ESTUDO LONGITUDINAL DE INDIVÍDUOS COM DOENÇA DE CHAGAS DE REGIÃO ENDÊMICA BRASILEIRA: A COORTE SAMITROP

Autores

  • Andréia Brito de Souza Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Amanda Mota Lacerda Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Ariela Mota Ferreira Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Renata Fiúza Damasceno Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Éster Cerdeira Sabino Universidade de São Paulo - USP
  • Antônio Luiz Pinho Ribeiro Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Thallyta Maria Vieira Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Desirée Sant'Ana Haikal Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Amanda Karoline Pinheiro Silva Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

DOI:

https://doi.org/10.46551/ruc.v23n2a01

Palavras-chave:

Doença de Chagas; Doenças Negligenciadas; Cardiomiopatia Chagásica

Resumo

A coorte SaMi-Trop - Centro de Pesquisa em Medicina Tropical de São PauloMinas Gerais, um estudo multicêntrico de pacientes com Doença de Chagas – DC, idealizado por cientistas de quatro universidades públicas brasileiras, tem sido conduzida desde 2013 em regiões endêmicas do estado de Minas Gerais - MG. Objetivo: apresentar e descrever como está sendo conduzida a coorte SaMi-Trop e seus principais resultados, com um retorno local voltado aos gestores municipais. Métodos: os participantes foram recrutados através da base de dados da Rede de Teleassistência de Minas Gerais - RTMG. Até o momento, duas coletas foram realizadas, uma linha de base que ocorreu nos anos de 2013 e 2014 e um primeiro seguimento nos anos de 2015 a 2016. Resultados: participaram 2157 indivíduos na linha debase. Desses, 146 faleceram e 1709 se mantiveram no primeiro seguimento, após dois anos. A maioria dos participantes era do sexo feminino, apresentava idade até 60 anos, união estável e se autodeclararam não branco. Conclusão: a coorte tem contribuído com o avanço no conhecimento científico da DC. Seus resultados, também, devem subsidiar políticas públicas e estratégias para melhorar os serviços de saúde ofertados, de forma direcionada, às reais necessidades dos portadores de DC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréia Brito de Souza, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Mestre em Ciências da Saúde Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes, Claros MGBrasil. 

Amanda Mota Lacerda, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Mestre em Ciências da Saúde Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes, Claros MGBrasil.

Ariela Mota Ferreira, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Mestre em Ciências da Saúde Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Doutoranda em
Ciências da Saúde Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros, MG- Brasil.

Renata Fiúza Damasceno, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Mestre em Ciências da Saúde Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Doutoranda em
Ciências da Saúde Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros, MG- Brasil.

Éster Cerdeira Sabino, Universidade de São Paulo - USP

Doutora em Imunologia. Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP-Brasil. Instituto da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP- Brasil.

Antônio Luiz Pinho Ribeiro, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG

Doutor em Infectologia e Medicina Tropical. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Brasil.
Departamento de Clínica Médica. Belo Horizonte, MG- Brasil.
.

Thallyta Maria Vieira, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG

Doutora em Parasitologia. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Belo Horizonte, MG- Basil.
Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros, MG- Brasil. 

Desirée Sant'Ana Haikal , Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG

Doutora em Odontologia em Saúde Coletiva. Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG -Brasil. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros, MG- Brasil.

Amanda Karoline Pinheiro Silva, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Graduada em Enfermagem. Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros, MGBrasil.

Referências

DIAS, João Carlos Pinto et al. II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 25, n. esp, p. 7-86, jun. 2016.

LIMA, Ronildo de Souza; TEIXEIRA, Andrea Bessa; LIMA, Vera Lucia da Silva. Doença de Chagas: uma atualização bibliográfica. RBAC, v. 51, n. 2, p. 103-06, 2019.

ANGHEBEN, Andrea et al. Rapid immunochromatographic tests for the diagnosis of chronic Chagas disease in at-risk populations: A systematic review and meta-analysis. PLoS neglected tropical diseases, v. 13, n. 5, p. e0007271, 2019.

