Mortalidade infantil em municípios da microrregião da Serra Geral, Minas Gerais

Uma série histórica entre 2008-2016

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v26n2p215-237

Palavras-chave:

Mortalidade Infantil, Saúde Pública, Fatores de Mortalidade

Resumo

Vários indicadores de saúde têm sido utilizados como instrumento para o monitoramento da qualidade de vida das populações. Entre estes indicadores, a taxa de mortalidade infantil é um dos principais, pois revela a qualidade dos serviços de saúde, saneamento básico e educação de uma determinada região. Essa taxa é apresentada por meio de dados epidemiológicos que quantificam as mortes no primeiro ano de vida, dentre todos os nascidos vivos no mesmo espaço de tempo. O presente trabalho avaliou a mortalidade infantil nos 16 municípios que integram a microrregião da Serra Geral de Minas Gerais, localizada em sua totalidade no norte do estado. O estudo foi do tipo ecológico, realizado sob uma perspectiva observacional com abordagem quantitativa. Os dados foram coletados no período de 2008 a 2016, mostrando que 469 crianças morreram. A maioria dos óbitos ocorreram em crianças do sexo masculino, após o parto, no período neonatal e em ambiente hospitalares. As principais causas de mortalidade foram afecções perinatais e as malformações congênitas, deformidades e anomalias cromossômicas. Os municípios que apresentaram maior taxa de mortalidade infantil foram Pai Pedro e Manga, sendo esta taxa considerada como média, conforme classificação da Organização Mundial de Saúde. Os resultados mostraram que mesmo com diminuição nas taxas de mortalidade infantil nos municípios da microrregião da Serra Geral, ainda existem óbitos infantis por causas evitáveis. Tal fato pode sinalizar a necessidade de investimentos na assistência à saúde nesta região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Warlleis Souza Santos, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Mestre em Saúde, Sociedade e Ambiente pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Professor da faculdade FAVENORTE – campus Porteirinha. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2660-6521. E-mail: warlleis@yahoo.com.br.

João Victor Leite Dias, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Doutor e mestre em Ciências da Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz. Professor da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. ORCID: https://orcid.org/0000000273673826. E-mail: joão.dias@ufvjm.edu.br.

Herton Helder Rocha Pires, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Doutor em Biologia Parasitária pela Fundação Oswaldo Cruz. Professor da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. ORCID: https://orcid.org/0000000263353810. E-mail: herton.pires@ufvjm.edu.br.

Referências

ALMEIDA, W. da S. de; SZWARCWALD, C. L. Mortalidade infantil e acesso geográfico ao parto nos municípios brasileiros. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 46, n. 1, p. 68-76, fev. 2012.

BITTENCOURT, F.; VIEIRA, J.; ALMEIDA, A. C. C. H. de. Concepção de gestantes sobre o parto cesariano. Revista Cogitare Enfermagem, [S.l.], v. 18, n. 3, set. 2013.

BONITA, R.; BEAGLEHOLE R.; KJELLSTROM T. Epidemiologia básica. 2. ed. Santos, SP: Santos Editora, 2010.

BRASIL. Ministério de Desenvolvimento Agrário. Colegiado Territorial/APTA/MDA. (2010). Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável (PTDRS) – Serra Geral (MG).

______. Ministério da Saúde. Departamento de informática do sistema único de saúde do Brasil - DATASUS. Informações de Saúde, Estatísticas Vitais: banco de dados. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2019.

______. Ministério de Desenvolvimento Agrário. Sistema de Informações Territoriais: Caderno territorial. Brasília, DF: Ministério de Desenvolvimento Agrário, 2015.

BRASIL, T. B. et al. Fatores associados à mortalidade neonatal com ênfase no componente da atenção hospitalar ao recém-nascido. Arquivos Catarinenses de Medicina, [S.l.], v. 47, n. 2, p. 70-86, jun. 2018.

CALDEIRA, A. P. et al. Evolução da mortalidade infantil por causas evitáveis, Belo Horizonte, 1984-1998. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 67-74, jan. 2005.

