Revista Cerrados https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados <div id="journalDescription"> <p>A Revista Cerrados é um periódico de publicação em fluxo contínuo do <strong><a href="https://www.posgraduacao.unimontes.br/ppgeo/">Programa de Pós-Graduação em Geografia</a></strong> e do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes, que busca publicar os trabalhos científicos de interesse da ciência geográfica e de áreas afins.</p> </div> Editora Unimontes pt-BR Revista Cerrados 1678-8346 <p>Nesta Revista, os Direitos Autorais para artigos publicados são do(s) autor(es), sendo os direitos da primeira publicação pertecentes à Revista Cerrados. Os artigos são de acesso público, de uso gratuito, de atribuições próprias, de atribuições educacionais e de aplicações não comerciais. </p> Geotecnologias aplicadas ao mapeamento da densidade da população vulnerável do município de Alfenas-MG para ações prioritárias no enfrentamento da Covid 19 https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3990 <p>O uso de geotecnologias para o mapeamento de fenômenos epidemiológicos tem se destacado como valiosa ferramenta do ponto de vista do monitoramento de modo geoespacial e individualizado, auxiliando desse modo na tomada de decisões por parte de gestores públicos no enfrentamento, por exemplo, do novo Corona vírus também chamada de Covid 19. A presente pesquisa teve como objetivo realizar o mapeamento da densidade de população vulnerável do município de Alfenas-MG por meio de cruzamento de dados de faixa etária (acima de 60 anos) com os dados do Cadastro Único dos Benefícios de Prestação Continuada (BPC) e Bolsa Família, um dos principais benefícios assistenciais do governo federal para pessoas de baixa renda. Foi utilizado o interpolador do tipo Kernel para gerar os mapas de densidade por meio da plataforma de Sistemas de Informação Geográfica Quantum GIS. Destacam-se como principais resultados os produtos cartográficos como mapas com as densidades dessa população que se concentram nas áreas mais centrais de Afenas-MG, levando em consideração o BPC mais a população acima de 60 anos e nas áreas mais periféricas na análise do cruzamento de dados do Bolsa Família e população acima de 60 anos. Concluiu-se que o procedimento adotado pode servir como valioso parâmetro nas ações que estão norteando o enfrentamento da Covid-19 e, muito em breve, nas campanhas de vacinação para essa população no momento que a vacina for disponibilizada no Plano Nacional de Imunização - PNI e que terá grande relevância para os gestores públicos e agentes de assistência social.</p> Rodrigo José Pisani André Luiz da Silva Bellini Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-07-01 2021-07-01 19 02 03 19 10.46551/rc24482692202117 Geografia, livro didático e educação: problematizações da temática agrária no Ensino Fundamental https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3878 <p>A finalidade deste trabalho consistiu em analisar a temática agrária no livro didático a partir das perspectivas estudantis detalhadas em questões relacionadas e comparadas com o livro didático adotado: Expedição Geográfica, 6º ano do ensino fundamental (2015). Os procedimentos metodológicos envolveram a aplicação de questionários para 64 estudantes da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Juscelino Kubitschek do município de Santa Luzia d’Oeste, com posterior análise documental do material didático. A lente teórica adotada foi a educação crítica (FREIRE, 1987; 2002), concepção que sustenta as relações indissociáveis entre sociedade e escola com vistas às transformações sociais. Neste sentido, reconhece a importância de os estudantes apreenderem os atuais problemas sociais e ambientais que vêm impactando as estruturas agrárias no Brasil. Conclui-se que as percepções de aprendizagem dos estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental acerca das questões agrárias se aproximam das perspectivas descritas pelo livro didático, e este, por sua vez, está correlacionado ao planejamento anual do professor, e assim, postulam uma visão ancorada nas expectativas das políticas neoliberais sem questionar os seus efeitos na região amazônica, demandas para um processo formativo de cunho problematizador.