NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA, COMPORTAMENTO SEDENTÁRIO E QUALIDADE DE VIDA EM ESCOLAS DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DE JOAÍMA, MINAS GERAIS

Autores

  • Thays Gonçalves Santos Universidade Estadual de Montes Claros
  • Ronilson Ferreira Freitas Universidade estadual De Montes Claros - UNIMONTES
  • Adriana Bispo Rodrigues Universidade estadual De Montes Claros - UNIMONTES

Resumo

A atividade física sempre esteve presente na história da humanidade, sendo que a recomendação atual para prática de atividades físicas na infância e adolescência é de que todo jovem deveria envolver-se diariamente por 60 minutos ou mais em atividades físicas moderadas em cinco ou mais dias da semana, somando-se pelo menos 300 minutos de atividades físicas por semana, visto que isso diminui o risco para doenças e melhora a qualidade de vida dessa população. Entretanto, poucos estudos sobre o nível de atividade física foram encontrados com amostras de crianças e adolescentes brasileiros. Neste contexto, este estudo objetivou avaliar o nível de atividade física, o comportamento sedentário e a qualidade de vida de escolares da rede pública e privada de Joaíma, Minas Gerais. Trata-se de um estudo do tipo analítico, transversal e quantitativo, realizado na cidade de Joaíma/MG, Brasil, no período de outubro a dezembro de 2021. Os dados foram coletados a partir de um questionário que abordava aspectos sociodemográficos (idade e gênero), para avaliar os níveis de atividade física e comportamento sedentário foi utilizado o International Physical Activity Questionnaire (IPAQ) e a qualidade de vida foi avaliada por meio do Whoquol-bref. Observou-se que 55% das crianças são suficientemente ativas, 68,4% das crianças permanecem por um período igual ou superior a 2012 minutos sentados ao longo de uma semana e média da qualidade de vida geral foi alta. E as maiores médias dos domínios foram para o físico e relações sociais. Através desse estudo foi apurado que investimentos devem ser realizados na saúde pública, já que a prática de exercícios físicos é um hábito que deve ser inserido ao cotidiano do ser humano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, C.; LIMA, R. V. B. Impacto da atividade física e esportes sobre o crescimento e puberdade de crianças e adolescentes. Revista Paulista de Pediatria. São Paulo, v.26, n.4, p. 383- 391.

ALVES, João Guilherme Bezerra. Prática de esportes durante a adolescência e atividade física de lazer na vida adulta. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Niterói, v.11, n.5, p.291- 294, set/out.2005.

DREHER, D. Z.; GODOY, L. P. A qualidade de vida e a prática de atividades físicas em Academias. Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Ouro Preto, out. 2003. Disponível em: http://www.abrepo.org.br. Acesso em: 30 out. 2021.

FLECK, M. P. A. A avaliação da qualidade de vida: guia para profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed, 2008.

GONÇALVES, Aguinaldo. Conhecendo e Discutindo Saúde Coletiva e Atividade Física. Rio de Janeiro: Guanabara, 2004.

LUCIANO, A. P.; BERTOLO, C. J.; ADAMI, F.; ABREU, L. C. Nível de atividade física em adolescentes saudáveis. Rev Bras Med Esporte. v. 22, n. 3, 2016.

MATSUDO, S. M.; ARAÚJO, T. L.; MATSUDO, V. K. R.; ANDRADE, D. R.; ANDRADE, E. L.; OLIVEIRA, L. C. et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Saúde. v. 10, p. 5-18, 2001.

OLIVEIRA, R. J. Respostas hormonais agudas a diferentes intensidades de exercícios resistidos em mulheres. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v.14, n.4, p.367-371.

PALMA, Al. Exercício Físico e saúde, Sedentarismo e Doença: Epidemia, Causalidade e Moralidade. Revista de Educação Física, UNESP, v.15, n.1, p.185-191.

_________, A. Atividade física, processo saúde-doença e condições sócio-econômicas: uma revisão da literatura. Revista Paulista de Educação Física. São Paulo. V.14, n.1, p. 97-106. Jan/Jun, 2000.

PITANGA, F. J. G.; INES L. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo no lazer em adultos. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.21, n.3, p.870-877.

ROCHA, B. M. C.; GOLDBAUM, M.; CÉSAR, C. L. G.; STOPA, S. R. Comportamento sedentário na cidade de São Paulo: ISA-Capital 2015. Rev Bras Epidemiol. v. 22, E190050, 2019.

RONQUE, E. R. V. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares de alto nível socioeconômico em Londrina, Paraná, Brasil. Revista de Nutrição, Campinas, v.18, n.6, p. 709- 717.

TASSITANO, R. m. et al. Atividade física em adolescentes brasileiros: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. V.9. n.1. p.55-60. 2007.

Publicado

2022-07-29 — Atualizado em 2022-07-29

Versões

Como Citar

GONÇALVES SANTOS, T.; FERREIRA FREITAS, R.; BISPO RODRIGUES, A. . NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA, COMPORTAMENTO SEDENTÁRIO E QUALIDADE DE VIDA EM ESCOLAS DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DE JOAÍMA, MINAS GERAIS. RENEF, [S. l.], v. 5, n. 6, p. 131–142, 2022. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/renef/article/view/5499. Acesso em: 12 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)