O ensino de Matemática nos Anos Finais e a ludicidade: o que pensam professora e alunos?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24116/emd.e202018

Resumo

O presente estudo é um recorte de uma investigação que objetivou compreender a presença da ludicidade e suas repercussões no processo de construção do conhecimento matemático. Para esse artigo, no entanto, apresentaremos as percepções de professor e alunos quanto ao lúdico nos processos de ensino e de aprendizagem da Matemática. Quanto ao percurso metodológico, trata-se de uma pesquisa empírica, de abordagem qualitativa, que, em seu processo de produção de dados, contou com a utilização de questionários e com a realização de oficinas temáticas. Para analisar os dados nos inspirou a análise de conteúdo apresentada por Bardin (1977). Nesse recorte, nos ateremos apenas aos questionários. Esse trabalho trouxe evidências do potencial da ludicidade enquanto ferramenta que contribui para o ensino e aprendizagem, e que cabe às universidades repensar, também, seus cursos de formação de professores buscando incluir o lúdico numa perspectiva de formação.

Palavras-chave: Lúdico. Educação Matemática. Ensino e Aprendizagem. Percepções.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Paulo Nunes de. Educação lúdica. São Paulo: Loyola, 1998.

ALVES, Eva Maria Siqueira. A Ludicidade e o ensino de Matemática. Campinas: Papirus, 2001.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Neto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 1977.

BERG, Bruce L. Qualitative research methods for the social sciences. Long Beach: California State University, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEB, 2017.

D´AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas: Papirus, 1996.

D’AMBROSIO, Beatriz Silva. Formação de professores de Matemática para o século XXI: o grande desafio. Pro-Posições, Campinas, v. 4 n. 1 [10], p. 35-41, mar. 1993.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Etnomatemática: arte ou técnica de explicar ou conhecer. 5. ed. São Paulo: Ática, 1998.

FERNANDES, Elsa. O trabalho cooperativo num contexto de sala de aula. Análise Psicológica, Lisboa, v. 15, n. 14, p. 563-572, dez. 1997.

FIORENTINI, Dario. MIORIM, Maria Angela. Uma reflexão sobre o uso de materiais concretos e jogos no ensino da Matemática. Boletim SBEM, São Paulo, v. 4, n. 7, p. 5-10, jul./ago. 1990.

FORTUNA, Tania Ramos. Formando professores na universidade para brincar. In: SANTOS, Santa Marli Pires dos. (Org.). A ludicidade como Ciência. Petrópolis: Vozes, 2001, p. 115-119.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. Tradução de João Paulo Monteiro. 7 ed. São Paulo: Perspectiva. 2012.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. Tradução de Juliana dos Santos Padilha. 7. ed. São Paulo, Cortez, 2009.

KALEFF, Ana. Tomando o ensino de Geometria em nossas mãos. Educação Matemática em Revista, Blumenau, n. 2, p. 19-25, 1994.

LOREZANTO, Sergio. (Org). O Laboratório de Ensino de Matemática na formação de professores. 3. ed. Campinas: Autores associados, 2010.

LORENZATO, Sergio. Educação Infantil e percepção matemática. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2011.

MOURA, Manoel Oriosvaldo de. A séria busca no jogo: do lúdico na Matemática. In: KISHIMOTO, Tizuko. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 2011, p. 81-97.

MUNIZ, Cristiano Alberto. Educação lúdica da Matemática, Educação Matemática lúdica. In: SILVA, Américo Junior Nunes da; TEIXEIRA, Heurisgleides Sousa. (Org.). Ludicidade, formação de professores e Educação Matemática em diálogo. Curitiba: Appris, 2016, p. 12-28.

PENNA, Antônio Gomes. Percepção e realidade: introdução ao estudo da atividade perceptiva. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

SÁ, Antônio Villar Marques de; SILVA, Américo Junior Nunes; BRAGA, Maria Dalvirene; SILVA, Onã. (Org.). Ludicidade e suas interfaces. Brasília: Líber livros, 2013.

SANTOS, Santa Marli Pires dos; CRUZ, Dulce Regina Mesquita. O lúdico na formação do educador. In: SANTOS, Santa Marli Pires dos. (Org.). O lúdico na formação do educador. 9. ed. Campinas: Autores Associados, 2011, p. 7-18.

SILVA, Américo Junior Nunes da. A ludicidade no laboratório: considerações sobre a formação do futuro professor de Matemática. Curitiba: Editora CRV, 2014.

SILVA, Américo Junior Nunes da. PASSOS, Carmen Lúcia Brancaglion. Querido diário: o que dizem as narrativas sobre a formação e a futura prática do professor que ensinará Matemática nos Anos Iniciais. Hipátia, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 46-57, 2016.

SILVA, Américo Junior Nunes da. PASSOS, Carmen Lúcia Brancaglion. Formação do professor que ensina Matemática, ludicidade e narrativas: o que se pesquisou no Brasil. Reveduc, São Carlos, v. 14, p. 1-18, 2020.

SILVA, Américo Junior Nunes da; NASCIMENTO, Ana Maria Porto do; MUNIZ, Cristiano Alberto. O necessário olhar do professor sobre a produção matemática das crianças nos Anos Iniciais. Educação Matemática em Revista, Brasília, n. 54, p. 48-55, jul. 2017.

SILVA, Jonas Laranjeira Saraiva da; EVANGELISTA, Joil Ramos; SANTOS, Rafael Batista dos; MENDES, Paulo Muniz. Matemática lúdica – Ensino Fundamental e Médio. Educação em Foco, Amparo, v. 6, n. 3, p. 26-36, maio 2013.

SMOLE, Katia Stocco; DINIZ, Maria Ignez; MILANI, Estela. Cadernos do Mathema: jogos de Matemática do 6° ao 9° ano. Porto Alegre: Artmed 2007.

SOARES, Eduardo Sarquis. Ensinar Matemática: desafios e possibilidades. Belo Horizonte: Dimensão, 2009.

TOLEDO, Marilia Barros de Almeida; TOLEDO, Mauro de Almeida. Teoria e prática de Matemática: como dois e dois. São Paulo: FTD, 2009.

Arquivos adicionais

Publicado

2020-05-23