</p> Ricardo Gilson da Costa Silva Mirian Pereira Suave Josélia Gomes Neves Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-07-01 2021-07-01 19 02 20 51 10.46551/rc24482692202118 Desenvolvimento territorial do Ceará: uma análise a partir de índices e indicadores https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3606 <p>No presente trabalho, são discutidos os índices de desenvolvimento territorial, aplicando e analisando dados dos municípios do estado do Ceará. Para isso, foram utilizadas quatro dimensões na análise: ambiental, político-institucional, econômica e espacial, através de duas variáveis que retratam cada uma das dimensões. Além disso, buscou-se identificar, por meio do índice de Moran, características relativas à dependência espacial entre os municípios e entre seus respectivos índices de desenvolvimento territorial. A forma de calcular o índice de desenvolvimento territorial seguiu os passos dados no cálculo do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e do Índice de Desenvolvimento Sustentável aplicado por Sepúlveda (2005; 2008). Em seguida, foram calculados os índices de correlação espacial de Moran, globais e locais para o desenvolvimento territorial, identificando assim, <em>clusters</em> pelo Ceará. No que diz respeito aos resultados, contatou-se que os melhores índices de desenvolvimento territorial foram obtidos pelos municípios de Fortaleza, Eusébio e Sobral. Também foi identificada, por meio dos índices de Moran local e global, a existência de cinco <em>clusters</em> principais. Deste modo, a existência de poucos agrupamentos indica deficiências que impedem o estopim para o desenvolvimento territorial do estado.</p> Winnie Moreira Albuquerque Filipe Augusto Xavier Lima Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-07-01 2021-07-01 19 02 52 80 10.46551/rc24482692202119 A Comunidade Quilombola Bom Jardim da Prata em São Francisco/Minas Gerais e os conflitos socioambientais relacionados com o rio São Francisco e imediações https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3761 <p>O Rio São Francisco perpassa pela Mesorregião do Norte de Minas/MG e contribui para sobrevivência e perpetuação de comunidades tradicionais que ocupam suas imediações. O Norte de Minas concentra uma pluralidade de povos tradicionais que dependem do rio para desenvolvimento de suas atividades cotidianas e para sobrevivência, dentre esses povos, destaca-se a Comunidade Quilombola Bom Jardim da Prata, que ocupa uma área rural situada no município de São Francisco. Não obstante, apesar da importância que o Rio São Francisco desempenha na região, têm sido frequentes os impactos socioambientais decorrentes de disputas territoriais e usos predatórios de seus recursos naturais, sobretudo por parte de fazendeiros e grandes empresas, que almejam benefícios econômicos, o que dificulta as ações de manejo sustentável. Assim, define-se como objetivo principal deste artigo analisar os conflitos socioambientais provenientes da relação estabelecida entre comunidades tradicionais e agentes econômicos com o Rio São Francisco. Como procedimentos de pesquisa, adota-se a abordagem qualitativa, com ênfase na consulta às fontes bibliográficas provenientes de teses, dissertações e artigos que tratam dessa temática, produção de mapeamentos e análise crítica oriunda de pesquisa de campo. Como reflexões, destaca-se que o uso indiscriminado dos recursos naturais nas imediações do Rio São Francisco para atender aos interesses econômicos de grandes empresas, associado aos conflitos territoriais travados entre comunidades tradicionais, fazendeiros, sitieiros e grandes empresas vinculadas ao agronegócio, têm resultado em impactos ambientais, bem como, na dificuldade de sobrevivência das comunidades tradicionais e de perpetuação de seus saberes.</p> Amaro Sérgio Marques Brenda Melo Bernardes Alessandro Borsagli Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-07-01 2021-07-01 19 02 81 108 10.46551/rc24482692202120 Evolução e dinâmica espacial intraurbana da COVID-19 em Montes Claros/MG, Brasil https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/4151 <p>Montes Claros, cidade média com população superior a 400 mil habitantes, é o foco principal de concentração do vírus por COVID-19 no Norte do Estado de Minas Gerais, resultado de sua centralidade política, econômica e estrutural, além do seu tamanho demográfico. Até o dia 16 de abril de 2020, registrou-se 30.573 casos e 721 óbitos. A partir disso, este artigo analisa a evolução e dinâmica espacial da Covid-19 em Montes Claros em dois momentos: 03/11/2020 e 19/04/2021. Focalizará na expansão da Covid-19 na escala da cidade, evidentemente sem desconsiderar suas nuances e articulação com outras escalas geográficas. A metodologia pautou-se em uma abordagem qualitativa com levantamento e organização de dados secundários de Covid-19 em Montes Claros, provenientes da Secretaria Municipal de Saúde, disponibilizados através de Boletins Informativos publicados diariamente. Os resultados foram sistematizados em produtos cartográficos analíticos como mapas e gráficos demonstrando a evolução temporal da pandemia. No que tange as análises sobre o comportamento geográfico do vírus, constatou-se sua elevada ampliação para todos os bairros revelando um padrão espacial altamente heterogêneo o que associa e implica no avanço do processo de desigualdade social nessa cidade média.