SABERES E PRÁTICAS LOCAIS NO MANEJO COMUNITÁRIO DA PESCA ARTESANAL NO BRASIL: CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA-AÇÃO E DO ENFOQUE ADAPTATIVO PARA UMA POLÍTICA AMBIENTAL JUSTA E SUSTENTÁVEL

Autores

  • Thaís de Almeida Cardoso Fernandez Universidade Federal de Viçosa
  • Ana Paula Glinfskoi Thé Universidade Estadual de Montes Claros

Palavras-chave:

pesca artesanal, pesquisa-ação, gestão compartilhada, desenvolvimento, sustentabilidade

Resumo

Pescadores artesanais, sujeitos das pesquisas apresentadas neste artigo, mantêm uma
relação estreita com o sistema aquático, possibilitando-lhes acumular conhecimentos e
desenvolver sensibilidade e capacidade de decisão. As práticas destas comunidades
locais, ora atuando como forças estabilizadoras, ora como forças desestabilizadoras,
potencialmente podem contribuir para o desenvolvimento de sistemas ecológicos mais
resilientes e auxiliar na elaboração de políticas e legislações ambientais mais adequadas.
No entanto, grande parte destes saberes e práticas tradicionais tem sido negligenciadas e
marginalizadas no Brasil. A gestão compartilhada se insere nesse contexto por favorecer
a inclusão dos pescadores artesanais na tomada de decisões, junto ao Estado. O presente
trabalho tem como objetivo analisar duas experiências de pesquisa-ação em gestão
compartilhada da pesca artesanal no Brasil, baseadas na teoria do manejo adaptativo,
visando comparar os principais fatores que interferem no processo de gestão. As
experiências referem-se a projetos executados na Reserva Extrativista do Mandira, no
litoral sul do estado de São Paulo, e na Bacia do Alto-Médio São Francisco, em Minas
Gerais. Embora as experiências tenham obtido diferentes resultados quanto a
incorporação de conhecimentos ecológicos tradicionais, de mudanças de regras para
maior adaptação e resiliência dos sistemas pesqueiros, a pesquisa-ação demonstrou-se
como um método de pesquisa privilegiado na mudança de um determinado contextoproblema
socioambiental. No entanto, ainda é preciso uma mudança de valores, de
posturas, para o reconhecimento das diversas culturas e saberes ecológicos na gestão
ambiental brasileira, tornando o processo mais democrático, justo e sustentável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAILEY, C. & ZERNER, C. Community based fisheries management institutions in
Indonésia. Maritime Anthropol Stud. 5 (1), 1992. p. 1-17
BERKES, F. Sacredecology: traditionalecologicalknowledgeand management systems.
Taylor & Francis: Philadelphia and London, UK, 1999.
BERKES, F. Sistemas sociais, sistemas ecológicos e direitos de apropriação derecursos
naturais. In: VIEIRA, P. F., BERKES, F.; SEIXAS, C. S. Gestão integradae
participativa de recursos naturais: conceitos, métodos e experiências. Florianópolis:
Secco/APED, 2005. p. 47-72.
BERKES, F.; FOLKE, C. Linking Social and Ecological Systems: management
practices and social mechanisms. Cambridge University Press. 1998.
BERKES, F., MAHON, R., MCCONNEY, P., POLLNAC. R. AND POMERO, R.
Managing Small-scale Fisheries.Alternative Directions and Methods. Ed. IDRC,
Ottawa, CA, 2001.
BERKES, F.; COLDING, J.; FOLKE, C. Navigating social–ecological
systems:building resilience for complexity and change. Cambridge:
CambrigdeUniversityPress, 2003. 393 p.
