https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/issue/feed Revista Verde Grande: Geografia e Interdisciplinaridade 2024-02-19T12:41:11+00:00 Gustavo Henrique Cepolini Ferreira revista.verdegrande@unimontes.br Open Journal Systems <p>A Revista Verde Grande: Geografia e Interdisciplinaridade (ISSN: 2675-2395) é uma publicação em fluxo contínuo do Departamento de Geociências e do <a href="https://www.posgraduacao.unimontes.br/ppgeo/">Programa de Pós-Graduação em Geografia - PPGEO</a> da Universidade Estadual de Montes Claros – <a href="https://unimontes.br/">Unimontes</a> e conta com a parceria da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Montes Claros-MG, cujo objetivo é publicar os trabalhos científicos, técnicos e culturais de interesse da área de Geografia, Geociências, Geografia Física, Ciências Ambientais entre outras temáticas afins. Assim, a Revista Verde Grande constitui-se num amplo projeto de divulgação dos trabalhos de professores, pesquisadores, extensionistas, movimentos sociais e ambientais de instituições e organizações brasileiras e internacionais, originários de tese, de dissertação, bem como de projetos de pesquisa, ensino, extensão, inovação e difusão seguindo os princípios éticos e os rigores científicos.</p> https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6375 Intervenções públicas em áreas de risco avoçorocamento na cidade de Manaus (AM) 2023-05-31T12:44:34+00:00 Deivison Carvalho Molinari molinari_geo@yahoo.com.br <p>As intervenções por meio de “obras” públicas realizadas pela Prefeitura Municipal de Manaus e Governo do Estado do Amazonas apresentam-se de duas formas: urbanístico-ambientais integradas e pontuais. As intervenções urbanístico-ambientais integradas, tais como Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (PROSAMIN), Estação de Captação e Distribuição do PROAMA, entre outros, apresentam como caracterisiticas comuns, tais como: grande escala socioespacial, contingente significativo de pessoas direta/indiretamente beneficiadas e afetadas, área de influencia direta/indireta para além do objeto de intervenção, ações de natureza múltipla, integrada e condicionadas ao tipo de obra, execução multisetorial, etc. Por outro lado, as obras pontuais, como o caso daRecuperação “Revitalização” dasÁreas de Risco a voçorocamento, são marcadas principalmente por ser de pequena escala socioespacial, baixo contingente de pessoas direta/indiretamente beneficiadas e afetadas, área de influencia direta/indireta restrita ao objeto de intervenção, etc. Neste sentido, este artigo destaca as intervenções realizadas pelo Poder Público (Municipal e Estadual) nos ultimos 17 anos com enfase nas obras (concluidas, em andamento e paralisadas), responsabilidade pela execução e a distribuição especial (bairro e zona administrativa) visando obter visão holistica das ações corretivas realizadas e das politica pública implementadas pela administração municipal/estadual sobre as áreas de risco a voçorocamento em Manaus.</p> 2024-01-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Deivison Molinari https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6811 Território, Sociedade e Desigualdade: Uma Revisão de Literatura 2023-08-16T00:36:40+00:00 Nadyelle Cursino do Carmo nadyellecarmo@gmail.com Fabrizia Gioppo Nunes fabrizia.iesa.ufg@gmail.com Alex Mota dos Santos alexmota@gfe.ufsb.edu.br <p>Esse artigo tem como objetivo realizar uma revisão da literatura sobre o tema desigualdade socioterritorial, com foco em indicadores de inclusão e exclusão social, que foram tratados por técnicas de geoprocessamento. A metodologia envolveu, de forma híbrida, as perspectivas bibliométrica e sistemática. Na perspectiva bibliométrica foi adotada a abordagem quantitativa, utilizando as métricas do Bibliometrix, através do software R, e tendo como <em>strings</em> de busca a frase "<em>socio-territorial inequality and geoprocessing</em>". Já, a abordagem sistemática foi realizada através da análise quali-quantitativa efetuada pela avaliação: da síntese da abordagem, produção de dados, bases colaborativas e dos principais indicadores utilizados. O resultado da pesquisa bibliométrica retornou o mapeamento de 113 artigos nas bases Scopus e Web Of Science, resultando em 74 e 39 publicações, respectivamente, entre os anos de 1987 a 2022. Eliminando, as repetições de 10 artigos que foram contabilizados nas duas bases, o resultado final foi de 103 publicações. Do levantamento da perspectiva sistemática, pode-se constatar ainda, o predomínio das pesquisas em países da América Latina com destaque para os indicadores: educação, sexo, idade, renda, mobilidade, infraestrutura e habitação.