Proximidades e convergências entre a Modelagem Matemática e o STEAM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/emd.e202045

Palavras-chave:

Ensino e aprendizagem, Resolução de Problemas, Metodologias ativas, Tendências em Educação Matemática

Resumo

Considerando a necessidade de práticas pedagógicas diferenciadas que possibilitem associar a realidade do estudante com outras áreas do conhecimento, para que conceitos/conteúdos científicos/escolares tenham maior significado, este estudo apresenta as proximidades e convergências entre as metodologias Modelagem Matemática e STEAM. Tal discussão mostra-se necessária, pois ao verificar pesquisas no Catálogo de Teses e Dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), não foram identificados trabalhos envolvendo ambas metodologias. Com isso, este estudo apresenta elementos associando semelhanças nas etapas/fases indicadas por cada metodologia, o que possibilita ao estudante, mediado pelo professor, desenvolver modelos matemáticos e físicos para a resolução de situações-problema. Pelos estudos teóricos realizados, é possível considerar que as duas metodologias têm aproximações e podem ser inseridas nos processos de ensino e de aprendizagem de Matemática, possibilitando que o estudante seja o protagonista na construção de seu conhecimento, não somente de conceitos matemáticos, mas numa abordagem interdisciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BACICH, Lilian; HOLANDA, Leandro. A aprendizagem baseada em projetos e a abordagem STEAM. In: BACICH, Lilian; HOLANDA, Leandro. (Org.). STEAM em sala de aula: aprendizagem baseada em projetos integrando conhecimento na Educação Básica. Porto Alegre: Penso, 2020, p. 29-50.

BIEMBENGUT, Maria Salett. Modelagem Matemática & implicações no ensino e na aprendizagem matemática. Blumenau: EdFURB, 2004.

BIEMBENGUT, Maria Sallet; HEIN, Nelson. Modelagem matemática no ensino. São Paulo: Contexto, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BURAK, Dionísio. Modelagem Matemática e a sala de aula. In: ENCONTRO PARANANENSE DE MODELAGEM EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 1, 2004, Londrina. Anais do I EPMEM. Londrina: UEL, 2004, p. 1-10.

BURAK, Dionísio. Modelagem Matemática: ações e interações no processo de ensino e aprendizagem. 1992. 459f. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

BURAK, Dionísio. Modelagem na perspectiva da Educação Matemática: um olhar sobre seus fundamentos. UNIÓN, v. 13, n. 51, p. 9-26, dez. 2017.

BURAK, Dionísio. Uma perspectiva de Modelagem Matemática para o ensino e a aprendizagem da Matemática. In: BRANDT, Celia Finck; BURAK, Dionísio; KLÜBER, Tiago Emanuel. (Org.). Modelagem Matemática: perspectivas, experiências, reflexões e teorizações. 2 ed. Ponta Grossa: EdUEPG, 2016, p. 17-40.

BURAK, Dionísio; ARAGÃO, Rosália Maria Ribeiro de. A modelagem matemática e relações com a aprendizagem significativa. Curitiba: CRV, 2012.

CUGINOTTI, Andressa Prata Cirino. STEAM na prática: exemplos de projetos. In: BACICH, Lilian; HOLANDA, Leandro. (Org.). STEAM em sala de aula: aprendizagem baseada em projetos integrando conhecimento na Educação Básica. Porto Alegre: Penso, 2020, p. 213-229.

ENGLISH, Lyn D. Advancing elementary and middle school STEM Education. International Journal of Science and Mathematics Education, v. 15, n. 1, p. 5-24, mar. 2017.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 57. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

GAROFALO, Débora. Como levar o STEAM para a sala de aula. Revista Nova Escola, 2019. Disponível em https://novaescola.org.br/conteudo/18021/como-levar-o-steam-para-a-sala-de-aula; acesso em 29 abr. 2020, às 17h45.

GÓES, Anderson Roges Teixeira; GÓES, Heliza Colaço. Ensino da Matemática: concepções, metodologias, tendências e organização do trabalho pedagógico. Curitiba: InterSaberes, 2015.

GÓES, Anderson Roges Teixeira; GÓES, Heliza Colaço. Modelagem Matemática: teoria, pesquisas e práticas pedagógicas. Curitiba: InterSaberes, 2016.

GÓES, Anderson Roges Teixeira; LUZ, Adriana Augusta Benigno dos Santos. Maquete: uma experiência no ensino da Geometria Plana e Espacial. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMETRIA DESCRITIVA E DESENHO TÉCNICO, 19, 2009; INTERNACIONAL CONFERENCE ON GRAPHICS ENGINEERING FOR ARTS AND DESIGN, 8, 2009, Bauru. Anais... Bauru: UNESP, 2009, p. 817-827.

GÓES, Heliza Colaço. Um esboço de conceituação sobre Expressão Gráfica. Revista Educação Gráfica, Bauru, v. 17, n. 1, p. 1-21, jan./abr. 2013.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Elaborado pelo Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia e Banco de Dados da Língua Portuguesa S/C Ltda. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

KENSKI. Vani Moreira. Educação e Tecnologias: o Novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2012.

LORENZIN, Mariana; ASSUMPÇÃO, Cristiana Mattos; BIZERRA, Alessandra. Desenvolvimento do currículo STEAM no Ensino Médio: a formação de professores em movimento. In: BACICH, Lilian; MORAN, José. (Org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018, p. 199-219.

RILEY, Susan. STEAM point: a guide to integrating Science, Technology, Engineering, the Arts, and Mathematics through the Common Core. Westminster: EducationCloset, 2012.

VASQUEZ, Jo Anne; SNEIDER, Cary; COMER, Michael. Stem Lesson Essentials, Grades 3-8: integrating Science, Technology, Engineering, and Mathematics. Portsmouth: Heinemann, 2013.

Arquivos adicionais

Publicado

2020-09-28

Edição

Seção

Dossiê — Modelagem Matemática e Resolução de Problemas