AÇÕES COMPARTILHADAS PARA USO E CONSERVAÇÃO DOS RESERVATÓRIOS BILLINGS E BARRA BONITA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rvg2675239520201324

Palavras-chave:

Hidrelétricas, Gestão compartilhada, Múltiplos usos da água.

Resumo

Os reservatórios de água, além de garantir a potencialidade das usinas hidrelétricas, contribuem para o abastecimento público de muitas cidades localizadas próximas a seus domínios hídricos. Na perspectiva de uma pesquisa qualitativa, este artigo tem como objetivo analisar criticamente a gestão compartilhada do reservatório Billings e do reservatório de Barra Bonita, ambos localizados no Estado de São Paulo, buscando compreender os conflitos que envolvem o uso dos reservatórios e analisar os fatores que resultam nos principais passivos ambientais envolvidos. A hipótese geral sustenta a ideia de que uma gestão compartilhada pode subsidiar a redução dos passivos ambientais existentes nos reservatórios. Trata-se de uma pesquisa realizada por meio da análise de ações desempenhadas por empresas controladas pelo poder público e privado. As análises dos resultados foram norteadas por referenciais teóricos e experimentais. Como metodologia, foram aplicadas entrevistas a representantes da Emae, Cetesb, Sabesp e AES-Tietê visando compreender a gestão dos reservatórios e permitir os fatores que resultam nos principais passivos ambientais envolvidos. Os resultados identificaram dificuldades em conduzir uma gestão compartilhada entre os usuários e operadores dos reservatórios, e a partir de tal análise, será possível elaborar medidas que reduzam os passivos ambientais que atingem os reservatórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Almeida, Secretaria de Estado da Educação do Estado de São Paulo

Daniel Ladeira Almeida

Bacharel e Licenciado em Geografia com ênfase em Gestão Ambiental e Territorial - PUC-CAMPINAS. Especialista em Ensino de Geografia - UNESP - Presidente Prudente. Mestrado e Doutorado em Energia - UFABC. Professor efetivo da rede estadual de ensino - São Paulo. 

Referências

ABRANCHES, S. H. A questão da empresa estatal: economia política e interesse público. Revista de Administração de Empresa, Rio de Janeiro, v. 4, n. 19, p. 95-105, out./dez, 1979. Disponível em: <https://rae.fgv.br/rae/vol19-num4-1979/questao-empresa-estatal-economia-politica-interesse-publico>. Acesso em: 12 jun. 2020.

ACSELRAD, H. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais, In: ACSELRAD, Henri. (org.) Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004, p. 13-35.

AES-BRASIL. Perfil das Usinas AES Tietê. Disponível em: <http://www.aesbrasil.com.br/indicadores/2006/port/rs_tiete/01.htm>. Acesso em: 14 mai. 2014.

ANA. Agencia Nacional de Águas. Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil – Encarte Especial sobre a Crise Hídrica. Disponível em <http://conjuntura.ana.gov.br/docs/crisehidrica.pdf>. Acesso em: 9 jul. 2016.

ANEEL. Guia de avaliação de assoreamento de reservatórios. Disponível em: <http://www2.aneel.gov.br/biblioteca/downloads/livros/Guia_ava_port.pdf.> Acesso em 12 jun. 2020.

ANELLI, R. L. S. Uma nova cidade para as águas urbanas. São Paulo: Estudos Avançados, v. 29, n. 84, p. 69-84, maio-agosto, 2015. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/ea/v29n84/0103-4014-ea-29-84-00069.pdf>. Acesso em: 12 jun. 2020.

AQUINO, L.C.S. Recuperação florestal de margens de reservatórios: proteção dos recursos hídricos, manutenção da biodiversidade e recomposição da paisagem. In: CAMPOGNOLI, F.; DINIZ. N. C (orgs). Gestão de reservatório de hidrelétricas. São Paulo: Oficina de Textos, 2012, p. 131-143.

AUTOMARE, M. M. Água: a escolha da ciência. São Paulo: Estudos Avançados, v. 29, n. 84, p. 103-114, maio-agosto, 2015.

BECK, U. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. 2ª ed. São Paulo: Editora 34, 2011.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Plano Nacional de Recursos Hídricos. Brasília, DF: MMA, 2006.

CAMPAGNOLI, F.; TUNDISI, J.G. Desafios na gestão de reservatórios de hidrelétricas no Brasil. In: CAMPOGNOLI, F.; DINIZ. N. C (orgs). Gestão de reservatório de hidrelétricas. São Paulo: Oficina de Textos, 2012, p. 175-182.

CAMPAGNOLI, F. Gestão de reservatórios de hidrelétricas: o potencial hidráulico da união gerido como recurso renovável. In: CAMPOGNOLI, F.; DINIZ. N. C (orgs). Gestão de reservatório de hidrelétricas. São Paulo: Oficina de Textos, 2012a, p. 11-14.