</p> 2024-01-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Nadyelle Cursino do Carmo, Fabrizia Gioppo Nunes, Alex Mota dos Santos https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6582 Avaliação Diagnóstica no Ensino de Solos na Amazônia: Um Olhar Geográfico 2023-05-25T00:28:27+00:00 Cassiano Lobato Paulino cassiano.paulino@ifam.edu.br Mircia Ribeiro Fortes mirciafortes@ufam.edu.br <p>Este artigo tem como objetivo iniciar uma reflexão sobre o Ensino de Solos na Geografia Escolar nos Cursos Técnicos de Nível Médio de Forma Integrada do Instituto Federal do Amazonas (IFAM), CAMPUS Eirunepé. Para tanto, o nosso primeiro passo foi fazer uma avaliação diagnóstica com a finalidade de verificar conhecimentos prévios e detectar possíveis dificuldades de aprendizagem dos discentes do Curso Técnico de Nível Médio em Agropecuária na Forma Integrada sobre o tema solos no citado campus. A análise se desenvolve principalmente com base na revisão bibliográfica de contribuições de Cavalcanti, Libanêo e Luckesi. Fundamentados nesses aportes, foram identificadas alternativas e possibilidades tanto no âmbito teórico-metodológico, quanto no prático para a compreensão da temática em questão. Além disso, a postura política e ideológica dos autores no que diz respeito ao processo educativo nos oferecem subsídios para o entendimento e reflexão da prática pedagógica, do planejamento e da avaliação. Por fim, os resultados obtidos com essa prática pedagógica podem ser um instrumento pedagógico que possibilite enxergar novas estratégicas para viabilizar ações disciplinares e interdisciplinares, dinamizando, portanto, o ensino sobre solos.</p> <p><strong> </strong></p> 2024-01-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Cassiano Lobato Paulino, Mircia Ribeiro Fortes https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6242 Expansão urbana desordenada em São Luís – MA: uma análise sobre o bairro Cruzeiro de Santa Bárbara 2023-05-10T15:38:27+00:00 Débora da Silva Moreira deborahmoreiras33@gmail.com Julia Katia Borgneth Petrus julia.petrus@ufma.br <p>A urbanização nas cidades brasileiras aconteceu de forma muito intensa e rápida no século XX, em especial na década de 1970, época em que o Brasil se tornou um país urbanizado, ou seja, mais pessoas vivendo nas cidades do que no campo. As cidades começaram a receber grandes contingentes de pessoas, passando a apresentar vários problemas, tais como déficit de moradias, falta de saneamento básico, carência de infraestrutura, enfim, nenhuma organização do espaço. Em São Luís, não foi diferente. Portanto, este trabalho, além de estudar um pouco sobre a cidade de São Luís, também focou no bairro periférico da ilha, o bairro Cruzeiro de Santa Bárbara, onde existe um grande desencadeamento de vilas, que são ocupações de terrenos que não estavam em uso, sendo ele público ou privado. Tal fenômeno urbano é cada vez mais recorrente no bairro, pois é na apropriação e resistência do espaço na cidade que as periferias avançam, pois todos procuram um lugar para morar. O objetivo deste estudo é compreender o bairro Cruzeiro de Santa Bárbara, em São Luís, no estado do Maranhão, mediante uma análise relevante no âmbito da segregação socioespacial, para isso foi elaborada uma análise significativa de cunho quanti-ualitativo.