Comunidades remanescentes de quilombos: reflexão sobre territorialidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc2448269220181601248265

Palavras-chave:

Comunidades Tradicionais. Território. Territorialidade. Remanescentes Quilombolas.

Resumo

Pretende-se discutir neste artigo o processo de territorialidade para formação das comunidades remanescentes de quilombos no Brasil. E, para tanto, fez-se necessário compreender as diversas concepções sobre a categoria Comunidade Tradicional no que tange a perspectivas classificatórias, políticas, jurídicas e territoriais, bem como aos aspectos envolvidos na constituição das Comunidades Remanescentes de Quilombos.  A comunidade tradicional se reconhece pela tradicionalização como estratégia e movimento de luta e resistência em defesa do seu território. O processo de identificação e reconhecimento da comunidade remanescente de quilombo perpassa pela ressemantização do termo “Quilombo” e politização do grupo social na consolidação pelo direito coletivo do território e manutenção do modo de vida. A memória de luta e resistência, as práticas envolvendo a terra, em seu valor de uso para o trabalho e manutenção da cultura, a reciprocidade e as fronteiras simbólicas engendram a territorialidade das comunidades remanescentes de quilombo. São a trajetória da vida cotidiana, as relações estabelecidas pelos sujeitos no lugar - que fazem a sua história - que constroem o processo de territorialidade. O território se constitui, portanto, em uma produção histórica, relacional material e imaterial, e a territorialidade trata da dimensão vivencial e subjetiva, ou seja, do campo experiencial daqueles que vivenciam o processo de territorialização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Maria Santos, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES, Brasil, Minas Gerais, Brasil.

Possui Graduação em Psicologia pela Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ) e Mestrado em Desenvolvimento Social pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Atualmente é Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).

Anete Marília Pereira , Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES, Brasil, Minas Gerais, Brasil.

Possui Graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente é Professora do Programa de Pós-Graduação em Geografia do Departamento de Geociências e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social, ambos da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).

Andréa Maria Narciso Rocha de Paula, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES, Brasil, Minas Gerais, Brasil.

Possui Graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente é Professora do Programa de Pós-Graduação em Geografia do Departamento de Geociências e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social, ambos da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).

Referências

ARAUJO, Elisa De Cotta. Nas margens do São Francisco: sociodinâmicas ambientais, expropriação territorial e afirmação étnica do Quilombo da Lapinha e dos vazanteirosdo Pau de Légua (Dissertação de Mestrado) – PPGDS –Unimontes, Montes Claros, 2009.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A Comunidade Tradicional.In: COSTA, João B. A; OLIVEIRA, Claudia L. Cerrado, Gerais, Sertão: Comunidades Tradicionais nos sertões roseanos. São Paulo: Intermeios, 2012.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

COSTA, João Batista de Almeida. Do Tempo da Fatura dos Crioulos ao Tempo de Penúria dos Morenos: Identidade através de rito em Brejo dos Crioulos (MG). (Dissertação de Mestrado) Brasília: UnB/Departamento de Antropologia, 1999.

COSTA FILHO, Aderval. Os Gurutubanos: territorialização, produção e sociabilidade em um quilombo do centro norte-mineiro. Tese (Doutorado) – Instituto de Ciências Sociais – Departamento de Antropologia da UNB.. Brasília: ICS-UnB, 2008.

DIEGUES, Antônio Carlos Santana. O Mito da Natureza Intocada. 3 ed.São Paulo: Hucitec, 2001.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Sobre a Tipologia de Territórios. Disponível em http://www.gepec.ufscar.br/textos-1/textos-educacao-do-campo/sobre-a-tipologia-de-territorios/view acesso em set de 2015.

FIGUEIREDO, André Luiz Videira de. O “caminho quilombola”: interpretação constitucional e reconhecimento de direitos étnicos. Tese (Doutorado) - Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UCAM/IUPERJ, 2009.

