Movimentos de integração de tecnologias digitais em tempos de pandemia: diálogos com professores que ensinam Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/emd.v6n12a05

Palavras-chave:

Integração das Tecnologias Digitais, Ensino de Matemática, Formação de Professores

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar movimentos de integração de tecnologias digitais ao currículo de Matemática de um grupo de professores do Ensino Fundamental em um processo de formação continuada, a partir de ações realizadas durante o período da pandemia, em aulas remotas. A pesquisa utilizou-se do modelo Formação, Ação e Reflexão — F@R. A análise é apresentada em formato de narrativa, para contextualizar os diálogos realizados com os professores durante a formação. Os resultados evidenciaram que o processo de integração foi vivenciado a partir da (des)construção de modos de uso das tecnologias digitais para o ensino. Dessa forma, é essencial que os professores estejam em constante formação e dispostos a dialogar e refletir sobre suas práticas pedagógicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Narrativa das relações entre currículo e cultura digital em tempos de pandemia: uma experiência na pós-graduação. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 17, n. 45, p. 1-29, abr. 2021.

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini. Informática e Educação: diretrizes para uma formação reflexiva de professores. 1996. 194f. Dissertação (Mestrado em Educação: Currículo) — Faculdade de Educação. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo.

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini; VALENTE, José Armando. Integração currículo e tecnologias e a produção de narrativas digitais. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 3, p. 57-82, set./dez. 2012.

BITTAR, Marilena. A escolha do software educacional e a proposta didática do professor:

estudo de alguns exemplos em Matemática. In: BELINE, Willian; COSTA, Nielce

Meneguelo Lobo da (Org.). Educação Matemática, tecnologia e formação de professores: algumas reflexões. Campo Mourão: Editora de Fecilcam, 2010, p. 215-243.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é Educação. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer n. 5, de 28 de abril de 2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Brasília: MEC/CNE, 2020.

CLANDININ, D. Jean; CONNELLY, F. Michael. Narrative and story in practice and research. In: SCHÖN, Donald. (Ed.). The reflective turn: case studies in and on educational practice. New York: Teachers College, 1991, p. 258-281.

COSTA, Fernando Albuquerque; VISEU, Sofia. Formação – Acção – Reflexão: um modelo de preparação de professores para a integração curricular das TIC. In: COSTA, Fernando Albuquerque; PERALTA, Helena; VISEU, Sofia. (Ed.). As TIC na Educação em Portugal: concepções e práticas. Porto: Porto Editora, 2007, p. 216-237.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

GADOTTI, Moacir. Perspectivas atuais da Educação. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 3-11, jun. 2000.

MALTEMPI, Marcus Vinícius. Construcionismo: pano de fundo para pesquisas em informática aplicada à Educação Matemática. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani; BORBA, Marcelo Carvalho. (Org.). Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2012, p. 287-307.

MERCADO, Luís Paulo Leopoldo. Formação docente e novas tecnologias. In: CONGRESSO DA REDE IBEROAMERICANA DE INFORMÁTICA EDUCATIVA, 4, 1998, Brasília. Anais do RIBIE 98. Brasília: Ribie, 1998, p. 1-8.

MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. Campinas: Papirus, 2007.

NÓVOA, Antônio. Formação de professores e formação docente. In: NÓVOA, Antônio (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992, p. 13-33.

OLIVEIRA, Ádamo Duarte de; SCHERER, Suely. O papel do professor formador em uma ação de formação: uma experiência na abordagem construcionista. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 7, n. 2, p. 97-114, jan. 2013.

PORTO, Yeda da Silva. Formação continuada: a prática pedagógica recorrente. In: MARIN, Alda Junqueira (Org.). Educação continuada. São Paulo: Papirus, 2004, p. 11-37.

SÁNCHEZ, Jaime. Integración curricular de TICs: concepto y modelos. Enfoques

Educacionales, Santiago, v. 5, n. 1, p. 51-65, jan. 2003.

SANTAELLA, Lúcia. Aprendizagem ubíqua substitui a educação formal?. Revista de Computação e Tecnologia da PUC-SP, São Paulo, v. 2, n. 1. p. 17-22, 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina, 2020.

SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina: EDUFPI, 2019.

SCHERER, Suely. Integração de laptops educacionais às aulas de Matemática: perspectivas em uma abordagem construcionista. In: ROSA, Maurício; BAIRRAL, Marcelo Almeida; AMARAL, Rúbia Barcelos (Org.). Educação Matemática: tecnologias digitais e educação a distância. São Paulo: Livraria da Física, 2015, p. 163-186.

SCHERER, Suely; BRITO, Gláucia da Silva. Integração de tecnologias digitais ao currículo: diálogos sobre desafios e dificuldades. Educar em Revista, Curitiba, v. 36, p. 1-22, jan. 2020.

VALENTE, José Armando (Org.). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: Unicamp/NIED, 1999.

VALENTE, José Armando. A comunicação e a educação baseada no uso das tecnologias digitais de informação e comunicação. Revista Unifeso – Humanas e Sociais, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 141-166, jan. 2014.

VALENTE, José Armando. Uso da internet em sala de aula. Educar, Curitiba, v. 1, n. 19, p. 131-146, jan. 2002.

ZAN, Dirce; KRAWCZYK, Nora. Educação e Juventude sob Fortes Ameaças [matéria online]. Disponível em: http://www.anped.org.br/news/educacao-e-juventude-sob-fortes-ameacas-colaboracao-de-texto-por-dirce-zan-unicamp-gt-03-nora; acesso em: 27 dez. 2021.

Arquivos adicionais

Publicado

27-04-2022

Edição

Seção

Dossiê — Implicações da pandemia à pesquisa em Educação Matemática