Educação Matemática Debate https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd <p style="text-align: justify;"><em>Educação Matemática Debate</em>, eISSN 2526-6136, é editada pelo Grupo de Pesquisa em Educação Matemática (GPEMat) e pelo Grupo de Pesquisa Currículos em Educação Matemática (GPCEEM). Objetiva contribuir com a reflexão e a socialização de conhecimento sobre os processos de ensino e de aprendizagem da Matemática, sobre diferentes elementos do desenvolvimento profissional docente e sobre aspectos epistemológicos, filosóficos, didáticos, metodológicos e conceituais da Matemática e da Educação Matemática. Tem como propósito, ainda, divulgar processos e resultados de pesquisas e de experiências de práticas pedagógicas que tem como foco de análise as teorizações do campo da Educação Matemática.</p> Editora Unimontes pt-BR Educação Matemática Debate 2526-6136 Comunidades de Prática e a formação do professor que ensina Matemática revisitando teses e dissertações https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3481 <p>Neste texto são apresentados resultados de um levantamento feito na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD) de estudos, realizados nos anos de 2008 a 2017, sobre a formação de professores de Matemática em Comunidades de Prática (CoP). O objetivo foi verificar se estas pesquisas envolviam, ou não, investigações sobre ações colaborativas e/ou tratavam das especificidades dos conhecimentos docentes. Os resultados apontam a formação continuada de professores em CoP como uma alternativa aos programas tradicionais fundamentados em cursos de treinamento ou de reciclagem de conhecimentos e indicam CoP como um cenário no qual a aprendizagem compartilhada, de modo colaborativo e participativo, promove o desenvolvimento profissional dos professores. Observa-se que apesar de os estudos abordarem ou a colaboração ou os conhecimentos docentes na formação do professor, no âmbito das CoP, nenhum deles teve por objetivo investigar inter-relações entre estes dois aspectos teóricos.</p> Ana Paula Barbosa de Lima Rute Elizabete de Souza Rosa Borba Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-01-01 2021-01-01 5 11 1 30 10.46551/emd.e202101 Vivências de professoras dos Anos Iniciais no trabalho com a resolução de problemas em uma formação continuada https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/2814 <p>Este artigo tem como objetivo investigar as vivências de professoras dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental no trabalho com a resolução de problemas a partir da unidade temática Números da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e na oficina <em>Brincando, cantando, jogando e problematizando também se aprende a Matemática</em>! Para a produção dos dados foram utilizados um questionário e os registros da oficina, que teve duração de 16 horas. Os participantes foram 15 professoras dos Anos Iniciais. As bases do Interacionismo Sociodiscursivo (ISD) permitiram compreender as representações textualizadas construídas pelo grupo de professoras no âmbito da formação continuada. No desenvolvimento das atividades propostas e criadas na oficina, as dimensões do agir docente individual e coletivo possibilitaram às professoras, em parceria com a formadora, estudar, vivenciar e analisar criticamente o texto prescritivo da área de Matemática na BNCC, fazendo as alterações necessárias nos textos do trabalho planificado e realizado, as quais proporcionaram às professoras conhecer e participar da dinamização da metodologia da resolução de problemas na formação continuada.</p> Sandra Alves de Oliveira Dayselane Pimenta Lopes Rezende Andreia Rezende Garcia Reis Reginaldo Fernando Carneiro Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-01-05 2021-01-05 5 11 1 27 10.46551/emd.e202102 Olhar profissional para a docência com tecnologia: um estudo na formação continuada https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/2855 <p class="p1">No artigo discutimos a competência do Olhar Profissional numa pesquisa com três professores de Matemática num curso de formação continuada com o objetivo de identificar a mobilização de conhecimentos pelo professor que indicam o desenvolvimento dessa competência para o ensino com tecnologia. A fundamentação veio do processo reflexivo docente na perspectiva da reflexão coletiva envolvendo vivências para a reconstituição das práticas e, quanto aos conhecimentos docentes para ensinar com Tecnologia, o apoio esteve no modelo TPACK. A metodologia foi qualitativa, do tipo estudo de caso, com coleta de dados feita por observação, entrevistas e recolha dos materiais produzidos nos encontros de formação, com análise interpretativa. Concluímos que no processo formativo desenvolvido houve mobilização de conhecimentos tecnológicos, pedagógicos e matemáticos, a qual foi percebida em um contexto de observação das tarefas envolvidas e das manifestações do raciocínio dos alunos, apontando possibilidades de ampliação do Olhar Profissional dos participantes.