INSTITUTO Brasileiro de Geografia e Estatística -IBGE. Censo Demográfico de Pedra de Maria da Cruz - Minas Gerais. 2010. Disponível em <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=314915> acesso em dez. de 2015.

HAESBAERT, Rogério. Da Desterritorialização à Multiterritorialidade. Boletim Gaúcho de Geografia, 29: 11–24, jan., 2003. Versão online disponível em <http://seer.ufrgs.br/bgg/article/view/38739/26249> acesso em 05 de jan. 2016.

________ Dos Múltiplos Territórios à Multiterritorialidade. 2004. Disponível em <http://www.ufrgs.br/petgea/Artigo/rh.pdf> acesso em 06 de jun. 2016.

LEITE, Ilka Boaventura. Os Quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas. Etnográfica, Vol. IV (2), 2000, pp. 333-354. Disponível em <http://ceas.iscte.pt/etnografica/docs/vol_04/N2/Vol_iv_N2_333-354.pdf> acesso em 18 de out. 2015.

LIMA, Hélder Seixas. Inclusão Digital em uma Comunidade Quilombola no Norte de Minas: um novo olhar sobre a globalização e o domínio da técnica. 2º Seminário Nacional de Inclusão Digital - SENID. Passo Fundo/RS, 08-10 de abril, 2013. Disponível em <http://gepid.upf.br/senid/download/senid2013/Artigo_Completo/109637.pdf> acesso em 16 de out. 2015

LITTLE, Paul E. Territórios Sociais e Povos Tradicionais no Brasil: Por uma antropologia da territorialidade. Série Antropologia, Departamento de Antropologia Instituto de Ciências Sociais Universidade de Brasília, 2002.

MARÉS, Carlos. Introdução: terras de preto. In: Leitão, S. (Org.). Direitos territoriais das comunidades negras rurais. São Paulo, Doc. ISA n°05, 1999.

QUERINO, Augusto José. A Liberdade e os Quilombos na Ocupação Humana do Território no Sertão Norte Mineiro. Revista Desenvolvimento Social – Universidade Estadual de Montes Claros – MG, 2006. Disponível em <http://www.rds.unimontes.br/index.php/desenv_social/article/view/77> acesso em 16 de out. de 2015.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

REIS, João José. Quilombos e Revoltas Escravas no Brasil. Revista U S P, São Paulo ( 2 8 ) : 1 4 - 3 9, dezembro/fevereiro, 199 5 / 9 6. Disponível em <http://www.usp.br/revistausp/28/02-jreis.pdf> acesso em 15 de out. de 2015.

SAQUET, Marcos Aurélio. As Diferentes Abordagens do Território e a Apreensão do Movimento e da (I)Materialidade. Geosul, Florianópolis, v.22. n. 43, p 55-76, jan./jun. 2007.

SANTOS, Lilian Maria et al. Vozes do Quilombo: um relato de experiência vivenciada na Comunidade Quilombola de Palmeirinha. 2ª Mostra Nacional de Práticas em Psicologia: compromisso com a construção do bem comum.São Paulo, SP, 2012.

SANTOS, Lilian Maria et al. Vozes do Quilombo: um relato de experiência vivenciada na Comunidade Quilombola de Palmeirinha. II Seminário da Saúde da População Negra e Quilombola do Estado de Minas Gerais, I Fórum Estadual Sobre Saúde Bucal da População Negra e Quilombola de Minas Grais, Montes Claros, Mg, 2011.

Downloads

Publicado

2018-06-30

Como Citar

SANTOS, L. M.; PEREIRA , A. M. .; PAULA, A. M. N. R. de . Comunidades remanescentes de quilombos: reflexão sobre territorialidades. Revista Cerrados, [S. l.], v. 16, n. 01, p. 248–265, 2018. DOI: 10.22238/rc2448269220181601248265. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/1298. Acesso em: 27 jul. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>