Os saberes psi no discurso da Educação Matemática: repensando as práticas de memorização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/emd.e202022

Resumo

Este artigo tem como objetivo problematizar a memorização no ensino de Matemática a partir dos discursos advindos dos saberes psi, como é o caso do construtivismo. Especialmente o enunciado que afirma que o aluno é construtor do conhecimento e que o professor não deve oferecer algo pronto para que o estudante apenas memorize, adquiriu força e mobilizou novas estratégias, como é o caso do uso de materiais concretos no ensino de Matemática. Assim, alguns enunciados são produzidos ou reforçados por estas teorias: “deve-se considerar o conhecimento prévio do aluno”; “é preciso trabalhar com as emoções em sala de aula, substituindo o medo pelo prazer de aprender”; “é necessário desenvolver os diversos tipos de memória”, dentre outros. O material da pesquisa compreende 26 exemplares da Revista Nova Escola, analisados a partir da análise do discurso em uma perspectiva foucaultiana.

Palavras-chave: Memorização. Saberes psi. Construtivismo. Educação Matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Érica Valeria. Um estudo exploratório das relações entre memória, desempenho e os procedimentos utilizados na solução de problemas matemáticos. 2005. 181f. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação. Universidade de Estadual de Campinas. Campinas.

AQUINO, Julio Groppa. Pedagogização do pedagógico: sobre o jogo do expert no governamento docente. Educação, Porto Alegre, v. 36, n. 2, maio/ago. 2013.

BECKER, Fernando. “O que é Construtivismo?”. In: ALVES, Maria Leila; DURAN, Marilia Claret Geraes; BORJA, Amélia de; TOLEDO, Cleusa de; MATTOS, Meire Graça. (Org.). Construtivismo em revista. 2. ed. São Paulo: FDE, (série Ideias, n. 20), 1994, p. 87-93.

BORTOLI, Bruno de. Neurociência na Revista Nova Escola. 2016. 142f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Universidade Estadual de Maringá. Maringá.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental – Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CORAZZA, Sandra Mara. Construtivismo: evolução ou modismo? Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 2, jul./dez. 1996.

DUARTE, Claudia Glavam. A “realidade” nas tramas discursivas da Educação Matemática escolar. 2009. 191f. Tese (Doutorado em Educação) — Área de Ciências Humanas. Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo.

FERRAZ, Juliana Schlatter de Lima. A memória na aprendizagem matemática. 2014. 80f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Exatas) — Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Universidade Federal de São Carlos. São Carlos.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2011.

MIGUEL, Antonio; VILELA, Denise Silva. Práticas escolares de mobilização de cultura matemática. Caderno Cedes, Campinas, v. 28, n. 74, p. 97-120, jan./abr. 2008.

OLIVEIRA, Cláudio José de. Políticas educacionais e discursos sobre a Matemática escolar: um estudo a partir da Revista Nova Escola. 2006. 211f. Tese (Doutorado em Educação) — Área de Ciências Humanas. Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo.

PEDROSO, Leda Aparecida. A Revista Nova Escola: política educacional na “Nova República”. 1999. 277f. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

ROSA, Fernanda da Silva. Revista Nova Escola e Neurociência: uma discussão sobre dispositivos biopolíticos. 2017. 99f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Departamento de Ciências, Humanidades e Educação. Universidade de Santa Cruz do Sul. Santa Cruz do Sul.

ROSE, Nikolas. Inventando nossos eus. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001, p. 137-204.

SARTORI, Alice Stephanie Tapia. As práticas de memorização no ensino de Matemática: reconfigurações nos discursos da Revista Nova Escola. 2019. 251f. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) — Centro de Ciências da Educação. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

SILVA, Divino José; VAZ, Alexandre Fernandez. A emergência do sujeito cerebral e suas implicações para a Educação. Childhood & Philosophy, Rio de Janeiro, v. 12, n. 24, p. 211-230, maio/ago. 2016.

SILVA, Tomaz Tadeu da. As pedagogias psi e o governo do eu nos regimes neoliberais. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Liberdades reguladas: as pedagogias construtivistas e outras formas de governo do eu. Petrópolis: Vozes, 1998, p. 7-13.

VIEIRA, Martha Lourenço. Construtivismo: a prática de uma metáfora-forma/conteúdo do construtivismo em Nova Escola. 1985. 75f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Faculdade de Educação. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte.

Arquivos adicionais

Publicado

2020-06-17 — Atualizado em 2020-07-01

Versões