INJUSTIÇA AMBIENTAL : O PROCESSO DE INSTALAÇÃO DA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS – CTRS NA COMUNIDADE DE MIMOSO , MUNICIPIO DE MONTES CLAROS – MG

Autores

  • Isabel Cristina Barbosa de Brito
  • Vanessa Teles de Oliveira
  • Greiciele Soares da Silva

Palavras-chave:

Desenvolvimento, Comunidade, Justiça Ambiental

Resumo

A lógica desenvolvimentista se consolida no Brasil a partir da década de 1950, vinculada à modernização do país. O desenvolvimento enquanto pensamento político moderno, destino único e sinõnimo de “progresso” torna-se a negação do modo de vida da maioria das comunidades e grupos rurais do norte de Minas Gerais dessa época. As políticas desenvolvimentistas que visavam o processo de modernização não foram pensadas de acordo com a realidade e as especificidades de cada sociedade, de modo que os maleficios existentes nesses processos afetam àqueles que socialmente são excluidos dos espaços de debates políticos, ocupados hegemonicamente pelos que detêm maior poder econômico. Dentro desse quadro as consequências do desenvolvimento possibilita a geração de uma condição favorável à Injustiça Ambiental. Este trabalho apresenta um caso de injustiça ambiental, aborda a instalação de uma Central de Tratamento de Resíduos Sólidos - CTRS na Comunidade do Mimoso, zona rural do município de Montes Claros – MG. O empreendimento objetiva a disposição “adequada” e ambientalmente correta de resíduos sólidos urbanos, promovendo maior qualidade de vida na cidade. No entanto, a implantação da CTRS é analisada neste artigo a partir das noções da Justiça ambiental e das incoerências que envolvem os processos de licenciamento ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALIER, J. Justiça ambiental (local e global). In: CAVALCANTI, Clóvis (org.) Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Políticas Públicas, São Paulo: Cortez, 1999.
ACSELRAD, Henri. Justiça Ambiental - Ação Coletiva e Estratégias Argumentativas. In: Justiça Ambiental e Cidadania. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Ford, 2004.
ACSELRAD, Henri. Conflitos Ambientais – a atualidade do objeto. In: Conflitos Ambientais no Brasil.Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Heinrich Boll, 2004.
BARBOSA, Rômulo Soares. et al. Conflitos Ambientais no Norte de Minas Gerais/Brasil: uma Agenda de Pesquisa. In: Povos e comunidades Tradicionais no Brasil. Montes Claros: Unimontes, 2011.
BOURDIEU, Pierre. Espaço Social e Poder Simbólico. In: Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues. (org). Pesquisa Participante. São Paulo: editora brasiliense. 5º ed. 1985.
BULLARD, R. Enfrentando o racismo ambiental no século XXI. IN: ACSERALD, H.,HERCULANO, S. E PÁDUA, J. A. (orgs.) Justiça Ambiental e Cidadania. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Ford, 2004
RIST, Gilbert. The History of Development: from Western origins to Global Faith. New York: Zed Books, 2002.
.ZHOURI, Andréa; LASCHEFSKI, Klemens; PEREIRA, Doralice. (Orgs.). A insustentável leveza da política ambiental - desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte,Autêntica, 2005.

Downloads

Publicado

2020-04-14

Como Citar

Cristina Barbosa de Brito, I. ., Teles de Oliveira, V. ., & Soares da Silva, G. (2020). INJUSTIÇA AMBIENTAL : O PROCESSO DE INSTALAÇÃO DA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS – CTRS NA COMUNIDADE DE MIMOSO , MUNICIPIO DE MONTES CLAROS – MG. Revista Desenvolvimento Social, 12(2), 41-54. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/1968

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)