</p> 2024-01-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Débora da Silva Moreira, Julia Katia Borgneth Petrus https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6658 Estudo dos Impactos Socioambientais na Bacia Hidrográfica do Quarenta, Manaus/AM 2023-05-31T02:16:43+00:00 Andreia Oliveira de Andrade andreiapadro@gmail.com <p>As bacias hidrográficas são unidades ambientais que permitem a realização de estudos de análise integrada da paisagem, nos quais se incluem os aspectos físicos e os sociais. Os resultados de uma pesquisa qualitativa sobre os impactos socioambientais na Bacia hidrográfica do Quarenta são apresentados neste artigo. Para a obtenção dos dados e informações, as ferramentas de geotecnologia e interpretação cartográfica foram aplicadas. Adicionam-se a esses procedimentos, a observação direta, as supervisões em campo, os registros e as entrevistas, que auxiliaram o entendimento sobre as formas e modalidades de impacto por toda a extensão da bacia. Os resultados indicaram que a ocupação territorial entre os cursos&nbsp; inferior e médio não apresentou nenhum tipo de planejamento urbano, denotando-se a completa ausência de infraestrutura principalmente nos itens saneamento e descarte do lixo. Os desmatamentos atingem cerca de 70% da área da bacia, mantendo-se a vegetação apenas no setor SW-NW que corresponde aos limites da Area de Proteção Ambiental Manáos. Os impactos sobre o principal tributário da bacia ocorrem há mais de 3 décadas, somente na metade da terceira década o Programa de Saneamento Ambiental, implantou um sistema de saneamento e requalificação espacial na área do Quarenta.</p> <p>&nbsp;</p> 2024-01-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Andreia Oliveira de Andrade https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6395 Aplicação da Análise de Componentes Principais na Obtenção dos Padrões de Clima e Cultura de Mandioca na Mesorregião do Nordeste Paraense 2023-06-05T11:02:27+00:00 Ilale Ferreira Lima hilalebrades@hotmail.com Maria Isabel Vitorino vitorino@ufpa.br Layse Gomes Furtado layse.furtadog@gmail.com <p>Compreender como os padrões espaciais e temporais do clima podem influenciar, ou até mesmo modular o rendimento de culturas agrícolas, se torna essencial nas atividades da agricultura e que no Brasil possui não só importância econômica, mas também socioambiental. A mandioca, por se tratar de uma lavoura que no geral é sem irrigação, depende exclusivamente da disponibilidade das chuvas para suprir suas necessidades hídricas. Assim o presente trabalho busca estabelecer, padrões espaciais de correlação entre a precipitação, o rendimento da mandioca e a área plantada da cultura, durante o período de 2000 a 2019, através da ferramenta estatística Análise Multivariada das Componentes Principais (ACP), conhecida também como Funções Ortogonais Empíricas (FOE) que têm sido muito aplicadas a estudos climáticos, ambientais e meteorológicos. A ACP mostrou-se eficiente para tal objetivo, de modo que nos experimentos realizados as três primeiras CP conseguiram explicar até 70% da variância total dos dados, revelando altas correlações entre a precipitação e rendimento na porção norte do Nordeste Paraense a partir de 2010. Além disso, foram observados outros padrões de correlações entre o rendimento e área plantada.</p> 2024-01-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Ilale Lima, Maria Isabel Vitorino, Layse Gomes Furtado https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6423 Descrição do sistema sociotécnico para o óleo do bicho do caroço do tucumã (Speciomerusruficornisgermar) 2023-06-11T13:49:04+00:00 Juliane Pereira ju_spm@yahoo.com.br Aquiles Simões aqsimoes@pq.cnpq.br Rosana Maneschy romaneschy@ufpa.br <p>O óleo do bicho do caroço do tucumã é um produto extrativista obtido da larva do besouro <em>SpeciomerusruficornisGermar, </em>atividade comumente realizada por comunidades tradicionais situadas no arquipélago do Marajó. O processo de extração se constitui em etapas e ferramentas criadas e inseridas ao longo do tempo, com a finalidade de aumentar o rendimento, diminuir os riscos de acidentes, assegurar qualidade final do produto e atender à demanda.O artigo tem por objeto a descrição do sistema sociotécnico do óleo extraído na comunidade Saracá, localizada geograficamente ao norte do município de Ponta de Pedras/PA. A escolha pelo lócus se