</p> Sonner Arfux de Figueiredo Nielce Meneguelo Lobo da Costa Salvador Llinares Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-01-28 2021-01-28 5 11 1 23 10.46551/emd.e202103 Modelagem Matemática: uma proposta de ensino para alunos deficientes visuais https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/2215 <p>Apresentamos os resultados de uma proposta pedagógica embasada na Modelagem Matemática como estratégia de ensino, na inclusão de um aluno com deficiência visual, no contexto da Educação Tecnológica, bem como abordamos suas contribuições para os processos de ensino e de aprendizagem. A pesquisa, de natureza qualitativa, é do tipo estudo de caso. Os resultados analisados apontam que a Modelagem Matemática utilizada como estratégia de ensino da Matemática: a) oferece maior autonomia e inclusão dos alunos deficientes visuais; b) possibilita o reexame de conhecimentos matemáticos e sua aplicação em situações-problema, partindo de situações do cotidiano; c) permite a geração de Modelos Matemáticos mentais e não mentais.</p> Lawrence Mota Galvão Márcia Jussara Hepp Rehfeldt Rogério José Schuck Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-02-13 2021-02-13 5 11 1 24 10.46551/emd.e202104 O Código Da Vinci e o encontro entre Matemática, História e Arte https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3760 <p>O romance <em>O Código Da Vinci</em>, escrito por Dan Brown, teve uma enorme repercussão, tendo vendido milhões de cópias em todo o mundo. Mas, foi com a sua adaptação para o cinema, em 2006, que horizontes se ampliaram, alcançando ainda mais indivíduos. Nosso objetivo é dialogar com a Matemática, a História e a Arte presentes na obra de Dan Brown, em busca da Interdisciplinaridade. Na trama, o professor Robert Langdon encontra-se com a Sequência Fibonacci, a Razão Áurea, e as obras de Arte de Leonardo Da Vinci e vários mistérios que as cercam. Um verdadeiro passeio imerso na História da Arte em diálogo com a Matemática. Para tanto, vamos nos apoiar na obra literária e no filme homônimo dirigido por Ron Howard, além de conhecimentos sobre a Razão Áurea. Acreditamos que a inserção de novas fontes pode contribuir significativamente para o ensino, seja da Matemática, seja da História.</p> Felipe Freitas Paulino Francisco Wilton Moreira dos Santos João Luzeilton de Oliveira Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-03-15 2021-03-15 5 11 1 26 10.46551/emd.e202107 A régua de carpinteiro (escalas) de Leonard Digges (1520-1559) para o estudo de conceitos matemáticos: possível incorporação na Educação Básica https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3358 <p>A utilização de documentos históricos, como recursos didáticos advindos da História da Matemática, possibilita construções de interfaces entre a história e o ensino. Dentre esses documentos, encontra-se o tratado <em>A Booke Named Tectonicon</em>, publicado no ano de 1556, pelo inglês Leonard Digges (1520-1559), que apresenta três instrumentos de medida. A partir disso, este artigo tem o intuito de apresentar conceitos matemáticos incorporados nas escalas graduadas da régua de carpinteiro. Para isso, fez-se necessário realizar uma pesquisa qualitativa de cunho documental, efetuando uma tradução da obra original, visando compreender os conhecimentos matemáticos presentes no tratado. Após observar o lado do instrumento que apresenta as escalas graduadas, nota-se, em sua construção, a mobilização de conceitos matemáticos como unidades de medida e frações. Assim, conclui-se que o processo de construção e graduação da parte da frente da régua de carpinteiro possui itens potencialmente didáticos, voltados, principalmente, para a incorporação de instrumentos matemáticos ao ensino.