AVALIAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE GUANAMBI E SEUS LIMÍTROFES

  • Luciene Rodrigues de Queiroz
  • Júlio Henrique Oliveira Jesus
  • Carlos Magno Santos Clemente
  • Deborah Marques Pereira

Resumo

O saneamento é definido como uma atenção primária à saúde, sendo realizado para controlar doenças e propiciar conforto e bem estar à população. Assim sendo, a presente pesquisa teve como objetivo analisar a situação do saneamento básico do município de Guanambi e seus limítrofes, sobretudo no que se refere ao cumprimento da Lei 11.445/2007, bem como sua relevância para gestão municipal e a sociedade. A área de estudo é composta por oito municípios. Adotou-se como método de pesquisa o estudo de caso do município de Guanambi e seus limítrofes. Os dados foram organizados de modo que, sua adaptação promova espacialização com a organização em banco de dados vetoriais e alfanuméricos georreferenciados pelo SIG. Os resultados obtidos demonstram que nenhum município elaborou o Plano Municipal de Saneamento Básico. A pesquisa ainda demonstrou os principais entraves encontrados pelos municípios para a não elaboração dos planos. A pesquisa ainda aponta que prevalece a disposição final dos resíduos sólidos em unidades inadequadas como os aterros controlados e lixões. Diante do exposto, a pesquisa conclui que os municípios pesquisados estão distantes de atender as legislações vigentes na área do saneamento básico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS – ABRELPE. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2016. Disponível em: . Acesso em: 07 de nov. 2017.

AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA. Atlas Brasil. Disponível em: http://atlas.ana.gov.br/Atlas/forms/Download.aspx>. Acesso em: 05 de mar. 2017.

BRASIL. Lei nº. 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Diário Oficial da União - DOU de 8.1.2007 e retificado no DOU de 11.1.2007. 2007.

BRASIL. Lei nº. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Publicado no Diário Oficial da União - DOU de 03/08/2010.

BRASIL. MINISTÉRIO DAS CIDADES. Guia para Elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. 2ª ed. Brasília, 2011.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. 5ª ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

FERREIRA, C. A. Termo de Ajuste de Conduta Celebrado Perante o Ministério Público do Trabalho. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Direito da USP. São Paulo. 2011.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE – FUNASA. Planos Municipais de Saneamento Básico. Ministério da Saúde.

GALVÃO JUNIOR, A. C.; NISHIO, S. R.; BOUVIER, B. B.; TUROLLA, F. A. Marcos regulatórios estaduais em saneamento básico no Brasil. Revista Administração Pública. p. 207-227. Rio de Janeiro, 2009.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

HELLER, L.; PÁDUA, V. L. Abastecimento de Água Para o Consumo Humano. UFMG. Belo Horizonte, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Área Territorial Oficial. Disponível em: . Acesso em: 04 de mai. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 de mar. 2017.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA - IPEA. Pesquisa sobre pagamento por serviços ambientais urbanos para gestão de resíduos sólidos. Brasília: IPEA, 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 de nov. 2017.

INSTITUTO TRATA BRASIL. Ranking do Saneamento Instituto Trata Brasil 2017. São Paulo, 2016. 110 p. Disponível em: . Acesso em: 16 de mar. 2017.

IPHAN. Parque e Fonte do Queimado. [14 fev. 1997]. Disponível em: . Acesso em: 04 de mar. 2017.

JESUS, A. D. A atuação da Articulação do Semiárido no Sudoeste da Bahia e a permanência do Camponês na terra. Universidade Estadual da Bahia. Vitória da Conquista, 2010.

LEAL, F. C. T. Juiz de Fora. 2008. Sistemas de saneamento ambiental. Faculdade de

Engenharia da UFJF. Departamento de Hidráulica e Saneamento. Curso de Especialização em

Análise Ambiental. 4 ed. 2008. Notas de Aula.

LEONETI, A. B.; PRADO, E. L.; OLIVEIRA, S. V. W. B.. Saneamento Básico no Brasil: Considerações Sobre Investimentos e Sustentabilidade para o Século XXI. Revista de Administração Pública. 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rap/v45n2/03.pdf>. Acesso em: 14 de nov. 2017.

LONGLEY, P. A.; GOODCHILD, M. F.; MAGUIRE, D. J.; RHIND, D. W.. Sistemas e Ciência da Informação Geográfica. 3ª. ed. – Dados eletrônicos. Porto Alegre. 2013. Disponível em:

< https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788565837651/cfi/2!/4/4@0.00:0.00>. Acesso em: 13 de nov. 2017.

LOUREIRO, A. L. Gestão dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no estado da Bahia: análise de diferentes modelos. Dissertação (Engenharia Ambiental Urbana) - Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia. Salvador - BA, 2009.

MORAES, L.R.S. Plano Municipal de Saneamento Básico: Instrumento de Planejamento Participativo, Integrado e Sustentável. Anais... 7º Congresso Luso Brasileiro para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável, Contrastes, Contradições e Complexidades, Maceió, 2016.

MOREIRA, D. A. O método Fenomenológico na Pesquisa. São Paulo: Pioneira Thompson, 2002.

NUNES, V. R. S. O Setor de Saneamento Básico no Brasil: desafios e perspectivas. Escola Politécnica. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2015.

PEREIRA, S. R. N. Guanambi: Centralidade, rede urbana e dinâmica regional no centro-sul baiano. Dissertação. Instituto de Geociências. Universidade Federal da Bahia- UFBA. Salvador, 2013.

PEREIRA, T.S.T. Conteúdo e metodologia dos planos municipais de saneamento básico: um olhar para 18 casos no Brasil. Monografia. Curso da Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Brasília, 2012.

RAPER, J. F.; MAGUIRE, D. J. Design Models and Functionality in GIS. Computers and Geosciences, London, v.18, n.4, pag.387-400, 1992.

REZENDE, S. C.; HELLER, L. O Saneamento no Brasil: políticas e interfaces. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental. V.13, n. 1, p. 07, 2002.

RIBEIRO, J. W.; ROOKE, J. M. S.. Saneamento Básico e sua Relação com o Meio Ambiente e a Saúde Pública. Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora – MG. 2010.

RIGHETTO, A. M.. Manejo de Águas Pluviais Urbanas. Programa de Pesquisas em Saneamento Básico – PROSAB. Natal - RN. 2009.

ROSA, R. Geotecnologias na Geografia Aplicada. Revista do Departamento de Geografia. Universidade Federal de Uberlândia. pag. 81-90, 2005.

SADDY, A.; GRECO, R. A.. Termo de Ajustamento de Conduta em procedimentos sancionatórios regulatórios. Revista de Informação Legislativa. 2015.

SILVA, P. F.; TEIXEIRA, B. A. N.. Avaliação da coleta seletiva no Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de Barreiras – BA. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades. V. 04, nº. 25, pag. 114-127, 2016.

SILVA, R. M. L.; BORJA, P. C.; CRUZ, F.; MORAES, L. R. S. Saneamento em salvador: uma avaliação antes e após o programa Bahia azul. Anais... 23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Campo Grande, 2005.

STEINSTRASSER, M. C. O Termo de Ajustamento de Conduta: aspectos gerais, natureza jurídica e necessidade de efetivação de sua publicidade. Faculdade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Direito. Porto Alegre, 2012.
Publicado
2020-01-23
Como Citar
Rodrigues de QueirozL., Henrique Oliveira JesusJ., Magno Santos ClementeC., & Marques PereiraD. (2020). AVALIAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE GUANAMBI E SEUS LIMÍTROFES. Revista Desenvolvimento Social, 24(2), 63-77. Recuperado de //www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/566
Seção
Artigos