justifica pela relação existente entre os moradores e o saber tradicional, considerado fonte de renda relevante, atendimento à saúde em caráter básico e cultura repassada de geração em geração. A descrição faz uso das falas dos próprios moradores, fazendo assim a construção pelo olhar nativo, por meio de pesquisa de campo, diário de campo, entrevistas e aplicação de questionário semiestruturado com perguntas abertas e fechadas. O estudo demonstra potencial econômico e sinaliza para a importância da gestão do recurso natural tendo em vista seu papel sociocultural, ainda propõe a necessidade de estudo ambiental para determinar possíveis impacto sobre o ecossistema.</p> <p> </p> <p> </p> <p> </p> 2024-01-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Juliane Pereira, Aquiles Simões https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6692 O município de Porto Murtinho/MS e a Rota Bioceânica: uma análise da leitura comunitária do Plano Diretor Municipal 2023-07-04T19:02:37+00:00 Marcia Aparecida de Castro Burgedurf Ferreira castroburgedurf@gmail.com Rafael Oliveira Fonseca rafaelfonseca@uems.br Fabio Martins Ayres fabioayres@uems.br <p>A elaboração de um Plano Diretor Municipal é instrumento essencial para o ordenamento do território. Neste contexto, o município de Porto Murtinho/MS, busca a elaboração do mesmo em um momento de grande expectativa de desenvolvimento local, com a implantação e operacionalização da Rota Bioceânica. Buscando entender toda essa dinâmica, esta pesquisa analisa, por meio da investigação bibliográfica, documental e de análise estatísticas, a perspectiva da população sobre o desenvolvimento local e a (re)organização do território com a implantação da Rota Bioceânica, pautado em algumas bases teórico-conceituais abarcada pela ciência geográfica. A análise da pesquisa relacionou a opinião da população sobre o empreendimento e o desenvolvimento econômico e social no município, visualizando as expectativas de todos e a interação entre as cidades fronteiriças de Porto Murtinho/MS e Carmelo Peralta/Paraguai, positivando a participação populacional e auxiliando aos gestores na elaboração do Plano Diretor Municipal. A pesquisa indicou que praticamente a totalidade dos habitantes entrevistados possuem uma perspectiva de impactos positivos para o município com a implantação da referida Rota, no entanto, demandam uma maior participação no planejamento e tomada de decisões locais.</p> 2024-01-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Marcia Aparecida de Castro Burgedurf Ferreira, Rafael Oliveira Fonseca, Fabio Martins Ayres https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6606 Caracterização Morfométrica do Furo do Paracuúba, Irandura, Amazonas, Brasil 2023-08-05T16:49:35+00:00 Sandreia Araujo Cascaes s_andreiaaraujo@hotmail.com Antonio Fábio Sabbá Guimarães Vieira fabiovieira@ufam.edu.br <p>O objetivo principal deste trabalho foi descrever a morfometria do Furo do Paracuúba, em Iranduba-AM, destacando suas modificações no período de 2006 a 2018. Assim, foram utilizadas imagens de satélites compreendendo 13 anos, sendo incluída a mensuração das variáveis geométricas: área, largura média, comprimento e índice de sinuosidade, calculadas através do software <em>Qgiz </em>3.10.3. O uso e cobertura da terra foi feito a partir da interpretação visual e individual das imagens em ambiente de SIG. A alteração no contorno do canal foi verificada a partir da sobreposição do mapa elaborado (2006-2018) com o contorno do canal a partir de plantas batimétricas. Os resultados apontam que as principais alterações ocorrem na saída do canal; o canal tem se tornado mais largo nos últimos anos; na porção da saída vem ocorrendo processo constante de deposição; desenvolvimento de uma ria fluvial na foz do rio Janauari; mudança de direção do curso d’água de N para NE; os processos de modelamento do canal vêm sendo marcado pelos constantes movimentos de massa de suas margens. Portanto, nota-se uma transformação deste canal ao longo dos anos monitorados, principalmente em sua forma e dinâmica dos processos envolvidos.