</p> Iara Soares de França Juliana Soares de França Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-08-01 2021-08-01 19 02 109 135 10.46551/rc24482692202121 Setor Sucroalcooleiro de Rio Brilhante (MS): Uma análise de Insumo-Produto https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3863 <p>Rio Brilhante, localizado no estado de Mato Grosso do Sul, vem se destacando na produção de cana de açúcar, sendo que no ano de 2017 foi a segunda maior produtora do Brasil. Neste sentido, pensar no conceito Região é entender que existem inúmeras diferenciações regionais, o que, consequentemente, coloca como necessária uma análise mais aprofundada. Não obstante, diversos teóricos tenham buscado, por meio do desenvolvimento regional, explicar essas complexidades encontradas em cada região de cada subespaço, entre eles destaca-se François Perroux, que permeou sua teoria a partir dos polos de crescimento. Assim, fundamentado nas ideias do autor, estabelecemos como objetivo deste trabalho analisar, por meio de uma matriz insumo-produto, se o setor sucroalcooleiro atua como um polo de crescimento no município de Rio Brilhante - MS. Para tanto, foi adotada uma análise de matriz insumo-produto que permite verificar quais setores possuem maior capacidade de gerar impactos na economia. No resultado das análises sobre o setor sucroalcooleiro de Rio Brilhante (MS), observamos indícios de que este atua como um setor chave para o crescimento econômico do município, entretanto não se pode afirmar que ele atua como um polo de crescimento no sentido estrito da teoria de Perroux.</p> Tatiane Aparecida Dreger Fernandes Mateus Boldrine Abrita Wesley Osvaldo Pradella Rodrigues Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-08-01 2021-08-01 19 02 136 160 10.46551/rc24482692202122 Capacidade de armazenagem de produtos agrícolas em armazéns dos municípios da mesorregião Norte de Minas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3317 <p>A armazenagem é um dos processos mais importantes quem compõem a cadeia produtiva, a logística e o agronegócio. Neste último, o processo de armazenagem torna possível o aumento da produção de grãos, a distribuição e a estabilidade no mercado. Tendo em vista a importância da armazenagem agrícola para o agronegócio, o presente estudo têm como objetivo geral analisar a capacidade estática de armazenagem de produtos agrícolas em armazéns dos municípios da mesorregião Norte de Minas nos anos 2015 e 2020. Através de uma pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa foi possível realizar o levantamento dos dados. Para a realização das análises os dados foram obtidos através do Sistema da Cadastro Nacional de Unidades Armazenadoras da Companhia Nacional de Abastecimento (SICARM/Conab). Através das análises realizadas foi possível inferir que os municípios de Montes Claros/MG e Buritizeiro/MG possuem maiores percentuais de armazéns do tipo convencional nos períodos analisados. Quanto aos armazéns do tipo graneleiro, os municípios de Buritzeiro/MG, Chapada Gaúcha/MG e Pirapora/MG apresentaram os maiores percentuais. Os municípios que possuem maior percentual de capacidade de armazenagem de grãos em armazéns convencionais são Montes Claros/MG e Buritizeiro/MG. No que tange aos armazéns graneleiros, os municípios com as maiores capacidades de armazenamento foram Buritizeiro/MG, Chapada Gaúcha/MG e Pirapora/MG.</p> Éder de Souza Beirão Natália Daniella Santos Silveira Thamires Alves Gomes Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-08-01 2021-08-01 19 02 161 182 10.46551/rc24482692202123 Susceptibilidade a erosão do solo na bacia hidrográfica do córrego Bandeira, Campo Grande – MS https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3789 <p>A urbanização acelerada, desordenada e sem planejamento de Campo Grande a partir da década de 1960 resultou em alterações nos processos hidrológicos e geomórficos, impactando os ambientes terrestres (erosão) e aquáticos (sedimentação). Este trabalho teve como objetivo mapear os locais susceptíveis à erosão do solo na bacia hidrográfica do córrego Bandeira, visando gerar informações que subsidiem os gestores na tomada de decisão. Para investigar como a urbanização influencia na erosão hídrica, foram derivados de um Modelo Digital de Elevação de alta resolução espacial os atributos topográficos Declividade, Índice Topográfico de Umidade, Índice Topográfico de Capacidade de Transporte de Sedimentos e Índice Topográfico de Potência de Escoamento; e uso e cobertura da terra classificado a partir do NDVI de uma imagem Sentinel-2A. Os programas utilizados foram: ArcGIS 10.8.1, SAGA GIS 7.7.0 e SNAP 8.0. A álgebra de mapas resultou em cinco classes de susceptibilidade à erosão: a classe Muito Baixa corresponde a 10,63%, a classe Baixa 33,85%, Média 45,82%, Alta 8,03% e Muito Alta a 1,68% da área da bacia hidrográfica. As principais fontes de sedimentos são as vias sem pavimentação e com sistema de drenagem pluvial inexistente; áreas com vazios urbanos; terraplanagens; e erosão das margens de rios. Os reservatórios são os principais drenos de sedimentos da bacia hidrográfica.</p> Givanildo Ferreira Baloque Viviane Capoane Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-08-01 2021-08-01 19 02 183 217 10.46551/rc24482692202124 Uma visão sobre o extrativismo na flora de briófitas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3858 <p>A exploração excessiva dos recursos naturais vem causando um impacto significativo no meio ambiente, um exemplo é a extração de produtos de origem vegetal. O extrativismo no Brasil é seriamente discutido com relação às espécies nativas e com risco de extinção, tais considerações são de extrema importância para salientar a necessidade da preservação da flora e do meio ambiente. Sendo assim, este estudo teve como objetivo rever na literatura as pesquisas de extrativismo em relação à flora de briófitas. Foi elaborada uma rede bibliométrica com relação às publicações da base SCOPUS sobre os assuntos mais tratados nos estudos com briófitas nos últimos 10 anos. Incluímos também no estudo uma tabela com o registro de 20 espécies de briófitas mais propensas a sofrerem com o extrativismo, de acordo com as informações disponíveis na literatura e com suporte de estudos taxonômicos para identificação.</p> Leandro Almeida Amelio Maria Elizabeth Barbosa de Sousa Emilia Brito Valente Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-08-01 2021-08-01 19 02 218 237 10.46551/rc24482692202125 Territórios da Educação do Campo: do campo em movimento à aprendizagem territorial https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/4318 <p>Este artigo objetiva analisar teoricamente o que convencionalmente configurou-se como território(s) da educação do campo, intentando ampliar o debate sobre esta temática quando considera que há uma conflitualidade no campo brasileiro entre o território do campesinato e o do agronegócio. Além disso, as experiências de educação do campo revelam um território educativo como dimensão prática da aprendizagem territorial, fruto da participação dos povos e movimentos do campo. Embora este trabalho esteja centrado no debate teórico e na revisão bibliográfica, foi realizada a pesquisa documental em sítios eletrônicos do INCRA, IBGE e Censo Escolar/INEP, a fim de correlacionar dados educacionais e de assentamentos rurais do município de Grajaú à luz da análise qualitativa e apresentação de algumas incursões de pesquisa de campo nas escolas do município em tela. Persiste a necessidade de coibir o fechamento de escolas do campo em Grajaú e, por extensão, nos municípios do Sul do Maranhão nos quais avança o agronegócio, bem como a superação da precarização de escolas e territórios rurais. Consequentemente, também é necessária a separação da educação dos vínculos políticos, que a colocam como moeda de troca para alocação de empregos oriundos de apoio político após eleições municipais e/ou estaduais.</p> Marcos Nicolau Santos da Silva Rosimary Gomes Rocha Luciano Rocha da Penha Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-08-01 2021-08-01 19 02 238 271 10.46551/rc24482692202126 Impactos Ambientais na Bacia do Rio Guavinipã no Norte de Minas Gerais https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/4321 <p>A água é essencial para desenvolvimento e manutenção da vida no planeta e é indispensável para a prática de atividades como a agricultura, pecuária, indústria, comércio, abastecimento, uso doméstico, entre outras. É necessário conhecer as ações e inter-relações existentes em uma bacia hidrográfica e os componentes associados às ações antrópicas desencadeadas pela degradação e impactos ambientais. Para identificar os principais impactos ambientais e suas consequências na bacia do rio Guavinipã, no norte de Minas Gerais, gerados pela ação humana, utilizaram-se a visita de campo <em>in loco</em>, para constatação e coleta de dados que foram georreferenciados e fotografados, e revisões bibliográficas. Foram encontrados impactos na bacia, como mineração, desmatamento, degradação da mata ciliar, erosão, poluição, assoreamento, esgotos e concentrados cultivos de pastagens e eucaliptos. Foi observada a necessidade de adoção de medidas pelo poder público juntamente com a população para controlar e mitigar os impactos por meio da educação ambiental, visando à preservação e redução dos impactos na bacia do rio Guavinipã.