Modelagem Matemática na perspectiva sociocrítica: ambiente para a comunicação dialógica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/emd.e202021

Resumo

O presente artigo tem por objetivo refletir sobre a prática da Modelagem Matemática na perspectiva sociocrítica articulada ao modelo de cooperação investigativa que versa sobre a comunicação dialógica. É parte de uma dissertação de mestrado que teve como tema para o desenvolvimento da modelagem a escassez de água, problemática que emergiu da realidade dos alunos. A pesquisa é qualitativa, cujos instrumentos usados na produção de dados foram o diário de bordo, produção textual dos alunos e gravações. Os dados foram coletados numa escola localizada em Castelo, Espírito Santo, com alunos do 8º ano do Ensino Fundamental. Os resultados revelam que a Modelagem Matemática, na perspectiva sociocrítica, é por excelência um ambiente que favorece atos dialógicos; além de aproximar os conteúdos matemáticos de problemas sociais, propicia a investigação coletiva de perspectivas por meio do diálogo, favorecendo os processos de ensino e de aprendizagem e a formação cidadã dos estudantes.

Palavras-chave: Modelagem. Comunicação dialógica. Aprendizagem. Formação cidadã.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALRØ, Helle; SKOVSMOSE, Ole. Diálogo e aprendizagem em Educação Matemática. Tradução de Orlando de Andrade Figueiredo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

ARAÚJO, Jussara de Loiola. Relações entre matemática e realidade em algumas perspectivas de Modelagem Matemática na educação matemática. In: BARBOSA, Jonei Cerqueira; CALDEIRA; Ademir Donizete; Araújo, Jussara de Loiola (Org.). Modelagem matemática na educação matemática brasileira: pesquisas e práticas educacionais. Recife: SBEM, 2007, p. 17-32.

BARBOSA, Jonei Cerqueira. A prática dos alunos no ambiente de Modelagem Matemática: o esboço de um framework. In: BARBOSA, Jonei Cerqueira; CALDEIRA; Ademir Donizete; Araújo, Jussara de Loiola (Org.). Modelagem matemática na educação matemática brasileira: pesquisas e práticas educacionais. Recife: SBEM, 2007, p. 161-174.

BARBOSA, Jonei Cerqueira. As relações dos professores com a Modelagem Matemática. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 8, 2004, Recife. Anais do VIII ENEM — Educação Matemática: um compromisso social. Recife: SBEM, 2004b, p. 1-11.

BARBOSA, Jonei Cerqueira. Modelagem Matemática e a perspectiva sócio-crítica. In: II SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2003, Santos. Resumos do II SIPEM. Santos: SBEM, 2003, p. 140.

BARBOSA, Jonei Cerqueira. Modelagem matemática: O que é? Por quê? Como? Veritati, n. 4, p. 73-80, 2004a.

BIEMBENGUT, Maria Salett. Modelagem matemática no ensino. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2003.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Da realidade à ação: reflexões sobre Educação e Matemática. Campinas: Summus / UNICAMP, 1986.

FORNER, Régis; MALHEIROS, Ana Paula dos Santos. Modelagem e o currículo paulista: entre imposições, cobranças veladas e insubordinações criativas. Revista Paranaense de Educação Matemática, Campo Mourão, v. 8, n. 17, p. 519-545, jul./dez. 2019.

JACOBINI, Otávio Roberto; WODEWOTZKI, Maria Lúcia. Uma reflexão sobre Modelagem Matemática no contexto da Educação Matemática Crítica. Bolema, Rio Claro, v. 19, n. 25, p. 71-88, jan./jun. 2006.

KAISER, Gabriele; SRIRAMAN, Bharath. A global survey of international perspectives on modelling in Mathematics Education. Zentralblatt fur Didaktik der Mathematik, v. 38, n.3, p. 302-310, jun. 2006.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. et al. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

SILVA, Cíntia da; KATO, Lilian Akemi. Quais elementos caracterizam uma atividade de Modelagem Matemática na perspectiva sociocrítica. Bolema, Rio Claro, v. 26, n. 43, p. 817-838, ago. 2012.

SKOVSMOSE, Ole. Um convite à Educação Matemática Crítica. Tradução de Orlando de Andrade Figueiredo Campinas: Papirus, 2014.

Arquivos adicionais

Publicado

2020-06-16

Edição

Seção

Dossiê — Modelagem Matemática e Resolução de Problemas