</p> Sabrina de Sousa Paulino Ana Carolina Costa Pereira Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-04-08 2021-04-08 5 11 1 17 10.46551/emd.e202109 Utilização da aprendizagem baseada em problemas (ABP) para o desenvolvimento do pensamento crítico (PC) em Matemática: uma revisão teórica https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3741 <p>A necessidade de desenvolver um pensamento crítico é uma habilidade necessária a todas a pessoas e a todos os temas. Na Matemática essa necessidade também existe, todavia, esse desenvolvimento cognitivo superior depende de uma abordagem de ensino capaz disso. No caso deste artigo o objetivo foi, por meio de ampla revisão teórica (bibliográfica e documental), determinar se a Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) é capaz de fomentar o desenvolvimento do pensamento matemático crítico. Segundo o estudo, diversos autores têm explorado o uso da ABP para o ensino da Matemática em assuntos específicos. Contudo, como resultado da ABP são percebidos incrementos, em diversas magnitudes, na capacidade cognitiva e crítica observada. Isso, por sua vez, reforça o potencial da ABP como instrumento didático seja para o ensino de Matemática, seja para o desenvolvimento do pensamento crítico dos educandos envolvidos.</p> Adriano Alves de Rezende Angela Ruth Silva-Salse Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-04-12 2021-04-12 5 11 1 21 10.46551/emd.e202111 Escolha pela docência: estudo com egressos de uma Licenciatura em Matemática do interior do Ceará https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3952 <p>O ensino da Matemática passa por transformações significativas quanto à formação docente, mesmo que ainda não suficientes para suprir a carência de professores habilitados para essa função, sendo a atual LDB um marco para mudanças nesse cenário, ao exigir formação a nível superior para a docência. A partir das demandas dessa lei, em 2002 foi implantado o curso de Licenciatura em Matemática da Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central da Universidade Estadual do Ceará (FECLESC/UECE), a fim de reduzir a carência de docentes nessa região do interior do Ceará, tendo o referido curso mais de 15 anos de atuação e formado 91 professores. Nesse contexto, discutindo a docência e elementos relacionados à sua escolha enquanto profissão, esta pesquisa, configurada como um estudo de caso qualitativo, objetivou investigar se os egressos desse curso estão, de fato, atuando como docentes e, mais especialmente, o que os levou a optar ou não pela docência. Por meio da aplicação de um questionário junto a 50 ex-alunos do curso, obtivemos que 29 estão atuando na docência e 7 em cargos de gestão escolar; dentre os que não exercem a profissão, 14 não optaram pela carreira e apenas 1 está desempregado. Para nossos sujeitos, o ingresso na profissão docente foi pautado, principalmente, no gosto pela profissão. A pesquisa contribuiu para sabermos quais aspectos estão relacionados à escolha pela docência, permitindo refletir sobre a inserção no magistério e os desafios da educação.</p> Laydianne da Silva Pinto Francisco Edisom Eugenio de Sousa Carlos Ian Bezerra de Melo Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-05-21 2021-05-21 5 11 1 24 10.46551/emd.e202114 Uma experiência de ensino-aprendizagem de áreas de figuras planas através da Resolução de Problemas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3472 <p>O objetivo deste artigo foi analisar as contribuições da Metodologia de Ensino-Aprendizagem-Avaliação através da Resolução de Problemas ao trabalhar em sala de aula o conteúdo de áreas de figuras. Foram participantes da pesquisa, cuja abordagem foi qualitativa, 20 alunos do Ensino Fundamental de uma escola pública da região norte do Paraná. Os resultados indicam que, mesmo diante das dificuldades, os alunos utilizaram conhecimentos prévios ao resolver o problema, mas que a estratégia tentativa e erro prevaleceu entre os grupos. Também não houve por parte dos alunos questionamentos que pudessem possibilitar a extensão do problema, o que revela que a prática de resolução de problemas em sala de aula deve ser intensificada. De todo modo, a resolução do problema analisado nesta pesquisa proporcionou aos alunos opinarem, debaterem e chegarem a um consenso, tendo o professor como mediador do processo de ensino-aprendizagem.</p> Geferson Luiz Montanholi Pimenta Andresa Maria Justulin Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-08-18 2021-08-18 5 11 1 17 10.46551/emd.e202116 Análise do sistema de conceito geométrico presente no livro didático do 4º ano do Ensino Fundamental https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3727 <p>O objetivo deste texto é analisar sistema de conceito geométrico presente no livro didático Ápis do 4º ano do Ensino Fundamental. Questionamos qual a qualidade do ensino de conceitos geométricos, presente no livro didático, na direção e formação do pensamento matemático do estudante. Para esta análise, utilizamos a abordagem teórico-metodológica da Teoria Histórico-Cultural e da Teoria da Atividade no âmbito do materialismo histórico e dialético. Constatamos que, na organização pedagógica proposta pelo livro didático, o conteúdo trabalhado não se torna objeto de atenção e estudo por parte do estudante, as tarefas assumem uma direção técnica e repetitiva, voltadas para o como fazer e não ao porquê fazer, limitando o desenvolvimento das operações mentais, visto que se distanciam do objeto de estudo e seu processo histórico de produção, via para a unidade entre os sistemas de conceitos geométricos.