</p> Wesley Erasmo Alves Boitrago Maria Ivete Soares de Almeida Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-01 2021-09-01 19 02 280 302 10.46551/rc24482692202127 Análise das mudanças do uso e ocupação do solo no município de Araçuaí, Minas Gerais por meio de técnicas de sensoriamento remoto nos anos de 2000 e 2019 https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3889 <p>O estudo objetivou analisar as mudanças no uso e ocupação do solo no município de Araçuaí, Minas Gerais, através de imagens de satélite obtidas por meio do sensoriamento remoto. As imagens utilizadas foram do satélite Landsat 5, sensor TM, referente ao ano 2000 e Landsat 8, sensor OLI, relativo ao ano de 2019. Utilizou-se o software ArcGIS 10.8 para o processamento digital das imagens e a classificação supervisionada, a partir das amostras selecionadas nas imagens. Foram estabelecidas quatro classes de uso do solo: vegetação densa, vegetação rasteira, solo exposto/área urbanizada e corpos d’água. Para o período estudado os resultados apontam redução das classes vegetação densa (1,49%), vegetação rasteira (6,32%) e corpos d’água (0,25%), e consequentemente, expansão da classe solo exposto/área urbanizada de (8,07%). Nesse sentido, destaca-se que as técnicas de sensoriamento remoto constituem como uma importante ferramenta para o conhecimento prévio e o monitoramento contínuo das mudanças ocorridas na paisagem, contribuindo para ações de planejamento, ordenamento territorial e preservação ambiental no município.</p> Dhiego Gonçalves Pacheco Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-01 2021-09-01 19 02 303 322 10.46551/rc24482692202128 O Cerrado como patrimônio nacional: a inclusão do Cerrado no §4º do artigo 225 da Constituição Federal https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/4153 <p>Trata-se de um artigo sobre o processo de inclusão do bioma Cerrado no §4º do artigo 225 da Constituição Federal de 1988. O objetivo principal é descrever como tem acontecido a tentativa legislativa de incluir o Cerrado na Constituição Federal, no rol dos biomas tidos como patrimônio nacional. Para a confecção do trabalho é utilizada a revisão bibliográfica, sendo consultados artigos científicos, sites oficiais da Câmara dos Deputados, Senado Federal, IBGE, MapBiomas e Embrapa, bem como livros que tratem sobre a temática. Os resultados encontrados são 8 PEC’s (Propostas de emenda à Constituição) desde 1995 até 2010, que tentaram incluir o Cerrado na Constituição Federal, contudo, nenhuma atingiu o efeito concreto almejado. Apesar do Cerrado ser o segundo maior bioma do Brasil, e estar sendo alvo da fronteira agrícola, sua proteção legislativa é vaga, o que o expõe ao risco de degradação e extinção.</p> Denise Oliveira Dias Fausto Miziara Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-01 2021-09-01 19 02 323 342 10.46551/rc24482692202129 Ocupações Irregulares em Áreas de Preservação Permanente de Córregos Urbanos no Município de Terra Nova do Norte-Mato Grosso https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/4326 <p>A presente pesquisa analisou as ocupações irregulares em Áreas de Preservação Permanente (APP) de dois córregos urbanos no município de Terra Nova do Norte-MT, destacando a inobservância da legislação ambiental, especialmente o Código Florestal Brasileiro, pelos moradores e poder público. O método de abordagem adotado foi o materialismo histórico e dialético e como procedimento metodológico seguiu-se a pesquisa bibliográfica e a documental que subsidiaram a produção da fundamentação teórica e o levantamento da legislação direcionada ao tema, bem como à análise empreendida. A pesquisa a campo foi realizada para a aquisição de imagens das APP’s com Remotely Piloted Aircraft/Aeronave Remotamente Pilotada (RPA- phantom 4) com resolução espacial de 15 cm, possibilitando a obtenção de imagens mais detalhadas da área de estudo e para o registro da paisagem por meio de câmera fotográfica digital. Como resultado obteve-se que as APPs dos córregos analisados apresentam supressão vegetal, fomentada principalmente pelas ocupações irregulares, oriundas dos processos de segregação imposta e autossegregação, também que o curso d’água está sendo contaminado pelo despejo de esgoto, comprometendo de forma significativa o equilíbrio ambiental da área estudada.</p> Vicente Pontes de Oliveira Neto Judite de Azevedo do Carmo Copyright (c) 2021 Revista Cerrados https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-09-01 2021-09-01 19 02 343 372 10.46551/rc24482692202130