CAMPOS, T. P.; CARVALHO, M. S.; BARCELLOS, C. C. Mortalidade infantil no Rio de Janeiro, Brasil: áreas de risco e trajetória dos pacientes até os serviços de saúde. Revista Panamericana de Saúde Pública, [S.l.], v. 8, n. 3, p. 164-171, maio 2000.

CARLO, W. A.; TRAVERS, C. P. Mortalidade materna e neonatal: hora de agir. Jornal de Pediatria, Porto Alegre, v. 92, n. 6, p. 543-545, dez. 2016.

COSTA, J. M. B. da S.; FRIAS, P. G. de. Avaliação da completitude das variáveis da Declaração de Nascido Vivo de residentes em Pernambuco, Brasil, 1996 a 2005. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, p. 613-624, mar. 2009.

DOLDAN, R. V.; COSTA, J. S. D. da; NUNES, M. F. Fatores associados à mortalidade infantil no Município de Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil: estudo de caso-controle. Epidemiologia e Serviço de Saúde, Brasília, v. 20, n. 4, p. 491-498, dez. 2011.

DOMINGUES, R. M. S. M. et al. Processo de decisão pelo tipo de parto no Brasil: da preferência inicial das mulheres à via de parto final. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, supl. 1, p. 101-116, 2014.

DUARTE C. M. R. Qualidade de vida e indicadores de saúde: aspectos da mortalidade infantil no estado do Rio de Janeiro e suas regiões. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 8, n. 4, p. 414-427, out./dez. 1992.

¬______. Reflexos das políticas de saúde sobre as tendências da mortalidade infantil no Brasil: revisão da literatura sobre a última década. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 7, p. 1511-1528, jul. 2007.

FARIA, R.; SANTANA, P. Variações espaciais e desigualdades regionais no indicador de mortalidade infantil do estado de Minas Gerais, Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 736-749, jul./set. 2016.

FISCHER T. K. et al. A mortalidade infantil no Brasil: série histórica entre 1994-2004 e associação com indicadores socioeconômicos em municípios de médio e grande porte. Revista Medicina, Ribeirão Preto, v. 40 n. 4, p. 559-566, out./dez. 2007.

FONTELLES, et al. Metodologia da pesquisa científica: diretrizes para a elaboração de um protocolo de pesquisa. Revista Paraense de Medicina 23(3), 2009.

FRANÇA, E. B. et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 20, supl. 1, p. 46-60, maio 2017.

GASTAUD, A. L. G. da S.; HONER, M. R.; CUNHA, R. V. da. Mortalidade infantil e evitabilidade em Mato Grosso do Sul, Brasil, 2000 a 2002. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 7, p. 1631-1640, jun. 2008.

GIGLIO, M. R. P.; LAMOUNIER, J. A.; MORAIS NETO, O. L. de. Via de parto e risco para mortalidade neonatal em Goiânia no ano de 2000. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 350-357, jun. 2005.

GOULART, A. P. et al. Fatores de risco para o desenvolvimento de sepse neonatal precoce em hospital da rede pública do Brasil. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 148-153, jun. 2006.

GUEDES, T. A. et al. Estatística descritiva. In: GUEDES, T. A. et al. Projeto de Ensino: Aprender Fazendo Estatística. São Paulo: USP, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2012.

LISBOA, L. et al. Mortalidade infantil: principais causas evitáveis na região Centro de Minas Gerais, 1999-2011. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 24, n. 4, p. 711-720, out-dez. 2015.

LOPES, A. L. S.; GUSMÃO, G. de C. A relação entre pobreza e desigualdade na região norte de Minas Gerais. In: Seminário sobre a economia mineira, 15., 2012, Diamantina. Anais eletrônicos XV Seminário sobre a economia mineira: Diamantina + 30. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2012. 1 WEB SITE.

LOURENÇO, E. de C.; BRUNKEN, G. S.; LUPPI, C. G. Mortalidade infantil neonatal: estudo das causas evitáveis em Cuiabá, Mato Grosso, 2007. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 22, n. 4, p. 697-706, out./dez. 2013.