CASTRO, F.; MCGRATH, D. Biodiversidade, pesquisa e desenvolvimento
naAmazônia. O manejo comunitário de lagos na Amazônia. Revista
ParceriasEstratégicas, v. 12, p. 112-127. 2001. Disponível
em:<http://www.cgee.org.br/arquivos/pe_12.pdf>. Acesso em: nov. 2007.
CARDOSO, T. A. A Construção da Gestão Compartilhada da Reserva Extrativista do
Mandira, Cananéia, SP. 2008. Tese (Doutorado em Ciências), Universidade Federal de
São Carlos, São Carlos, 2008.
Freeman, M.M.R. The Nature and Utility of Traditional Ecological Knowledge.
Northern Perspectives,20 (1), 1992. p. 9-12.
Gomez-Pompa, A.andKaus, A. Taming the Wilderness Myth. BioScience,Vol 42. No. 4,
1992. p. 271-279.
GUNDERSON, L. H.; HOLLING, C. S. Panarchy: understing transformations
inhuman and natural systems. London: Island Press, 2002. 507p.
HARDIN, G. The tragedy of the commons. Science 162, 1968. p. 1243-1248.
HENRIQUES, M. B.; PEREIRA, O. M.; MACHADO, I. C.; JESUS, M. O. Reavaliação
do estoque e proposta de extração sustentada da ostra de mangue Crassostrea brasiliana
(Lamarck, 1819) na Reserva Extrativista do Mandira,Cananéia, SP. In: Encontro de
GerenciamentoCosteiro ENCOGERCO, 2007,Florianópolis.
Holling, C. S. Resilience of ecosystems; local surprise and global change. In
SustainableDevelopmentoftheBiosphere, W. C. Clark and R. E. Munn, Editors
Cambridge University Press, Cambridge, 1986. p. 292-317
HOLLING, C. S., BERKES, F. E FOLKE, C. Science, sustainability and resource
management. Em“Linking Social and Ecological Systems: Institutional Learning for
Resilience”. F. Berkes and C. Folke, Eds. Cambridge University Press, Cambridge,
1998. p. 346-366.
Holling C. S. e Meffe, G. K. Command and Control and the Pathology of Natural
Resource Management. Conservation Biology, Vol. 10, No. 2: 328, 1996.
JENTOFT, S. The community: a missing link of fisheries management. Marine Policy,
24, 2000. p. 53-59.
JENTOF, S. Co-management: the way foward. In: WILSON, D. C.; NIELSEN, J.
R.;DEGNBOL, P. The fisheries co-management experience:
accomplishments,challenges and prospects. Kluwer Academic Publishers, 2003.pp.1-
13. (Fish andFisheries Series 26).
LUDWIG, D. The era of management is over. Ecosystems 4, 2001. p. 758-764.
MACHADO, I. C.; NORDI, N.; HENRIQUES, M. B.; CARDOSO, T. A.; PEREIRA,
O. M. A Integração da Pesquisa ao Conhecimento Ecológico Local no Subsídio ao
Manejo: variações no estoque natural da ostra de mangue Crassostrea spp. na Reserva
Extrativista do Mandira, Cananéia, SP, Brasil. Ambiente&Sociedade, Campinas v. XIV,
n. 1, p. 1-22, 2011.
OSTROM. Governing the Commons: The Evolution for Collective Action. Cambridge
University Press. 1990
OSTROM, E. Governing the commons: the evolution of the institutons for
ColletiveAction. Cambridge: Cambridge University Press, 1990. 280p.

Downloads

Publicado

2020-04-06

Como Citar

DE ALMEIDA CARDOSO FERNANDEZ, T.; PAULA GLINFSKOI THÉ, A. . SABERES E PRÁTICAS LOCAIS NO MANEJO COMUNITÁRIO DA PESCA ARTESANAL NO BRASIL: CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA-AÇÃO E DO ENFOQUE ADAPTATIVO PARA UMA POLÍTICA AMBIENTAL JUSTA E SUSTENTÁVEL. Revista Desenvolvimento Social, [S. l.], v. 3, n. 10, p. 85–101, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/1821. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos