Entre a sociedade, o estado e o capital no campo da Educação a Distância

Autores

DOI:

10.46551/ees.v19n21art03

Palavras-chave:

Educação a Distância, Lógicas Institucionais, Hibridismo

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar como as lógicas institucionais proporcionaram a mudança na configuração do campo da educação para institucionalizar a educação superior a distância no Brasil. Foi realizada uma pesquisa histórica, seguida da Análise Axiológica dos normativos, contendo a codificação e Análise de Conteúdo. Como achados, relata-se que a modalidade foi inserida no Brasil sob a lógica da educação como valor social. Contudo, a lógica da educação como mercado despertou interesse dos empresários na modalidade e tornou-se híbrida. Posteriormente, essas lógicas foram combinadas com a educação como direito de todos acompanhado pelo Estado, fortalecendo a formação do mercado da EaD.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Eduardo Slongo Garcia, Universidade Federal do Paraná

Doutor em Administração pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Mestre em contabilidade pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Especialista em Gestão de Negócios pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Bacharel em Administração pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR). Professor e pesquisador da área de Gestão na Uniandrade e no MBA em Gestão de Talentos e Comportamento Humano (UFPR), professor associado ao PECEGE USP. experiência nas áreas de Administração e contabilidade.

Mayla Cristina Costa Maroni Saraiva, Universidade de Brasília

Economista pela Universidade Federal de Viçosa (2002), Mestre em Contabilidade e Controladoria pela Universidade de São Paulo (2004) e Doutora em Administração pela Universidade Positivo (2012), doutorado sanduíche na Universidade de Alberta, Canadá. É professora do Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais e do Programa de Pós-graduação em Administração (PPGA) da Universidade de Brasília. Coordenadora do Curso de Especialização Lato Sensu Orçamento, Governança e Gestão de Riscos no Setor Público. Foi coordenadora do MBA em Auditoria Integral da UFPR (2010-2015) e coordenadora do Curso de Especialização em Gestão Contábil e Tributária da UFPR (2015-2016). Experiência em consultoria em organizações públicas e privadas. Atualmente atua na Divisão de Compliance e Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Avaliadora de artigos científicos em eventos e periódicos da área de Contabilidade e Administração. 

Jane Mendes Ferreira, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Ciências Contábeis (PUCPR), especialização em contabilidade e finanças (UFPR), mestrado (PUCPR) e doutorado em Administração(UP). Atualmente cursa pós-doutorado em Educação (PUCPR), é docente da Universidade Federal do Paraná (UFPR) atuando nos cursos de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu nas disciplinas de Pensamento Administrativo, Pesquisa em Administração e Tópicos Especiais em Administração Pública (Graduação em Adm. Presencial), Estudo e Pesquisa em Administração (Adm. Pública -EaD); Negociação e Gestão de Conflitos (Dere-Pecca). Além disso, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Organizações, Liderança e Decisão (PPGOLD) da UFPR e faz parte do Conselho Editorial da Editora da UFPR. 

Johnny Ribas da Motta, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorando pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM - 2021). Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Goiás (UFG - 2020). Graduando em Gestão de Recursos Humanos (UMESP - 2024). Especialista em Gestão da Comunicação Pública e Empresarial (UTP - 2017) e bacharel em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Tuiuti do Paraná (UTP - 2015). Atuou como Professor da disciplina de Comunicação Empresarial Geral na Faculdade de Tecnologia de Sorocaba (FATEC SO - 2021) e de Marketing Digital na Seduc Intec (2021). Atuou como Professor Pesquisador Conteudista na Coordenação de Tecnologias Educacionais do Instituto Federal do Paraná (IFPR - 2017). 

Referências

ALONSO, Katia Morosov; SILVA, Danilo Garcia da. L’Enseignement à Distance et la formation en ligne: le scénario des recherches, méthodologies et tendances. Educação & Sociedade, v. 39, n. 143, p. 499-514, 2018.

ALVES, Lucineia. Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, v. 10, n. 1, p. 83-92, 2011.

ARRUDA, Eucidio Pimenta. Educação, educação a distância e tecnologias digitais: perspectivas para a educação pós-Covid-19. Pensar a Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 6, n. 1 p. 1-13, 2020.

BOZZA, Thais Cristina Leite. O uso da tecnologia nos tempos atuais: análise de programas de intervenção escolar na prevenção e redução da agressão virtual. 261 f. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade de Campinas (Unicamp), Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Campinas.

Brasil. Governo Federal. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 10 maio de 2022.