</p> 2024-01-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Sandreia Araujo Cascaes, Antonio Fábio Sabbá Guimarães Vieira https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6707 Analise florística, fitossociológica e estoque de carbono da mata ciliar do Rio Peixe, Norte de Minas Gerais 2023-10-19T18:28:42+00:00 Maria das Dores Magalhães Veloso dora.veloso@unimontes.br Erica Vanessa Durães de Freitas vanessaduraesfreitas@gmail.com Priscila Santos Oliveira priscilaoliveira12366@gmail.com Sônia Ribeiro Arruda sonia.arrudas@unimontes.br Jefferson Rodrigo Teixeira Silva jeff.rodrigo16@gmail.com Rubens Manoel dos Santos rubensmanoel@dcf.ufla.br Luiz Arnaldo Fernandes luizmcmg@gmail.com Walter Santos de Araujo walterbioaraujo@gmail.com <p><strong> </strong></p> <p>As Matas Ciliares, mesmo representando uma pequena porção do bioma no qual são inseridas, destacam-se pela riqueza e diversidade botânica, além da atuação na manutenção dos cursos d’água e na conservação da biodiversidade, são importantes também para o sequestro e fixação de carbono. Estas características, levam estas áreas a serem reconhecidas, como uma das formações florestais mais importantes. No norte de Minas Gerais, em função dos processos de antropização, esses ambientes encontram-se altamente ameaçados. Este estudo teve como objetivo caracterizar a estrutura fitossociológica da comunidade arbórea da mata ciliar do Rio do Peixe e quantificar o estoque de carbono na biomassa vegetal. Foram amostrados 2.143 indivíduos, pertencentes a 192 espécies e 39 famílias. As famílias mais ricas foram Fabaceae, Myrtaceae, Rubiaceae, Apocynaceae e Combretaceae. O índice de diversidade H' = 4,26 e J’ = 0,56. O estoque de carbono total foi de 2548,97 Mg C/ha, que variou entre parcelas pela quantidade de indivíduos, DAP e altura dos mesmos. Desta forma pode-se concluir que a mata ciliar do Rio do peixe, mesmo apresentando uma diversidade alta, está em um alto estágio de degradação e poucos trechos ao longo do rio conservam ainda uma mata robusta e com grande representatividade.</p> <p> </p> 2024-02-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Maria das Dores Magalhães Veloso, Erica Vanessa Durães de Freitas, Priscila Santos Oliveira, Sônia Ribeiro Arruda, Jefferson Rodrigo Teixeira Silva, Rubens Manoel dos Santos, Luiz Arnaldo Fernandes, Walter Santos de Araujo https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/7113 Análise das transformações na Terra Indígena Paquiçamba a partir da construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte/PA 2024-02-19T12:37:13+00:00 Nadson de Pablo Silva pablosilvafilho22@gmail.com Éder Mileno Silva De Paula edermileno@ufpa.br Gabriel Alves Veloso gveloso@ufpa.br <p>Os impactos ambientais têm tornado-se tema de intensos debates nacionais e internacionais, nos quais chefes de Estados e a comunidade científica discutem a importância da preservação ambiental, sobretudo em áreas sensíveis do Bioma Amazônia. Essa temática torna-se ainda mais importante quando se discute as contribuições dos povos originários para a preservação da natureza, bem como, os impactos ambientais e sociais que estes sofrem com a implementação de projetos de infraestrutura. Neste contexto, se insere a terra Indígena Paquiçamba, onde houvera grandes transformações desde a chegada da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Neste sentido, a pesquisa buscou analisar as modificações geoecológicas sofridas na TI Paquiçamba depois da instalação da Usina Hidroelétrica de Belo Monte. Como procedimento metodológicos, foram utilizadas técnicas de sensoriamento remoto para a classificação, segmentação e interpretação das imagens dos satélites Landsat 5 e 9 nos anos de 2011 e 2023. Dentre os resultados, foi possível observar que alterações consideráveis na paisagem foram causadas com a diminuição da água e o aumento das áreas de exploração, tornando esse um ambiente instável na manutenção da biodiversidade, assim como das tradições dos povos indígenas Juruna (Yudjá).