MAGALHÃES, S. C. M., LIMA, S. do C. Cenário da rede de saúde no norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, Uberlândia, v. 8, n. 15, p. 245-258, dez. 2012.

MATOS, L. N. et al. Mortalidade de infantil no município do Rio de Janeiro. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 283-288, jun. 2007.

MENEZES, A. M. B. et al. Risk factors for perinatal mortality in an urban area of Southern Brazil, 1993. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 209-216, jun. 1998.

NOCE, M. A.; NETO J. A. F. A população rural do território da Serra Geral Minas Gerais.Camponeses ou agricultores familiares?. Revista Interfaces em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade. [S.l.], v. 9, n. 1, p. 57-76, [S.l.] 2015.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE (OPAS). Apesar do declínio constante na mortalidade entre crianças com menos de cinco anos, 7 mil recém-nascidos morrem todos os dias, afirma novo relatório. Brasília: OPAS/OMS Brasil, 19 out. 2017.

PEDROSA, L. D. C. de O.; SARINHO, S. W.; ORDONHA, M. de A. R. Óbitos neonatais: por que e como informar?. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 5, n. 4, p. 411-418, dez. 2005.

PINTO JUNIOR, E. P. et al. Efeito da Estratégia Saúde da Família nas internações por condições sensíveis à atenção primária em menores de um ano na Bahia, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 2, [S.l], 2018.

PIRES, D. et al. A influência da assistência profissional em saúde na escolha do tipo de parto: um olhar sócio antropológico na saúde suplementar brasileira. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 10, n. 2, p. 191-197, jun. 2010.

SILVA, A. L. A. da et al. A qualidade do atendimento ao parto na rede pública hospitalar em uma capital brasileira: a satisfação das gestantes. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 33, n. 12, p. 1-14, mar. 2017.

SILVA, S. P. C. e; PRATES, R. de C. G.; CAMPELO, B. Q. A. Parto normal ou cesariana? Fatores que influenciam na escolha da gestante. Revista de Enfermagem da UFSM, [S.l], v. 4, n. 1, p. 1-9, abr. 2014.

SOARES, E. S.; MENEZES, G. M. de S. Fatores associados à mortalidade neonatal precoce: análise de situação no nível local. Epidemiologia e Serviço de Saúde, Brasília, v. 19, n. 1, p. 51-60, mar. 2010.

SOARES, M. Q. Mortalidade Infantil: Análise dos casos ocorridos e investigados no município de Viçosa, MG, 2008 a 2011. 2011. 30 f.. Trabalho de Conclusão de curso – (Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina, Conselheiro Lafaiete, 2011.

TOMAZ, E. B. A. F. et al. Conceitos e Ferramentas da Epidemiologia. São Luís: EDUFMA, 2015.

TRAVASSOS, C.; NORONHA, J. C. de; MARTINS, M. Mortalidade hospitalar como indicador de qualidade: uma revisão. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 367-381, 1999.

UNICEF. Levels & Trends in Child Mortality Estimation: Report 2017. Estimativas desenvolvidas pelo Grupo Interinstitucional das Nações Unidas para a estimativa da mortalidade infantil. New York: UNICEF, 2017.

VICTORA, C. G. et al. Saúde de mães e crianças no Brasil: progressos e desafios. The Lancet. London, [S.l], p.32-46, maio. 2011.

WEIDLE, W. G. et al. Escolha da via de parto pela mulher: autonomia ou indução?. Cadernos Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 46-53, mar. 2014.

Downloads

Publicado

2021-04-15

Como Citar

Souza Santos, W., Leite Dias, J. V., & Helder Rocha Pires, H. (2021). Mortalidade infantil em municípios da microrregião da Serra Geral, Minas Gerais: Uma série histórica entre 2008-2016 . Revista Desenvolvimento Social, 26(2), 215-237. https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v26n2p215-237

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)