DEBATES SOBRE DESENVOLVIMENTO: O PARADIGMA CULTURAL COMO ALTERNATIVA

  • Isabela Veloso Lopes Versiani
  • Anete Marília Pereira
  • Paula Margarita Andrea Cares Bustamante
Palavras-chave: Desenvolvimento, Cultura, Interculturalidade, Bem Viver

Resumo

O campo do desenvolvimento tem sido marcado pela sobreposição do paradigma econômico, hegemônico, e incorporação da sustentabilidade ambiental, nas últimas décadas, como eixos do discurso. Embora a discussão cultural tenha estado presente de forma mais direta em alguns momentos, entender o contexto em que o paradigma cultural emerge e ressurge nos debates sobre desenvolvimento e, mais recentemente, pós-desenvolvimento, evidencia uma questão relevante que, gradativamente, tem ganhado contornos tanto do ponto de vista teórico-conceitual, quanto empírico, sobretudo nas “periferias” do mundo globalizado, como retrata a proposta do Bem Viver na América Latina. Assim, o presente ensaio, busca problematizar a emergência do paradigma cultural diante do domínio da dimensão econômica nas reflexões e ações em nome do desenvolvimento, compreendendo-o não como um modelo universal a ser imposto, mas como um conjunto de alternativas a serem construídas. Exemplificado a partir da perspectiva do Bem Viver como um conjunto de ideais que partiram dos países andinos, e que tem ganhado espaço e difusão, inclusive com afirmações e conquistas no plano político por meio de valorização da interculturalidade e de uma lógica sociobiocêntrica, conclui-se que apesar dos muitos desafios e dificuldades pela frente, o Bem Viver retrata, sob uma nova perspectiva ética e política nos debates sobre o desenvolvimento, que é possível a partir de bases vinculadas ao paradigma cultural fazer emergir novas possibilidades, novas centralidades, conceitos, práticas e sentidos na busca por um mundo mais justo, harmônico e sustentável.

Publicado
2020-01-03
Seção
Artigos