</p> 2024-03-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Nadson de Pablo Silva, Éder Mileno Silva De Paula, Gabriel Alves Veloso https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6875 Do Brasil à Moçambique: um olhar da participação popular na luta pelo direito à cidade 2024-02-05T10:40:05+00:00 Miguel Abudo Momade Ali miguel.ali@ieur.org <p>As cidades do mundo uma reprodução consolidada pelo modelo neoliberal, carregando consigo uma colonização da terra urbana e da habitação como um capital financeiro, fazendo com que as cidades deixem de desempenhar a sua função de espaço social e passem a ser um potencial ativo financeiro. Este arquétipo de pensar e reproduzir as cidades, as colocam numa situação de capturadas, manipuladas e reorganizada para atender os interesses mercadológicos. Quando temos a produção desta cidade oculta, igualmente estamos perante a um grupo de cidadãos que lhe são excluídos de usufruir do Direito à cidade.O objectivo do estudo, de perceber como é que o Brasil e Moçambique por meio da participação popular/movimentos lutam para o Direito a Cidade. Buscando uma reflexão entorno de algumas diferenças e semelhanças entre estes dois contextos no âmbito da participação popular da luta pelo Direito a Cidade. Metodologicamente o artigo assenta-se numa abordagem qualitativa comparativa.O resultado aponta para a necessidade dos cidadãos se imporem e conquistarem os espaços de tomada decisão para alcançar o Direito à Cidade; a necessidade de mobilização e publicação dos conceitos do Direito a Cidade tanto para os cidadãos, para os movimentos sociais, e para as universidades como forma de apropriação deste direito.</p> 2024-03-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Miguel Abudo Momade Ali https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/6243 Análise Espaço-Temporal da Mudança de Uso e Ocupação da Terra no Município de Cameta, Pará – 1985 a 2020 2023-05-25T00:32:25+00:00 Suzi Gonçalves Farias suzigfarias@gmail.com Carla Braga Pereira carlabpereira10@gmail.com <p>As mudanças ambientais resultantes das ações humanas vêm se intensificando desde os séculos XIX e XX, estabelecendo a configuração socioespacial moldada pelo processo histórico de apropriação do lugar conforme os interesses da população envolvida. Em vários municípios do estado do Pará, incluindo Cametá, o processo de conversão da floresta primária em outras classes de uso da terra ocorre continuamente, independente da sua temporalidade e espacialidade. Nesse viés, esta pesquisa tem como objetivo analisar as dinâmicas das classes de uso e cobertura da terra no município de Cametá no intervalo de 30 anos (1985, 2005 e 2020), utilizandobases digitais do projeto MapBiomas e técnicas de geoprocessamento. Após o tratamento dos dados constatou-se que aFormaçãoFloresta foi a classe mais alterada, culminando em perda espacial principalmente para Pastagem e Formação Campestre, a classe Infraestrutura Urbanaapresenta a maior taxa de expansão territorial, contabilizando o crescimento de 280%de área. Conclui-se que apesar do diagnóstico de modificação da cobertura vegetal, os impactos ambientais presentes na área de estudo não foram tão expressivos. Por outro ângulo, a ampliação em demasia do espaço citadino traz um alerta para as autoridades competentes sobre as questões sociais, econômicas e ambientais na sede municipal.</p> 2024-03-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Suzi Gonçalves Farias, Carla Braga Pereira https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/7411 Agronegócio: uma proposta conceitual 2024-02-04T13:18:07+00:00 Gustavo Romero gustavoromero14@gmail.com <p>Este artigo busca uma proposta conceitual do agronegócio. Inicialmente, são oferecidas duas revisões bibliográficas. A primeira destaca duas concepções analíticas distintas da atividade agropecuária, a de cadeia agroindustrial (CAI) e a de sistema agroindustrial (SAI). Na sequência, são apresentadas as duas correntes teóricas prevalescentes nessa discussão, genericamente conhecidas pelas siglas CSA (<em>Commodity System Approach</em>) e SAA (sistemas agroalimentares), que utilizam os direcionadores analíticos do CAI e do SAI de formas distintas, e sua relação com o paradigma ECP (estrutura-conduta-desempenho). A partir dessa revisão, evidencia-se como essas leituras produziram um viés interpretativo que limitou a palavra agronegócio apenas às suas funções negociais ou operacionais. Apresenta-se ao final, em contrapartida, uma proposta de agronegócio como conceito, salientando seu potencial para desenvolver discussões que valorizem o aspecto sistêmico envolvido nas decisões dos núcleos produtivos agropecuários.</p> 2024-04-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Gustavo Romero https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/7356 Transporte Coletivo Urbano: As Práticas de Transformação de Chassi Convencional em Articulado Operados na Cidade de Manaus/AM 2024-02-07T22:48:28+00:00 Thiago Oliveira Neto thiagoton91@live.com <p>O objetivo deste artigo é abordar duas práticas que estiveram presentes no transporte coletivo urbano das cidades brasileiras, incluindo Manaus: a transformação de chassis de ônibus convencionais em articulados e o reencarroçamento de ônibus, bem como as principais motivações que estimularam essas práticas ao longo das décadas. O transporte coletivo público de uma cidade apresenta uma variedade de tipos, configurações e características peculiares nos veículos operados pelas empresas de transporte, que buscam meios de obter vantagens econômicas e competitivas. Isso inclui a reutilização e até mesmo a transformação de veículos para aumentar a capacidade de transporte, aspectos que foram evidentes no transporte urbano de Manaus entre os anos de 1998 e 2009. No entanto, tais práticas deixaram de ser adotadas por volta de 2009. Para identificar essas mudanças nos veículos, optou-se por realizar um levantamento de informações na internet, utilizando sites como Ônibus Brasil e Via Circular, o que possibilitou cruzar dados e identificar parcialmente os ônibus que passaram pelo processo de reencarroçamento. </p> 2024-04-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Thiago Oliveira Neto https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/7346 Dinâmica Espacial de Desastres Naturais com Vinculações Climáticas em Mato Grosso entre 2013 e 2022 2024-01-17T00:49:45+00:00 João Vitor Gobis Verges vitorverges@gmail.com Rômulo Lima Silva de Góis rromulogois@gmail.com <p>As dinâmicas climáticas (globais e regionais) estão em processo de constantes verificações científicas, sobretudo pelos seus desdobramentos para atividades humanas em diferentes ordens. Nesse sentido, preocupações recaem sobre os desastres naturais associados, especialmente pela possibilidade de interferências nos contextos econômicos, sociais, culturais - dentre outros - de determinada localidade. Assim sendo, esta pesquisa procurou dimensionar uma abordagem sobre os desastres naturais vinculados aos regimentos do clima, compreendendo o número de ocorrências e suas espacializações no estado de Mato Grosso - Brasil. Para isso, selecionaram-se seis desastres naturais a partir de bibliografia prévia, sendo eles: a) estiagem; b) seca; c) enxurrada; d) inundação; e) ondas de calor; f) ondas de frio (Friagem/Geadas). Os dados secundários foram obtidos através do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD), do IBGE, IPEA e da SEPLAN-MT. Organizaram-se as informações em quadros, gráficos e mapas, permitindo suas interpretações. O mapeamento se deu através do software livre QGIS. Conclui-se que as estiagens, as enxurradas, as secas e as inundações foram os desastres naturais elencados que mais afetaram o estado e que há uma distribuição espacial no contexto Sudoeste - Nordeste, não demarcando grandes diferenças para o número de acontecimentos nessas segmentações.</p> <p> </p> 2024-04-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 João Vitor Gobis Verges, Rômulo Lima Silva de Góis https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/7163 Mapeamento de zonas sísmicas no estado de Minas Gerais - Brasil 2024-01-26T20:25:43+00:00 Maykon Fredson Freitas Ferreira maykon.ferreira@unimontes.br Manoel Reinaldo Leite manoel.leite@unimontes.br Luis Ricardo Fernandes da Costa luis.costa@unimontes.br <p>A ocorrência de abalos sísmicos em Minas Gerais no decorrer do tempo vem chamando a atenção de autoridades e da população em geral. Tem despertado a atenção de pesquisadores sobre a necessidade de compreender suas causas e sobre a identificação de suas principais áreas de ocorrência, a fim de mitigar os riscos associados. Este estudo tem como objetivo mapear as zonas de atividade sísmica no estado. Utilizando a técnica de densidade de Kernel, foram identificadas cinco grandes áreas de concentração de sismos, nomeadas como Norte 1, Norte 2, Nordeste, Centro-sul e Triângulo. A partir dessas zonas principais, vinte e seis subzonas foram mapeadas para identificar os pontos focais dos sismos. Esse mapeamento detalhado permitirá em estudos futuros investigar as causas subjacentes dos eventos sísmicos, compreender a estrutura geológica das áreas e identificar regiões com maior potencial para futuros sismos. Além disso, fornecerá subsídios para medidas de prevenção e para o desenvolvimento de projetos específicos de gerenciamento de risco sísmico. Este estudo representa um passo significativo em direção a uma compreensão mais profunda da atividade sísmica em Minas Gerais, fornecendo informações cruciais para a segurança e o planejamento urbano. </p> 2024-05-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 Maykon Fredson Freitas Ferreira, Manoel Reinaldo Leite, Luis Ricardo Fernandes da Costa https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/7174 Ensino de Geografia e a questão agrária brasileira: uma aproximação a partir da música regional 2024-02-01T23:23:02+00:00 José Antônio Guilherme Junior Guilherme Junior guilherme.junior@ifpa.edu.br Mateus Monteiro Lobato monteirolobato@ufpa.br <p>O artigo analisou cinco canções da música regional brasileira que abordam a Questão agrária, destacando seu potencial para o ensino de geografia. Esse gênero musical possui um forte conteúdo regional, expressando a dinâmica de transformação de modos de vida e coletividades rurais presentes no campo brasileiro. Para desenvolver a pesquisa, utilizou-se a metodologia de análise de conteúdo como instrumento, com o objetivo de compreender os significados mais profundos presentes nas canções escolhidas. Esses conteúdos selecionados podem entrar no planejamento docente como subsídio a sua prática em sala de aula. Foram selecionadas cinco canções da música regional brasileira que tinham como temática a Questão agrária, sem consideração alguma com os aspectos técnicos de cada canção. A partir da análise das letras desdobramos os temas da Questão Agrária conforme eles eram abordados no contexto de cada região. O uso da música regional no ensino de geografia proporciona uma maior compreensão da Questão agrária, uma vez que permite observar essa problemática no contexto das especificidades de cada região, permitindo aos educandos uma visão mais próxima da realidade agrária nacional.</p> 2024-05-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 José Antônio Guilherme Junior Guilherme Junior, Mateus Monteiro Lobato https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/verdegrande/article/view/7010 Território das secas do semiárido brasileiro: clima, identidade e sociedade 2024-02-19T12:41:11+00:00 José Gomes Ferreira jose.ferreira@outlook.com <p>O semiárido do Nordeste do Brasil é caracterizado pela ocorrência de secas severas com grande repercussão social, econômica e política, que influenciam as políticas de desenvolvimento e a resiliência face à atual crise climática. A região é conhecida por fortes laços culturais, que remetem não apenas para a ideia de Nordeste, mas igualmente de sertão e semiárido, três territórios que se cruzam e influenciam. A partir da transversalidade das secas nesta discussão, o artigo tem como objetivo analisar os fatores sociais e geográficos que marcam estes territórios e podem condicionar a concretização das políticas públicas. Para se cumprir os nossos objetivos procedemos a uma ampla revisão bibliográfica, pesquisa documental, recolha e análise de notícias de imprensa e realização de entrevistas.</p> 2024-05-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 José Gomes Ferreira