</p> Merly Palma Ferreira Silvia Pereira Gonzaga de Moraes Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-08-21 2021-08-21 5 11 1 15 10.46551/emd.e202119 Tarefas exploratório-investigativas de ensino-aprendizagem-avaliação para o desenvolvimento do pensamento algébrico https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3880 <p>Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa sobre as manifestações de alunos dos Anos Iniciais em relação à potencialidade das tarefas exploratório-investigativas de ensino-aprendizagem-avaliação para o desenvolvimento do pensamento algébrico. O aporte teórico baseou-se nos debates a respeito da avaliação para a aprendizagem e das tarefas exploratório-investigativas, no campo do pensamento algébrico. As atividades investigativas foram desenvolvidas em uma escola pública de ensino regular, localizada em um bairro periférico da cidade de Belém-PA, em uma turma do 4º ano, composta por 24 estudantes. O percurso investigativo foi de natureza qualitativa, por meio da análise do desenvolvimento de tarefas de ensino-aprendizagem-avaliação, realizadas em sala de aula, por grupos de estudantes. As tarefas mostraram-se propícias para serem trabalhadas nos Anos Iniciais e pertinentes para articular ensino-aprendizagem-avaliação, por meio de <em>feedback</em> direcionado para o desenvolvimento do pensamento algébrico.</p> Juliana Batista Mescouto Isabel Cristina Rodrigues de Lucena Elsa Barbosa Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-08-31 2021-08-31 5 11 1 22 10.46551/emd.e202121 Atividade de Situações Problema Discente com operações de adição e subtração https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/4359 <p>Compreender a importância de resolver problemas na vida cotidiana, é uma ação que necessita ter vínculos a propostas expressivas, com procedimentos metodológicos que surtam efeito no ensino e na aprendizagem. O objetivo do artigo é analisar as contribuições da Atividade de Situações Problema Discente com as operações de adição e subtração dos discentes do 3º ano do Ensino Fundamental do Colégio de Aplicação da UFRR. O trabalho está fundamentado na teoria da atividade na perspectiva dos autores Galperin, Talízina e Majmutov. A realização da pesquisa ocorreu por meio de abordagem qualitativa; a análise dos dados realizou-se considerando o diagnóstico inicial e as avaliações formativa e final, a partir de critérios preestabelecidos. Os resultados mostraram transformações qualitativas na aprendizagem dos discentes em relação a resolução de problemas com adição e subtração.</p> Verônica de Oliveira Magalhães Soraya de Araújo Feitosa Héctor José García Mendoza Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-09-13 2021-09-13 5 11 1 27 10.46551/emd.e202123 Articulación de las tecnologías a través de la carrera Profesorado en Matemática de la Universidad Nacional de Rosario https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3771 <p>En este artículo se analizan los modos de articulación de las tecnologías en las distintas actividades curriculares de una carrera de formación de profesores en Matemática de Argentina. Se consideran como marco de referencia los componentes del conocimiento disciplinar-pedagógico-tecnológico y, mediante un enfoque cualitativo y diseño de estudio de caso, se aplica un cuestionario abierto online a los profesores de la carrera como primera fase de indagación. Entre las categorías de interés se encuentran las actividades con tecnologías, así como sus soportes y fundamentos dados por los docentes, aquellas experiencias especialmente valoradas con la relevancia que le otorgan para la formación de formadores y, finalmente, algunas comparaciones emergentes a partir de la irrupción tecnológica debido a la situación de pandemia. En términos generales, ha sido posible constatar que las experiencias reportadas son muy variadas entre sí, algunas con un potencial a desarrollar y otras con prácticas sustanciosas que resultan distintivas.