Aprendizagem matemática através da elaboração de problemas em uma escola comunitária rural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24116/emd.e202013

Resumo

Neste artigo, apresentamos resultado de uma pesquisa de doutorado realizada com estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental de uma Escola Municipal Comunitária Rural, cujo objetivo foi investigar como problemas elaborados pelos estudantes podem contribuir para suas aprendizagens. Os dados foram construídos por meio da observação participante e da análise do enredo textual dos problemas elaborados pelos estudantes em um contexto de aprendizagem que levou em consideração conteúdos desenvolvidos por eles em etapas anteriores da pesquisa. Com abordagem qualitativa, a investigação configura-se como pesquisa-ação, em que os dados foram submetidos à análise textual discursiva a partir dos registros da elaboração dos problemas e das observações. Os resultados mostram que os problemas elaborados pelos estudantes estiveram relacionados, em sua maior parte, às operações fundamentais da Matemática, especialmente a adição e multiplicação como potencial para desenvolver aspectos da criatividade e da criticidade dos estudantes.

Palavras-chave: Educação Matemática. Elaboração de Problemas. Aprendizagem discente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALLEVATO, Norma Suely Gomes; ONUCHIC, Lourdes de la Rosa. Ensino-aprendizagem-avaliação de Matemática: por que através da resolução de problemas. In: ONUCHIC, Lourdes de la Rosa; ALLEVATO, Norma Suely Gomes; NOGUTI, Fabiane Cristina Höpner; JUSTULIN, Andresa Maria. (Org.). Resolução de problemas: teoria e prática. Jundiaí: Paco Editorial, 2014, p. 35-52.

ALTOÉ, Renan Oliveira. Formulação de problemas do campo conceitual multiplicativo no Ensino Fundamental: uma prática inserida na metodologia de resolução de problemas. 2017. 227f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) — Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Espírito Santo. Vitória.

ANDRADE, Silvanio. Um caminhar crítico reflexivo sobre resolução, exploração e proposição de problemas matemáticos no cotidiano da sala de aula. In: ONUCHIC, Lourdes de la Rosa; LEAL JUNIOR, Luiz Carlos; PIRONEL, Marcio (Org.). Perspectivas para resolução de problemas. São Paulo: Livraria da Física, 2017, p. 355-395.

BARBIER, René. A pesquisa-ação na instituição educativa. Tradução de Estela dos Santos Abreu, com a colaboração de Maria Wanda Maul de Andrade. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

BOAVIDA, Ana Maria Roque; PAIVA, Ana Luisa; CEBOLA, Graça; VALE, Isabel; PIMENTEL, Teresa. A experiência matemática no Ensino Básico. Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico. Lisboa: Direção-Geral da Educação, 2008.

BONOTTO, Cinzia. Artifacts as sources for problem-posing activities. Educational Studies in Mathematics, New York, n. 83, p. 37-55, oct. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEB, 2017.

CHICA, Cristiane Henriques. Por que formular problemas? In: SMOLE, Kátia Stocco; DINIZ, Maria Ignez. (Org.). Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender Matemática. 1. ed. reimp. São Paulo: Artmed, 2001, p. 151-173.

DANTE, Luís Roberto. Formulação e resolução de problemas de Matemática: teoria e prática. São Paulo: Ática, 2011.

GONTIJO, Cleyton Hércules; CARVALHO, Alexandre Tolentino de; FONSECA, Mateus Gianni; FARIAS, Mateus Pinheiro de. Criatividade em Matemática: conceitos, metodologias e avaliação. Brasília: Editora UnB, 2019.

GONTIJO, Cleyton Hércules. Estratégias para o desenvolvimento da criatividade em Matemática. Linhas Críticas, Brasília, v. 12, n. 23, jul./dez. 2006.

GONTIJO, Cleyton Hércules. Relações entre criatividade, criatividade em Matemática e motivação em Matemática de alunos do Ensino Médio. 2007. 194f. Tese (Doutorado em Psicologia) — Instituto de Psicologia. Universidade de Brasília. Brasília.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

KILPATRICK, Jeremy. Problem formulating: where do good problems come from? In: SCHOENFELD, Alan H. (Ed.). Cognitive science and mathematics education. Hillsdale, New Jersey: Erlbaum, 1987, p. 123-147.

MEDEIROS, Kátia Maria; SANTOS, Antônio José Barboza. Uma experiência didáctica com a Formulação de Problemas matemáticos. Zetetiké, Campinas, v. 15, n. 28, jul./dez. 2007.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. 3. ed. Ijuí: Unijuí, 2016.

SANTIAGO, Ivana. Formulação e resolução de problemas matemáticos: um estudo exploratório sobre o pensamento de crianças do Ensino Fundamental. 2011. 121f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Centro Universitário Moura Lacerda. Ribeirão Preto.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. 16. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

VAN DE WALLE, John A. Matemática no Ensino Fundamental: formação de professores e aplicação em sala de aula. Tradução de Paulo Henrique Colonese. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

VIEIRA, Gilberto. Tarefas exploratório-investigativas e a construção de conhecimentos sobre figuras geométricas espaciais. 2016. 169f. Tese. (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática) — Universidade Cruzeiro do Sul. São Paulo.

YEVDOKIMOV, Oleksiy. On development of students’ abilities in problem posing: a case of plane geometry. In: 4th MEDITERRANEAN CONFERENCE ON MATHEMATICS EDUCATION, 2005, Palermo. Proocedings of the 4th MCME. Palermo, 2005, p. 255-267.

Arquivos adicionais

Publicado

2020-04-11

Edição

Seção

Dossiê — Modelagem Matemática e Resolução de Problemas