Integrando saberes matemáticos a outros campos: contextos e resolução de problemas na formação de alfabetizadoras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/emd.e202038

Resumo

O PNAIC busca que todas as crianças sejam plenamente alfabetizadas até os oito anos. Tem-se como objetivo analisar o último encontro do ciclo 2014, dedicado aos saberes matemáticos e outros campos do saber. A investigação é de natureza qualitativa e como metodologia utiliza-se a pesquisa documental e a análise de conteúdo para evidenciar os dados dos documentos do Programa e dos portfólios de cinco professoras que participaram do PNAIC em 2014 no município de Eldorado (SP). Verificamos que o encontro proporcionou às alfabetizadoras perceberem que precisam ter claro porque ensinam e para quem estão ensinando Matemática — sua realidade; serviu para oferecer elementos para que elaborem e aprendam relações, fatos, conceitos e procedimentos matemáticos que sejam úteis tanto para resolver problemas reais, como para desenvolver o raciocínio lógico. As discussões desse encontro foram significativas para qualificar os conhecimentos das professoras, fomentar a mudança e reflexão sobre a prática.

Palavras-chave: Ensino de Matemática. Formação de alfabetizadoras. Saberes matemáticos. PNAIC. Alfabetização matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALFERES, Marcia Aparecida; MAINARDES, Jefferson. A recontextualização do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa — PNAIC: uma análise dos contextos macro, meso e micro. Currículo Sem Fronteiras, v. 18, n. 2, p. 1-28, maio/ago. 2018.

BARBOSA, Jozeildo Kleberson. Mudanças na prática docente de alfabetizadores no contexto do PNAIC. 2017. 216p. Tese (Doutorado em Educação: Currículo) — Faculdade de Educação. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria n. 867, de 4 de julho de 2012. Institui o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais. Brasília: Diário Oficial da União, 5 jul. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: interdisciplinaridade no Ciclo de Alfabetização. Brasília: MEC/SEB, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: saberes matemáticos e outros campos do saber. Brasília: MEC/SEB, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. PCN+ Ensino Médio — Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/SEB, 2002.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasil: Diário Oficial da União, 5 out. 1988.

CRUZ, Mirian Margarete Pereira da; MARTINIAK, Vera Lucia. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: limites e possibilidades. In: MARTINIAK, Vera Lucia (Org.). Formação de professores alfabetizadores: políticas e práticas. Ponta Grossa: Estúdio Texto, 2015, p. 35-55.

D’AMBROSIO, Beatriz Silva. Como ensinar Matemática hoje? Temas e Debates, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 15-19, 1989.

D’AMBROSIO, Beatriz Silva. Conteúdo e metodologia na formação de professores. In.; FIORENTINI, Dario; NACARATO, Adair Mendes. (Org.) Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam Matemática: investigando e teorizando a partir de prática. São Paulo: Musa Editora, 2005, p. 20-32.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas: Papirus, 1996.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação: políticas educacionais e reformas da educação superior. São Paulo: Cortez. 2003.

FERREIRO, Emilia. Entevista — O momento atual é interessante porque põe a escola em crise. Nova Escola, São Paulo, 1 nov. 2006. Disponível em https://novaescola.org.br.

FREIRE, Paulo. Aos que fazem a educação conosco em São Paulo. In: SÃO PAULO (Cidade). Secretaria Municipal de Educação. Construindo a Educação Pública Popular. São Paulo: DOM, 1 fev. 1989.

FREUDENTHAL, Hans. Why to teach Mathematics so as to be useful. Educational Studies in Mathematics. v. 1, n. 1-2, p. 3-8, 1968.

GATTI, Bernardete Angelina. Reconhecimento social e as políticas de carreira docente na educação básica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 145, p.88-111, jan./abr. 2012.

MEIRIEU, Philippe. Aprender... Sim, mas como? Tradução de Tradução de Vanise Pereira Dresch. Artmed: Porto Alegre, 1998.

MONTEIRO, Alexandrina; MENDES, Jackeline Rodrigues. Saberes em práticas culturais: condutas e contracondutas no campo da Matemática e da Educação Matemática. Horizontes, Itatiba, v. 37, p. 1-14, 2019.

NÓVOA, Antônio. (Org.). Profissão Professor. Porto: Porto Editora, 1991.

NÓVOA, Antônio. Desafios do trabalho do professor no mundo contemporâneo. São Paulo: SINPRO-SP, 2007.

READ, Herbert. Educação pela arte. Tradução de Valter Lellis Siqueira. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

ROLKOUSKI, Emerson. Políticas públicas de formação continuada de professores no Brasil: um problema de concepção, escala ou implementação? In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 11, 2013, Curitiba. Anais do XI ENEM — Educação Matemática: retrospectivas e perspectivas. Curitiba: SBEM, 2013, p. 1-16.

SANTOS, Vinício de Macedo. Linguagens e comunicação na aula de Matemática. In: LOPES, Celi; NACARATO, Adair Mendes (Org.). Escritas e leituras na Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2005, p. 117-126.

SHULMAN, Lee S. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, v. 57, n. 1, p. 1-22, apr. 1987.

SHULMAN, Lee S. The wisdom of practice. Essays on teaching, learning, and learning to teach. San Francisco: Jossey-Bass, 2004.

Arquivos adicionais

Publicado

2020-08-25

Edição

Seção

Dossiê — Formação de professores que ensinam Matemática