua história. Debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

FERREIRA, Jorge. e DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. (orgs.). O Brasil republicano. O tempo da ditadura: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. v. 4. 7ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

FERREIRA, Jorge e GOMES, Ângela de Castro. 1964. O golpe que derrubou um presidente, pôs fim ao regime democrático e instituiu a ditadura no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

FERREIRA, Jorge e REIS FILHO, Daniel Aarão. (orgs.). As esquerdas no Brasil. Revolução e democracia (1964-...). v. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

FREIRE, Américo e FERREIRA, Jorge. (orgs.). A razão indignada. Leonel Brizola em dois tempos (1961-1964 e 1979-2004). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

GALLEGO, Esther Solano. (org.). O ódio como política. A reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

GOMES, Ângela de Castro. A invenção do trabalhismo. 3ª ed. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2005.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas. A esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada. 5ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Expressão Popular, 2014.

HIPPOLITO, Lucia. De raposas e reformistas. O PSD e a experiência democrática brasileira (1945-64). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

MOTTA, Rodrigo Pato Sá. Partido e Sociedade. A trajetória do MDB. Ouro Preto: UFOP, 1997.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

NOGUEIRA, Marco Aurélio. Em defesa da política. São Paulo: Editora Senac, 2001

PRADO JR, Caio. A revolução brasileira. 7ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro. Artistas da revolução, do CPC à era da TV. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SALLUM JR, Brasílio. O impeachment de Fernando Collor. Sociologia de uma crise. São Paulo: Editora 34, 2015.

SCHMITT, Rogério. Partidos políticos no Brasil (1945-2000). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.

SCHWARCZ, Lilia Mortiz. Sobre o autoritarismo brasileiro. 2ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SILVA, Juremir Machado da. Raízes do conservadorismo brasileiro. A abolição na imprensa e no imaginário social. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

SINGER, André. Os sentidos do lulismo. Reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

VIANNA, Luiz Werneck. A revolução passiva. Iberismo e americanismo no Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Revan, 2004.

Downloads

Publicado

2021-08-16

Como Citar

Romano, C. (2021). Bolsonarismo e bolsonaristas no Brasil contemporâneo: Antecedentes históricos, percursos políticos. Revista Desenvolvimento Social, 27(1), 141–159. https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v27n1p141-159