CARVALHO, Andriele De Prá et al. O papel e as contribuições da teoria institucional para a teoria da inovação. Espacios, Caracas, v, 37 n. 30, p. 17, 2016.

CHAVES, Vera Lúcia Jacob. Expansão da privatização/mercantilização do ensino superior brasileiro: a formação dos oligopólios. Educação & Sociedade, v. 31 n. 111, p. 481-500, 2010.

CORREIA-NETO, Jorge Silva; VALADÃO, José de Arimatéia Dias. Evolução da educação superior a distância no Brasil: uma análise a partir de processos de institucionalização. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL. p. 97-120, 2017.

CRUZ, Andreia Gomes; PAULA, Maria de Fátima Costa. O setor privado-mercantil de educação superior no Brasil e a educação a distância. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 7, n. 2, p. 242-251, 2015.

DELLAPOSTA, Daniel; NEE, Victor; OPPER, Sonja. Endogenous dynamics of institutional change. Rationality and Society, v. 29, n. 1, p. 5-48, 2017.

DIALLO, Alfa Oumar. Responsabilidade civil do Banco Mundial face ao desenvolvimento. Universitas Jus, v. 27, n. 1, p. 115-141, 2016.

DIAS, Érika, Pinto, Fátima Cunha Ferreira. A Educação e a Covid-19. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 28, n.108, p. 545-554, 2020.

DIMAGGIO, Paul; POWELL, Walter W. The iron cage revisited: Collective rationality and institutional isomorphism in organizational fields. American Sociological Review, v.48 n. 2, p.147-160, 1983.

DUTRA, Norivan Lustosa Lisboa. A expansão do ensino superior privado a partir de 1990: limites e possibilidades. Revista do Difere. v. 2, n.4, p. 1-19, 2012.

FAVERO, Marcela Bortotti; FERREIRA GUIMARÃES, Amanda. Lógicas Institucionais: Um Estudo em uma Organização Privada de Ensino Superior do Sul do Brasil. Revista de Administração (IMED), v. 9 n.1, p. 150-166, 2019.

FRIEDLAND, Roger; Alford, R. R. Bringing society back: symbols, practices, and institutional contradictions. In: POWELL, Walter. W. & DIMAGGIO, Paul. J. The new institutionalism in organizational analysis. London: University of Chicago Press, cap. 10, p. 232-263, 1991.

GAMBIRAGE, Cinara, et al. Economic Performance of Private Higher Education Institutions In: Distance Education Through Mergers and Acquisitions. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 10 n.1, p. 252 – 281, 2017.

GOMES, Luís Fernando. EaD no Brasil: perspectivas e desafios. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 18 n. 1, p. 13-22, 2013.

HALL, Peter A.; TAYLOR, Rosemary. The three versions of neo-institutionalism. Lua Nova: Revista de cultura e política, v. 58, p. 193-223, 2003.

HERMIDA, Jorge Fernando; BONFIM, Cláudia Ramos de Souza. A educação à distância: história, concepções e perspectivas. Revista HISTEDBR , n. especial, p. 166 - 181, 2006.

Hoper. Hoper Educacional. Cenário mercadológico educacional Brasil . 2019. Disponível em: <https://www.hoper.com.br/mercado>. Acesso em: 2 dez. 2018.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Instrução Normativa 1, de 31 de outubro de 2017. Regulamenta o fluxo dos processos que chegaram à fase de avaliação externa in loco pelo Inep, 2017. Disponível em: <http://www.abmes.org.br/public/legislacoes/detalhe/2290/instrucao-normativa-n-1>. Acesso em: 4 out. 2018

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopses Estatísticas do Ensino Superior. 2018. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior>. Acesso em: 20 jun, 2018.

JOHANSE, Christina Berg; WALDORFF, Susanne Boch. What are institutional logics – and where is the perspective taking us? In: KRÜCKEN, Georg, MAZZA, Carmelo, MAYER, Renate. E., WALGENBACH, Peter (Org.). New Themes in Institutional Analysis. Edward Elgar Publishing Limited. cap. 3, p. 51-76, 2017.

MARS, Matthew M.; LOUNSBURY, Michael. Raging against or with the private marketplace? Logic hybridity and eco-entrepreneurship. Journal of Management Inquiry, v. 18 n. 1, p. 4-13, 2009.

MEYER, John W.; ROWAN, Brian. Institutionalized organizations: Formal structure as myth and ceremony. American journal of sociology, v. 83 n. 2, p. 340-363, 1977.

