Terra indígena e unidades de conservação: considerações sobre o território Xakriabá, no Norte de Minas Gerais

Autores

  • Cássio Alexandre Silva Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Anete Marília Pereira Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Rosselvelt José Santos Universidade Federal de Uberlândia-UFU
  • Fabiana Santos Salis Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Palavras-chave:

Terra Indígena. Unidade de Conservação. Territórios. Conflitos. Xakriabá.

Resumo

O território é cada vez mais a categoria utilizada para se compreender os processos contraditórios de uso do espaço. O território é uma criação humana, é nele que os homens se apropriam da natureza, que realizam todas as suas ações. É histórico, pois nele estão inscritas ações passadas e presentes, uma configuração territorial se sobrepondo a outra. Partindo dessa premissa, no presente trabalho buscamos compreender os conflitos que ocorrem no
território dos Xakriabá, povo indígena que vive no Norte de Minas Gerais. Os conflitos pela manutenção e ampliação territorial marcam a história desse
grupo. Em 1728, Januário Cardoso de Almeida, então administrador dos Índios da Missão de São João do Riacho do Itacaramby fez doação de grande
porção de terras aos índios, que as registraram em cartório de Ouro Preto, em 1856. Desde então, sucessivos conflitos instalaram entre os indígenas,
posseiros e grileiros que reivindicavam a propriedade da área.A demarcação da terra indígena só ocorreu em 1978 e a homologação nove anos depois
(1987). Recentemente, a criação de Unidades de Conservação integrantes do Mosaico Sertão Veredas do Peruaçu tem adicionado mais um elemento à questão territorial dos Xakriabá. Usualmente, a sobreposição de Terras Indígenas (TI) e Unidades de Conservação (UC) é tratada como um conflito de
interesses. No presente estudo associamos a pesquisa teórica (bibliográfica e documental) ao trabalho de campo no propósito de evidenciar se a sobreposição de TI e UC, no caso norte mineiro, se manifesta como mais um conflito ou é uma forma de minimizar os conflitos e gerir a área da melhor
maneira possível, atentando para a conservação ambiental e proteção da cultura indígena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássio Alexandre Silva, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Docente do Departamento de Geociências da Unimontes.

Anete Marília Pereira , Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Docente do Departamento de Geociências da Unimontes.

Rosselvelt José Santos, Universidade Federal de Uberlândia-UFU

Docente do Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia-UFU.

Fabiana Santos Salis, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Bolsista de Iniciação Científica – FAPEMIG

Referências

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.

CORRÊA, Roberto Lobato. Territorialidade e corporação: um exemplo. In:SANTOS, Milton (Orgs.) Território: Globalização e Fragmentação. 3ª ed. São Paulo:EditoraHucitec, 1996. p.251-256. p.251.

Fundação Pró-Natureza – FUNATURA. Plano de Desenvolvimento Territorial de Base Conservacionista do Mosaico Sertão Veredas- -Peruaçu. Brasília, 2008.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Os indígenas no Censo Demográfico 2010 – primeiras considerações com base no quesito cor ou raça. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão/ Diretoria de Pesquisas. Rio de Janeiro: 2012. Acessado em 15.12.12 http://www.ibge. gov.br/indigenas/indigena_censo2010.pdf

LUCIANO, G. dos S. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade - SECAD em parceria com o Museu Nacional, Laboratório de Pesquisas em Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento - LACED, 2006. 227 p. (Coleção Educação para todos, 12). (Vias dos saberes, n. 1). Obra com apoio da Fundação Ford e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura - UNESCO. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/ 0015/001545/154565por.pdf>. Acesso em: abr. 2012.

SANTOS, Milton.A Natureza do Espaço. Técnica e Tempo. Razão e Emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SAQUET, Marcos Aurélio; ANTONELLO, Joice A. A territorialização na agricultura familiar: materializações na paisagem de Francisco Beltrão (Paraná, Brasil) In: anais V SIMPGEO (Simpósio Paranaense de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia). Curitiba, 2010, p. 405-420.

Fontes:

JORNAL DO DIA 03/09/2013

G1 Grande Minas 16/09/13

http://www.ief.mg.gov.br/areas-protegidas

http://mosaico.cub3.com.br/travessia/

http://mosaico.cub3.com.br/areas-protegidas-do-msvp/

Downloads

Publicado

2014-12-31

Como Citar

SILVA, C. A.; PEREIRA , A. M.; SANTOS, R. J.; SALIS, F. S. Terra indígena e unidades de conservação: considerações sobre o território Xakriabá, no Norte de Minas Gerais. Revista Cerrados, [S. l.], v. 12, n. 01, p. 73–84, 2014. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/2978. Acesso em: 11 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>