NUNES, Maria Carmo Pereira et al. Chagas Cardiomyopathy: An Update of Current Clinical knowledge and Management: A Scientific Statement From the American Heart Association. Circulation, v. 138, n. 12, p. e169-e209, 2018.

PEREIRA, Cláudia Marta Luiz et al. Perfil clínico e epidemiológico da doença de chagas aguda no estado de Minas Gerais. Revista de Atenção à Saúde, v. 15, n. 52, p. 49-54, 2017.

LIMA, Neiberg de Alcantara et al. Preditores de mortalidade em pacientes com cardiopatia isquêmica e cardiopatia chagásica crônica com cardiodesfibrilador implantável. Journal Of CardiacArrhythmias, v. 29, n. 3, p. 95-100, 2016.

RASSI JR, Anis; MARIN, José Antonio; RASSI, Anis. Chronic Chagas cardiomyopathy: a review of the main pathogenic mechanisms and the efficacy of aetiological treatment following the BENznidazole Evaluation for Interrupting Trypanosomiasis (BENEFIT) trial. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 112, n. 3, p. 224-235, 2017.

FERREIRA, Ariela Mota et al. Avaliação do Conhecimento Acerca do Manejo Clínico de Portadores da Doença de Chagas em Região Endêmica no Brasil. Revista de APS, v. 21, n. 3, 2018.

MELO, Tatiana G et al. Trypanosoma cruzi down-regulates mechanosensitive proteins in cardiomyocytes. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 114, 2019.

SIMÕES, Marcus Vinicius et al. Cardiomiopatia da doença de Chagas. International Journal of Cardiovascular Sciences, v. 31, n. 2, p. 173-189, 2018.

CARDOSO, Clareci Silva et al. Longitudinal study of patients with chronic Chagas cardiomyopathy in Brazil (SaMi-Trop project): a cohort profile. BMJ open, v. 6, n. 5, 2016.

OLIVEIRA, Claudia Di LORENZO et al. Risk Score for Predicting 2‐Year Mortality in Patients With Chagas Cardiomyopathy From Endemic Areas: SaMi‐Trop Cohort Study. Journal of the American Heart Association, v. 9, n. 6, p. e014176, 2020.

CARDOSO, Clareci Silva et al. Longitudinal study of patients with chronic Chagas cardiomyopathy in Brazil (SaMi-Trop project): a cohort profile. BMJ open, v. 6, n. 5, 2016.

ALKMIM, Maria Beatriz et al. Improving patient access to specialized health care: the Telehealth Network of Minas Gerais, Brazil. Bulletin of the World Health Organization, v. 90, p. 373-378, 2012.

MARTINS-MELO, Francisco Rogerlândio et al. Prevalence of Chagas disease in Brazil: A systematic review and meta-analysis. Acta Tropica, v. 130, p. 167-174, 2014.

DA NÓBREGA, Aglaêr Alves; de ARAUJO, Wildo Navegantes; VASCONCELOS, Ana Maria Nogales. Mortality Due to Chagas disease in Brazil according to a specific cause. The American journal of tropical medicine and hygiene, v. 91, n. 3, p. 528-533, 2014.

MALTA, Deborah Carvalho et al. Social inequalities in the prevalence of selfreported chronic non-communicable diseases in Brazil: national health survey 2013. International Journal for Equity in Health, v. 15, n. 1, p. 153, 2016.

LIMA-COSTA, Maria Fernanda; VERAS, Renato. Saúde pública e envelhecimento. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, n. 3, p. 700-701, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) Censo Demográfico 2010: demográficas e socioeconômicas.

PÉREZ-MOLINA, José A.; MOLINA, Israel. Chagas disease. The Lancet, v. 391, n. 10115, p. 82-94, 2018.

PEREIRA, José Borges; WILLCOX, Henry Percy; COURA, José Rodrigues. Morbidade da doença de Chagas: III. Estudo longitudinal, de seis anos, em Virgem da Lapa, MG, Brasil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 80, n. 1, p. 63-71, 1985.

MARTINEZ, Felipe et al. Chagas disease and heart failure: an expanding issue worldwide. European Cardiology Review, v. 14, n. 2, p. 82, 2019.

FERREIRA, Ariela Mota et al. Impact of the social context on the prognosis of Chagas disease patients: Multilevel analysis of a Brazilian cohort. PLoS neglected tropical diseases, v. 14, n. 6, p. e0008399, 2020.

RIBEIRO, Antonio Luiz P. et al. Electrocardiographic abnormalities in elderly Chagas disease patients: 10‐year follow‐up of the Bambui Cohort Study of Aging. Journal of the American Heart Association, v. 3, n. 1, p. e000632, 2014.

MOND, Harry G.; PROCLEMER, Alessandro. The 11th world survey of cardiac pacing and implantable cardioverter‐defibrillators: calendar year 2009–a World Society of Arrhythmia's project. Pacing and clinical electrophysiology, v. 34, n. 8, p. 1013-1027, 2011.

FRANÇA, Susete Barbosa; de ABREU, Daisy Maria Xavier. Morbidade hospitalar por doença de Chagas no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 29, n. 2, p. 109-115, 1996.

SCHEFFER, Mario; BIANCARELLI, Aureliano; CASSENOTE, Alex. Demografia médica no Brasil 2015. Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina da USP, São Paulo p. 284, 2018.

CAVALCANTI, Marília Abrantes Fernandes et al. Manifestações e estratégias de enfrentamento da Doença de Chagas que interferem na qualidade de vida do indivíduo: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, p. 1405-1416, 2019.

IDLER, E.L.; BENYAMINI, Y. Self-rated health and mortality: a review of twentyseven community studies. Journal of health and social behavior, v.38, n. 1, p. 21-37, 1997.

CAMM, A John et al. 2012 focused update of the ESC Guidelines for the management of atrial fibrillation: an update of the 2010 ESC Guidelines for the management of atrial fibrillation. Developed with the special contribution of the European Heart Rhythm Association. Eur Heart J, v. 33, n. 21, p. 2719-2747, 2012.

CUCUNUBÁ, Zulma M. et al. Increased mortality attributed to Chagas disease: a systematic review and meta-analysis. Parasites & vectors, v. 9, n. 1, p. 42, 2016.

FERREIRA, Ariela Mota et al. Benznidazole Use among Patients with Chronic Chagas' Cardiomyopathy in an Endemic Region of Brazil. Plos one, v. 11, n. 11, p. e0165950, 2016.

CHACKO, K. A. AHA Medical/Scientific Statement: 1994 revisions to classification of functional capacity and objective assessment of patients with diseases of the heart. Circulation, v. 92, n. 7, p. 2003-2005, 1995.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. [Consenso Brasileiro de Doença de Chagas]. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2005; 38 Suplemento 3: 7-29.

NUNES, Maria Carmo Pereira; FERRARI, Teresa Cristina Abreu. Mitral-Aortic Intervalvular Fibrosa: A Hidden Region Associated With Infective Endocarditis Complications. JACC Journals, v.2, n.8, p. 1217–1219, 2020.

TEAGUE, Samantha et al. Retention strategies in longitudinal cohort studies: a systematic review and meta-analysis. BMC medical research methodology, v. 18, n. 1, p. 151, 2018

Downloads

Publicado

2021-07-27

Como Citar

SOUZA, A. B. de; LACERDA, A. M.; FERREIRA, A. M.; DAMASCENO, R. F.; SABINO, Éster C.; RIBEIRO, A. L. P.; VIEIRA, T. M.; HAIKAL , D. S. .; SILVA, A. K. P. ESTUDO LONGITUDINAL DE INDIVÍDUOS COM DOENÇA DE CHAGAS DE REGIÃO ENDÊMICA BRASILEIRA: A COORTE SAMITROP. Revista Unimontes Científica, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 01–22, 2021. DOI: 10.46551/ruc.v23n2a01. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/4426. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos Originais - Dossiê Doenças Infecciosas e Parasitárias

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)