MORAIS BICALHO, Rute Nogueira; CARVALHO MEDEIROS, Jennifer. O modelo híbrido de educação como estratégia para o processo de institucionalização da EaD. Revista Eixo, v. 7, n. 2, p. 5-14,.2018.

NISHIYAMA, Adolfo Mamoru. Os métodos de interpretação constitucional. Unisul de Fato e de Direito: revista jurídica da Universidade do Sul de Santa Catarina, v. 4, n. 7, p. 77-95, 2013.

OLIVEIRA, João Batista Araujo; GOMES, Matheus; BARCELLOS, Thais. A Covid-19 e a volta às aulas: ouvindo as evidências. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, v. 28, p. 555-578, 2020.

PAESE, Cláudia Regina. Educação A Distância (Ead) e o uso das tecnologias de informação e comunicação (Tics), baseada em ambientes virtuais de aprendizagem (ava) algumas reflexões sobre a importância da tutoria on-line. Itinerarius Reflectionis, v. 8, n.1, p. 1-21, 2012

PAIVA, André Luiz de; BRITO, Mozar José de. A Configuração das Lógicas institucionais do campo da cachaça de alambique em Minas Gerais. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 56, p. 701-718, 2018.

PAULA, Alisson Slider do Nascimento de et al. Commodificação da educação superior em tempos de hegemonia financeirizada. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 10, n.1, p. 207-215, 2018.

PIMENTEL, Nara Maria. As políticas públicas para as tecnologias de informação e comunicação e educação a distância no Brasil. Educação Foco, v. 17 n. 2, p. 83-102, 2012. Disponível em: <https://www.ufjf.br/revistaedufoco/files/2013/05/artigo4.pdf>. Acesso em: 6 de jun. 2018.

REAY, Trish; JASKIEWICZ, Peter; HININGS, C. R. How family, business, and community logics shape family firm behavior and rules of the game in an organizational field. Family Business Review, v. 28, n.4, p. 292-311, 2015.

REIS, Ana Tereza Vendramini. A importância das Tics e da educação como processo comunicacional dialógico no ensino superior: Um Estudo da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. 130 f. 2016. Tese (Doutorado em Comunicação Social). Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), Faculdade de Comunicação Social, Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, São Paulo.

SALDAÑA, J. The coding manual for qualitative researchers. Los Angeles, Sage, 2015.

SALVUCCI, Mara; LISBOA, Marcos ; MENDES, Nelson C. Educação à distância no Brasil: fundamentos legais e implementação. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, v. 11, p. 49-62, 2012.

SANTOS, Larissa Costa dos; MENEGASSI, Cláudia Herrero Martins. A história e a expansão da educação a distância: um estudo de caso da UNICESUMAR. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, v. 11, n. 1, p. 208-228, 2018.

SARFATI, Gilberto; SHWARTZBAUM, Alan. Sinergias nas fusões e aquisições do setor de educação superior no Brasil. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 7, n. 4, p. 1-23, 2013.

SAVIANI, D. Educação brasileira: estrutura e sistema. São Paulo, Autores Associados, 2016.

TEIXEIRA, Maísa Gomide; ROGLIO, Karina De Déa; FERREIRA, Jane Mendes. Reflexões ao campo de processo decisório a partir da abordagem de lógicas institucionais. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, v. 10, n. 4, p. 668-687, 2017.

THORNTON, Patricia H.; OCASIO, William. Institutional logics. The Sage handbook of organizational institutionalism, v. 840, n. 2008, p. 99-128, 2008.

THORNTON, Patricia H.; OCASIO, William; Lounsbury, Michael. The institutional logics perspective: a new approach to culture, structure, and process. New York, Oxford University Press on Demand, 2012.

TORRES, Ana Catarina Moura et al. Educação e saúde; reflexões sobre o contexto universitário em tempos de Covid-19. 2020. Disponível em: <10.1590/SciELOPreprints.640> . Acesso em: 10 fev. 2021.

YIN, Robert K. Qualitative Research from Start to Finish. 2 ed.,. New York, The Guilford Press. 2016.

Arquivos adicionais

Publicado

26.04.2024

Como Citar

SLONGO GARCIA, Bruno Eduardo; COSTA MARONI SARAIVA, Mayla Cristina; MENDES FERREIRA, Jane; RIBAS DA MOTTA, Johnny. Entre a sociedade, o estado e o capital no campo da Educação a Distância. Educação, Escola & Sociedade, Montes Claros, v. 19, n. 21, p. 1–26, 2024. DOI: 10.46551/ees.v19n21art03. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rees/article/view/6518. Acesso em: 18 jul. 2024.