</p> Virginia Magali Bonservizi Natalia Fátima Sgreccia Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-02-19 2021-02-19 5 11 1 26 10.46551/emd.e202105 Memórias, história e uma aula de Matemática com crianças do Ensino Fundamental https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3677 <p>Neste artigo, estabelecemos alguns diálogos e reflexões em e a partir de uma narrativa sobre movimentos e conhecimentos mobilizados em uma aula de Matemática com uma turma dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. A narrativa foi constituída a partir de alguns resultados de uma pesquisa desenvolvida em uma escola pública de Educação Básica no Município de Campo Grande (MS) durante o período de dois anos. Na narrativa estabelecemos um diálogo com estudos de Mishra e Koehler (2006), que nos ajudaram a discutir sobre o Conhecimento Tecnológico, Pedagógico e do Conteúdo (CTPC), e com estudos de Sanchez (2002, 2003), que nos possibilitaram refletir sobre processos de Integração de Tecnologias Digitais ao Currículo. A partir da narrativa, em que dados da pesquisa são discutidos, foi possível refletir, entre outras problematizações, sobre relações entre o movimento de integração de tecnologias à aula de matemática e o conhecimento do tipo CTPC da professora.</p> Bárbara Drielle Roncoletta Corrêa Suely Scherer Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-03-12 2021-03-12 5 11 1 18 10.46551/emd.e202106 O planejamento de aulas assentes no ensino exploratório de Matemática desenvolvidas no ensino remoto de emergência https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3774 <p>Este estudo discute o planejamento de aulas assentes no Ensino Exploratório de Matemática (EEM) no contexto do ensino remoto emergencial (ERE) para comprovar sua viabilidade e orientar professores no desenvolvimento de aulas nesta perspectiva de ensino. Realizaram-se adaptações e ampliações do quadro de ações intencionais do professor na prática de EEM estruturado por Oliveira, Menezes e Canavarro (2013). Destacam-se, como diferenças entre o planejamento de aulas assentes no EEM no ensino presencial e no ERE: necessidade de plano alternativo para atender alunos que não consigam participar das reuniões síncronas; adequação de horários e quantidade das reuniões síncronas de acordo com a disponibilidade de acesso dos alunos; <em>introdução da tarefa</em> ser realizada com cada grupo separadamente; e o tempo despendido pelo professor na fase de <em>realização da tarefa</em> ser multiplicado pela quantidade de grupos. Conclui-se que é possível planejar e desenvolver aulas assentes no EEM no ERE utilizando os quadros reelaborados.</p> Vania Sara Doneda de Oliveira Maria Ivete Basniak Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-03-16 2021-03-16 5 11 1 26 10.46551/emd.e202108 Uso de objetos de aprendizagem no ensino da Lei dos Senos e da Lei dos Cossenos https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3717 <p>Atualmente, o ensino de Matemática se apresenta em diversos contextos. A Trigonometria, por exemplo, pode ser lecionada de forma interdisciplinar e dinâmica. Neste sentido, é proposto investigar o ensino de Trigonometria, dando ênfase a Lei dos Senos e a Lei dos Cossenos, utilizando, para isso, objetos de aprendizagem. Nessa investigação, é realizada uma Sequência de Ensino Investigativa, auxiliada por um simulador da Plataforma PhET de modo a integrar os conteúdos de Trigonometria com os de Vetores. Os resultados da Atividade Avaliativa e do Questionário de Autoavaliação apontam que houve interação entre os estudantes durante a aula, bem como a apropriação de conceitos, ocorrendo assim os processos de ensino e de aprendizagem, de maneira a mostrar que existe relação entre a Trigonometria e Vetores. Assim, pode-se concluir que, a Plataforma PhET é uma alternativa didático-metodológica para se ensinar Trigonometria, a partir do estudo de Vetores.</p> <p> </p> Patricia de Souza Moura Otávio Paulino Lavor Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-04-10 2021-04-10 5 11 1 15 10.46551/emd.e202110 Aproximación a la distribución de Poisson incorporando el uso de tecnología desde el Enfoque Ontosemiótico https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3764 <p>En este artículo se presentan los resultados de la implementación de un diseño de enseñanza de la distribución de Poisson con apoyo del software Fathom. El experimento se desarrolló en tres etapas y consideró la participación de 20 estudiantes de Ingeniería que cursaban la asignatura de Métodos Estadísticos de una universidad chilena. Para analizar las producciones de los participantes se utilizó el análisis de contenido y algunos elementos teóricos del enfoque ontosemiótico. Los participantes se mostraron motivados al emplear la herramienta tecnológica, pues facilitó la comprensión de las principales características de la distribución de Poisson como sugieren los resultados obtenidos en el cuestionario final.