CARMO, R. L. do. A água é o limite? Redistribuição espacial da população e recursos hídricos no Estado de São Paulo. Tese de doutorado apresentado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001. 203 p.

CETESB. Institucional. Histórico. Disponível em: <http://www.cetesb.sp.gov.br/institucional/histórico/>. Acesso em: 15 mar. 2016.

CÔRTES, P.L.; TORRENTE, M. Crise de abastecimento de água em São Paulo e falta de planejamento estratégico. Estudos avançados, São Paulo: IEA, v. 29, n. 84, p. 7-26, maio/agosto, 2015.

FRACALANZA, A.P.; CAMPOS, V.N. O. Produção social do espaço urbano e conflitos pela água na região metropolitana de São Paulo. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, Fundação Seade, v. 20, n. 2, p. 32-45, abr./jun. 2006. Disponível em: <http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v20n02/v20n02_03.pdf>. Acesso em: 12 jun. 2020.

GALVÃO, J.; BERMANN, C. Crise hídrica e energia: conflito no uso múltiplo das águas. São Paulo: Estudos Avançados, v. 29, n. 84, p. 43-68, mai-ago, 2015.

GOMES, J.L.; BARBIERI, J.C. Gerenciamento de recursos hídricos no Brasil e no estado de São Paulo: um novo modelo de política pública. São Paulo: Cadernos Ebape.BR, v. 2, n. 3, p. 1-21, dezembro, 2004.

GRANZIERA, M. L. M. Direito de Águas. Jornal Carta Forense, São Paulo, 03/05/2014. Disponível em: <http://www.cartaforense.com.br/conteudo/entrevistas/direito-de-aguas/14507>. Acesso em: 09 ago. 2016.

INSTITUTO TRATA BRASIL. Ociosidade das Redes de Esgoto. Disponível em: <http://www.tratabrasil.org.br/datafiles/estudos/ociosidade/relatorio-completo.pdf>. Acesso em: 08 out. 2016.

ITAIPU. Relatório de Sustentabilidade 2014. Curitiba: Itaipu Binacional, 2015. 124p.

JACOBI, P.R.; CIBIM, J.; LEÃO, R.S. Crise hídrica na macrometrópole paulista e respostas da sociedade civil. Estudos avançados, São Paulo: IEA, v. 29, n. 84, p. 27-42, maio/agosto, 2015a.

JACOBI, P.R. et al. Governança da água no Brasil. In: JACOBI, P.R.; FRACALANZA, A.P.; EMPINOTTI, V. Governança da água no contexto ibero-americano: inovação em processo. São Paulo: GovAmb: Procam USP: Annablume, 2015b, p. 11-28.

MARCONDES, M. A. Expedição mananciais 2016: reservatório Billings Guarapiranga. Projeto IPH – Índice de Poluentes Hídricos. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2016.

PRADO, R.B.; NOVO, E.M.L. Avaliação espaço-temporal da relação entre o estado trófico do reservatório de Barra Bonita (SP) e o potencial poluidor de sua bacia hidrográfica. Sociedade e Natureza, Uberlândia, v. 2, n. 19, p. 5-18, dezembro 2007.

RAMALHO, M.L. Território e macrossistema elétrico nacional: as relações entre privatização, planejamento e corporativismo. Dissertação de mestrado em Geografia apresentado ao Programa de Pós-graduação em Geografia Humana, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. 201 f

SABESP. Índices de coleta e tratamento. Disponível em: <http://site.sabesp.com.br/site/interna/Default.aspx?secaoId=631>. Acesso em: 15 out. 2016.

SEADE. Sistema Seade de Projeções Populacionais. São Paulo: SEADE, 2016, Disponível: <http://produtos.seade.gov.br/produtos/projpop/>. Acesso em: 9 jul. 2016.

SÃO PAULO (Estado). Lei nº 13.579, de 13 de julho de 2009. Define a área de proteção e recuperação dos mananciais Billings – APRA-B, e dá outras providências correlatas. Diário Oficial. São Paulo, 16 setembro 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2016.

TEIXEIRA, C.G. Pagamento por serviços ambientais de proteção às nascentes como forma de sustentabilidade e preservação ambiental. Dissertação de mestrado em Direito apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Direito Socioambiental, da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2011. 198 f

VARGAS, M. C. O negócio da água – riscos e oportunidades das concessões de saneamento à iniciativa privada: estudos de caso no Sudeste brasileiro. São Paulo: Annablume, 2005.

Downloads

Publicado

2020-06-26 — Atualizado em 2020-06-29

Versões

Como Citar

Almeida, D. (2020). AÇÕES COMPARTILHADAS PARA USO E CONSERVAÇÃO DOS RESERVATÓRIOS BILLINGS E BARRA BONITA. Revista Verde Grande: Geografia E Interdisciplinaridade, 2(01), 3-24. https://doi.org/10.46551/rvg2675239520201324 (Original work published 26º de junho de 2020)