O Código Da Vinci e o encontro entre Matemática, História e Arte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/emd.e202107

Palavras-chave:

Interdisciplinaridade, Sequência Fibonacci, Razão Áurea

Resumo

O romance O Código Da Vinci, escrito por Dan Brown, teve uma enorme repercussão, tendo vendido milhões de cópias em todo o mundo. Mas, foi com a sua adaptação para o cinema, em 2006, que horizontes se ampliaram, alcançando ainda mais indivíduos. Nosso objetivo é dialogar com a Matemática, a História e a Arte presentes na obra de Dan Brown, em busca da Interdisciplinaridade. Na trama, o professor Robert Langdon encontra-se com a Sequência Fibonacci, a Razão Áurea, e as obras de Arte de Leonardo Da Vinci e vários mistérios que as cercam. Um verdadeiro passeio imerso na História da Arte em diálogo com a Matemática. Para tanto, vamos nos apoiar na obra literária e no filme homônimo dirigido por Ron Howard, além de conhecimentos sobre a Razão Áurea. Acreditamos que a inserção de novas fontes pode contribuir significativamente para o ensino, seja da Matemática, seja da História.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ÁVILA, Geraldo. Retângulo áureo, divisão áurea e sequência de Fibonacci. Revista do Professor de Matemática, Rio de Janeiro, n. 6, p. 9-14, jan./jun. 1985.

BELINI, Marcelo Manechine. A Razão áurea e a sequência de Fibonacci. 2015. 67f. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional) — Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. Universidade Estadual de São Paulo. São Carlos.

BROWN, Dan. O Código da Vinci. Tradução de Celina Cavalcante Falck-Cook. Rio de Janeiro: Sextante, 2004.

CARMO, Fernanda Maria Almeida do. As tendências em Educação Matemática e sua inclusão na formação e na prática docente. 2018. 55f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Matemática) — Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central. Universidade Estadual do Ceará. Quixadá.

CHAS, Dijalmary Matos Prates. Matemática e interdisciplinaridade: um estudo sobre os materiais didáticos. Estação Científica, Macapá, v. 6, n. 3, p. 97-109, set./dez. 2016.

CHAUVEAU, Sophie. Leonardo da Vinci. Tradução de Paulo Neves. Porto Alegre, 2012.

CRATO, Nuno. A Matemática das coisas: do papel A4 aos cordões de sapatos, do GPS às rodas dentadas. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2009.

CRILLY, Tony. 50 Ideias de Matemática que Você Precisa Conhecer. Tradução de Helena Londres. São Paulo: Planeta, 2017.

DOMINGUES, José Juiz; TOSCHI, Nirza Seabra; OLIVEIRA, José Ferreira de. A reforma do Ensino Médio: a nova formulação curricular e a realidade da escola pública. Educação & Sociedade, Campinas, n. 70, p. 63-79, abr. 2000.

EUCLIDES. Os Elementos. Tradução e Introdução de Irineu Bicudo. São Paulo: EdUNESP, 2009.

FALCON, Francisco; RODRIGUES, Antonio Edmilson. A formação do mundo moderno. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: Didática e Prática de Ensino. Interdisciplinaridade, São Paulo, v. 1, n. 6, p. 9-17, abr. 2015.

HEFEZ, Abramo. Elementos de Aritmética. Rio de Janeiro: SBM, 2006.

JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1976.

LIMA, Ana Paula Barbosa de; BORBA, Rute Elizabete de Souza Rosa. Comunidades de Prática e a formação do professor que ensina Matemática revisitando teses e dissertações. Educação Matemática Debate, Montes Claros, v. 5, n. 11, p. 1-30, 2021.

LIVIO, Mario. Razão Áurea: a história de Fi, um número surpreendente. Tradução de Marco Shinobu Matsumura. Rio de Janeiro: Record, 2009.

PAVIANI, Jayme. Interdisciplinaridade ou uma nova disciplina. Caxias do Sul: EdUCS, 1993.

ROSTIROLA, Sabrina. O Código da Vinci: uma leitura da perspectiva pós-moderna. ACTA Científica, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 7-16, jul./dez. 2005.

SANTOS, Nádia Narcisa de Brito. A cor (in)visível: representações acerca da negra e do negro a partir de abordagens interdisciplinares em livros didáticos (PNLD, Guia 2018). 2020. 213f. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em História e Letras) — Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central. Universidade Estadual do Ceará. Quixadá.

SERENATO, Liliana Junkes. Aproximações interdisciplinares entre Matemática e Arte: resgatando o lado humano da Matemática. 2008. 163f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Setor de Educação. Universidade Federal do Paraná. Curitiba.

SILVA, Odair Vieira da. A Idade Moderna e a ruptura cultural com a tradição medieval: reflexões sobre o Renascimento e a Reforma Religiosa. Revista Científica Eletrônica da Pedagogia, Garça, v. 16, n. 28, p. 1-7, jan. 2017.

SOUZA, Alexandre Ramon de. Razão áurea e aplicações: contribuições para a aprendizagem de alunos de proporcionalidade de alunos do 9° ano do Ensino Fundamental. 2013. 147f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) — Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Universidade Federal de Ouro Preto. Ouro Preto.

STAKHOV, Alexey Petrovich. The Mathematics of Harmony: from Euclid to Contemporary Mathematics and Computer Science. Singapore: World Scientific, 2009.

TIESEN, Sandryne Maria de Campos; ARAUJO, Rafaele Rodrigues. O ensino de Matemática por meio da contextualização e da pesquisa. Educação Matemática Debate, Montes Claros, v. 4, n. 10, p. 1-16, 2020.

VOROBIOV, Nikolai Nikolayevich. Números de Fibonacci. Lecciones populares de matemáticas. Moscú: Editorial MIR, 1974.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

15-03-2021