</p> Gabriela Cisternas Jocelyn Díaz-Pallauta Danilo Díaz-Levicoy Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-05-11 2021-05-11 5 11 1 25 10.46551/emd.e202112 Emergência da identidade profissional de professores que ensinam Matemática em conversas numa comunidade virtual de prática https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3776 <p>Este artigo investiga temáticas emergentes sobre a identidade profissional (IP) de professores que ensinam Matemática, a partir de sua participação em uma comunidade virtual de prática (CVP) sediada em um grupo de WhatsApp. Para a produção dos dados foram utilizadas conversas sobre sua formação e a atuação, além dos impactos de sua participação no grupo. Os dados foram analisados tendo a análise de conteúdo como inspiração. Observou-se que três características da IP emergiram nas conversas: a vulnerabilidade, o sentido de agência e o compromisso político. A vulnerabilidade e o sentido de agência se mostraram responsáveis por levar os professores a uma busca por aprendizado permanente sobre a docência. O compromisso político emergiu das narrativas envolvendo sua atuação, já que a busca pela sua melhoria é também entendida como compromisso político com a comunidade. A participação na CVP se mostrou catalisadora da constituição da IP destes professores em uma perspectiva coletiva.</p> Daniela Mendes Viera da Silva Agnaldo da Conceição Esquincalha Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-08-18 2021-08-18 5 11 1 23 10.46551/emd.e202115 Pesquisa em tecnologias digitais e recursos didáticos manipuláveis em Educação Matemática Inclusiva nos Anais do I ENEMI https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3770 <p>O escopo deste artigo é identificar e analisar a utilização de tecnologias digitais e recursos didáticos manipuláveis em comunicações científicas, nos Anais do I Encontro Nacional de Educação Matemática Inclusiva (ENEMI) de 2019. É um estudo de abordagem descritiva em relação aos objetivos e qualitativa quanto à análise dos dados. A pesquisa bibliográfica norteia a produção, e a Análise de Conteúdo a análise dos dados que constituem o corpus da pesquisa. O universo da investigação abrange 20 artigos, após filtragem pelos critérios de inclusão e exclusão. Os resultados apontam que professores utilizaram tecnologias digitais e recursos didáticos manipuláveis na prática pedagógica inclusiva, adaptando-os ou criando-os segundo suas próprias crenças, concepções e experiências, interpretando as intenções ao desenvolver conteúdo matemático para todos os estudantes. As categorias geradas identificam o protagonismo da educação matemática para estudantes com déficit cognitivo, deficiência visual, surdos, autistas e transtorno de déficit de atenção e hiperatividade.</p> Reinaldo Feio Lima Clélia Maria Ignatius Nogueira Clodis Boscarioli Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-08-19 2021-08-19 5 11 1 23 10.46551/emd.e202117 Grandezas e Medidas no contexto da inclusão: a Educação Matemática na formação do professor https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3778 <p>Analisamos a aplicação de uma oficina pedagógica em um curso de Licenciatura em Pedagogia de uma universidade pública. A oficina propiciou, durante a formação inicial, discussão acerca da Educação Matemática e a experimentação de situações de inclusão de estudantes com deficiência física, visual e altas habilidades/superdotação. Foram utilizadas como ações pedagógicas o trabalho em grupo, atividades lúdicas e avaliação da oficina. Os resultados apontaram a importância do trabalho sobre o conhecimento matemático na formação inicial dos professores e as possibilidades da Educação Matemática Inclusiva na perspectiva dos Direitos Humanos. Por isso, a necessidade de se desenvolver e praticar estratégias e metodologias inovadoras que possibilitem a inclusão dos estudantes com deficiência em aulas de Matemática.</p> Ellen Michelle Barbosa de Moura Joeanne Neves Fraz Karla Vanessa Gomes dos Santos Geraldo Eustáquio Moreira Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-05-13 2021-05-13 5 11 1 25 10.46551/emd.e202113 Transepistemologías inclusivas en la Educación Matemática Decolonial Transcompleja https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/3632 <p>La inclusión es esgrimida como bandera colonial en la modernidad, está profundamente excluyente. Con la deconstrucción rizomática como transmétodo se cumple con el objetivo complejo de: analizar transepistemologías inclusivas en la Educación Matemática Decolonial Transcompleja. En la reconstrucción se prenden inclusiones en las transepistemologías ecosóficas-antropoéticas ricas en la esencia compleja y transdisciplinar de la Matemática, que conlleva a diálogos dialógicos-dialécticos para provocar la conciencia de nuestro accionar en el mundo, las necesidades de identidad tanto individual como planetaria, las necesidades educativas especiales; conviviendo desde el amor por nuestra creación con conocimiento matemáticos pertinentes. Estas transepistemologías anidan una educación inclusiva ecosófica de la Matemática; que atiende una responsabilidad social imprimida de la necesidad de liberación de los olvidados. Estas transepistemologías se van reconstruyendo en el calor decolonial, el entusiasmo por aprender, con una profunda fe en el educando; su potencial y sensibilidad que necesitan ser provocada.</p> Milagros Elena Rodríguez Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-08-20 2021-08-20 5 11 1 26 10.46551/emd.e202118 Pessoas surdas na aula de Matemática... E agora? (Análise de uma práxis com materiais didáticos) https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/4141 <p>Considerando a inclusão como um paradigma necessário à democratização de espaços, este artigo objetiva apresentar a constituição de uma Sequência de Tarefas relacionada à aprendizagem de números reais, por meio de materiais didáticos, desenvolvida no 1º ano do Ensino Médio de uma escola da comunidade surda. A partir de um estudo de caso, dados do perfil discente, da observação participante e de uma Sequência de Tarefas foram analisados pela ótica qualitativa e semio-cognitiva. Entre os resultados, constata-se que o tangram propiciou maior mobilização de representações fracionárias e apreensões figurais. A calculadora, régua e compasso permitiram explorar representações decimais e construções geométricas, estabelecendo pontos sob a reta numérica. O livro didático desencadeou a necessidade de tradução para a Libras na abordagem das representações em português e linguagem matemática. Conclui-se que tais materiais didáticos contribuíram para a coordenação de representações, tomando como ponto de partida o figural e favorecendo a apreensão conceitual.</p> Lucas José de Souza Rita de Cássia Pistóia Mariani Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-08-25 2021-08-25 5 11 1 25 10.46551/emd.e202120 Geometria e Desenho Universal para Aprendizagem: uma revisão bibliográfica na Educação Matemática Inclusiva https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/4134 <p>Este artigo analisa indícios do Desenho Universal para Aprendizagem na perspectiva da Educação Inclusiva relacionado ao ensino dos conceitos de Geometria. Trata-se de pesquisa qualitativa, do tipo revisão bibliográfica, a partir de busca nas bases SciELO, Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações e Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES. Foram selecionadas cinco pesquisas, cujos resultados mostram que para a inclusão não existe um método ou uma prática que atenda aos estudantes com deficiências, mas adaptações para que alcancem aprendizagem. A investigação aponta para a necessidade de maior adesão do DUA para o processo educativo de maneira geral, destacando suas contribuições nas atividades e planejamento no ensino da Matemática para todos os estudantes.</p> José Ricardo Dolenga Coelho Anderson Roges Teixeira Góes Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-09-06 2021-09-06 5 11 1 26 10.46551/emd.e202122 Un proyecto de intervención para el desarrollo del talento en Matemáticas para niñas con edades entre 12 y 16 años https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/4147 <p>La escasa presencia de las mujeres en Olimpiadas de Matemáticas parece ser una constante en México, Latinoamérica e incluso en occidente. Esta situación se ha obviado, y hasta cierto modo naturalizado, por las instituciones y personas implicadas. Analizamos como esto se vive en el estado de Tamaulipas en México, enmarcada por las políticas públicas y la influencia de la Olimpiada propuesta por la Sociedad Matemática Mexicana. Describiremos las acciones que hemos llevado a cabo para fomentar la participación de más niñas, pero también para apoyar el desarrollo del potencial, motivación e intereses de quienes ya participan en ellas. Por medio de un análisis descriptivo de su trayectoria en el concurso encontramos que pesar de tener un alto desempeño, es muy poco probable que elijan una carrera relacionada con Matemáticas. Factores como el profesorado y la familia tienen una influencia importante, pero también la dinámica de este tipo de eventos.</p> Maria Guadalupe Simón Ramos Moisés Ricardo Miguel Aguilar Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/deed.pt_BR 2021-09-15 2021-09-15 5 11 1 26 10.46551/emd.e202124