AS NOVAS (RE)CONFIGURAÇÕES DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NO SISTEMA CAPITALISTA VIGENTE

Autores

  • Guélmer Júnior Almeida de Faria Universidade Federal de Viçosa – UFV

Palavras-chave:

trabalho doméstico, desqualificação, desfiliação, desproteção e exclusão social.

Resumo

 Este artigo teve como principal objetivo analisar os obstáculos e discrepâncias que o trabalho doméstico é tido na sociedade; a feminização e domesticação a eles vinculada são elementos instigantes para o estudo desse trabalho, sob a lógica do capital. Nesta linha de buscar a classificação do trabalho doméstico em algum modo de produção acaba por considerar a produção de força de trabalho pela mulher como mera produção de simples mercadorias. A questão que se coloca são as novas (re) configurações que tomam corpo no bojo da acumulação primitiva do capital em tempos de capital fetiche. Para isso, utilizou-se a pesquisa de emprego e desemprego (PED/2009), realizada nas principais regiões metropolitanas pelo DIEESE em parceria com a Fundação Seade, Ministério do Trabalho e Emprego e parceiros regionais. Buscou-se conhecer as características desta profissão e o perfil de suas trabalhadoras para ajudar a subsidiar o atual debate político sobre a garantia dos direitos trabalhistas e de proteção social. Pode-se concluir que a desqualificação por ser um tipo de trabalho que não requer investimento, considerado algo “inato” da mulher. A desfiliação por parte até mesmo da categoria que não se filia ao sindicato, gera frustrações no campo da ação política, no sentido do engajamento de classe. A desproteção vem sinalizando que em um mundo globalizado, a flexibilização das leis do trabalho e a precarização das condições de trabalho, são armadilhas para a reivindicação e exigência de proteção social. Todos esses atributos contribuem de sobremaneira para aumentar a exclusão social desses sujeitos sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-03-26

Como Citar

JÚNIOR ALMEIDA DE FARIA, G. . AS NOVAS (RE)CONFIGURAÇÕES DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NO SISTEMA CAPITALISTA VIGENTE. Revista Desenvolvimento Social, [S. l.], v. 1, n. 6, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/1630. Acesso em: 1 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos