Modelagem Matemática: uma proposta de ensino para alunos deficientes visuais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/emd.e202104

Palavras-chave:

Modelagem Matemática, Ensino, Deficiência Visual

Resumo

Apresentamos os resultados de uma proposta pedagógica embasada na Modelagem Matemática como estratégia de ensino, na inclusão de um aluno com deficiência visual, no contexto da Educação Tecnológica, bem como abordamos suas contribuições para os processos de ensino e de aprendizagem. A pesquisa, de natureza qualitativa, é do tipo estudo de caso. Os resultados analisados apontam que a Modelagem Matemática utilizada como estratégia de ensino da Matemática: a) oferece maior autonomia e inclusão dos alunos deficientes visuais; b) possibilita o reexame de conhecimentos matemáticos e sua aplicação em situações-problema, partindo de situações do cotidiano; c) permite a geração de Modelos Matemáticos mentais e não mentais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Lourdes Werle; SILVA, Karina Patrícia; VENTUAN, Rodolfo Eduardo. Modelagem Matemática na educação básica. São Paulo: Contexto, 2013.

ARZARELLO, Ferdinando; PEZZI, Giovanni; ROBUTT, Ornella. Modelling body motion: an approach to functions using measure instruments. In: BLUM, Werner; GALBRAITH, Peter L.; HENN, Hans-Wolfgang. Modelling and applications in Mathematics Education. Springer: New York, 2007, p. 129-136.

BARBOSA, Jonei Cerqueira; CALDEIRA, Ademir Donizeti; ARAÚJO, Jussara de Loila. (Org.). Modelagem Matemática na Educação Matemática brasileira: pesquisas e práticas educacionais. Recife: SBEM, 2007.

BARBOSA, Jonei Cerqueira. Modelagem na Educação Matemática: contribuições para o debate teórico. In: 24ª REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 2001, Caxambu. Anais da 24ª ANPED. Santos: ANPED, 2001, p. 1-15.

BASSANEZI, Rodney Carlos. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

BIEMBENGUT, Maria Salett. 30 Anos de Modelagem Matemática na Educação Brasileira: das propostas primeiras às propostas atuais. Alexandria, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 7-32, jul. 2009.

BIEMBENGUT, Maria Salett.; HEIN, Nelson. Modelagem Matemática no ensino. São Paulo: Contexto, 2019.

BURAK, Dionísio. Modelagem Matemática e a sala de aula. In: I ENCONTRO PARANAENSE DE MODELAGEM EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2004, Londrina. Anais do I EPREM. Londrina: UEL, 2004, p. 1-10.

BUENO, Simone; ALENCAR, Edvonete Souza de; MILLONES. Teresa Sofia Oviedo. Reflexões e desafios da resolução de problemas nas aulas de Matemática: um ensaio teórico. Educação Matemática Debate, Montes Claro, v. 1, n. 1, p. 9-27, jan./abr. 2017.

BURAK, Dionísio; ARAGÃO, Rosália Maria Ribeiro. A modelagem matemática e relações com a aprendizagem significativa. Curitiba: CRV, 2012.

BURAK, Dionísio; KLÜBER, Tiago Emanuel. Educação Matemática: contribuições para a compreensão da sua natureza. Acta Scientiae, Canoas, v. 10, n. 2, p. 93-106, jul./dez. 2013.

CONCEIÇÃO, Eliseu de Jesus da.; MOREIRA, Francis Miller Barbosa. A Modelagem Matemática no ensino da Matemática: uma aplicação no cultivo da alface. In: ENCONTRO MINEIRO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 7, 2015, Juiz de Fora. Anais do VII EMEM: Práticas educativas e de pesquisa em Educação Matemática. Juiz de Fora: UFJF/SBEM-MG, 2015, p. 1-11.

FERNANDES, Sueli de Fátima. Fundamentos para educação especial. Curitiba: InterSaberes, 2013.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GLAT, Rosana; FERNANDES, Edicléia Mascarenhas. Da Educação Segregada à Educação Inclusiva: uma breve reflexão sobre os paradigmas educacionais no contexto da Educação Especial brasileira. Revista Inclusão, Brasília, v. 1, n. 1, p. 35-39, out. 2005.

GÖRGEN, Maria Cristina; ZIEGLER, Janaina de Ramos. In: MUNHOZ, Angélica Vier; GIONGO, Ieda Maria. (Org.). Observatório da Educação I: tendências no ensino de Matemática. Porto Alegre: Evangraf, 2014, p. 208-217.

JANNUZZI, Gilberta Sampaio de Martino. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas. Autores Associados, 2004.

JOHSON-LAIRD, Philip. Mental models. Cambridge: Harvard University Press, 2013.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Mariana de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 4. ed. São Paulo. Atlas, 2001.

MALHEIROS, Ana Paula. Produção matemática dos alunos em um ambiente de modelagem. 2005. 180f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) — Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

MANTOAN, Maria Teresa Engler. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer?. 7. ed. São Paulo:. Summus Editorial, 2015.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. 2. ed. rev. Ijuí: Unijuí, 2013.

MOREIRA, Marcos Antonio. Modelos científicos, modelos mentais, modelagem computacional e modelagem matemática: aspectos epistemológicos e implicações para o ensino. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Curitiba, v. 7, n. 2, p. 1- 20, maio/ago. 2014.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 3. ed. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SILVA, Otto Marques. A epopeia ignorada: a pessoa deficiente na história do mundo de ontem e de hoje. São Paulo: Cedas, 1987.

SILVA, Vantielen da Silva.; KLÜBER, Tiago Emanuel. Modelagem Matemática nos Anos Iniciais do Ensino Fun¬damental: uma investigação imperativa. Reveduc, São Carlos, v. 6, n. 2, p. 228-249, nov. 2012.

TORTOLA, Emerson. Os usos da linguagem em atividades de Modelagem Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental. 2012. 168f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) — Centro de Ciências Exatas. Universidade Estadual de Londrina. Londrina.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, 1995.

VERONEZ, Michele Regiane Dias. Modelagem Matemática como alternativa pedagógica na educação básica. ENCONTRO PARANAENSE DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 10, 2009, Guarapuava. Anais do X EPREM. Guarapuava: SBEM-PR, 2009.

ZILIOTTO, Gisele Sotta. Educação especial na perspectiva inclusiva: fundamentos psicológicos e biológicos. Curitiba: Inetrsaberes, 2015.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-02-13