Estilo de Vida e Nível de Atividade Física em Docentes Universitários

Autores

  • Berta Leni Costa Cardoso Universidade Católica de Brasília - UCB
  • Thaís Danyelle Teixeira Ferreira Universidade do Estado da Bahia - UNEB
  • Bráulio Nascimento Ferreira Universidade do Estado da Bahia - UNEB
  • Claudio Pinto Nunes Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Palavras-chave:

Estilo de vida; Atividade física; Docentes

Resumo

Analisar o perfil do estilo de vida de professores universitários considerando fatores
relacionados ao bem-estar e o nível de atividade física. Metodologia: foram avaliados 22 professores de
Educação Física e Enfermagem, sendo treze mulheres e nove homens na faixa etária de 27 a 53 anos de
idade. Para coleta das informações, utilizaram-se dois instrumentos: a) Perfil l do Estilo de Vida e b) o IPAQ.
A análise dos dados foi realizada mediante a estatística descritiva. Resultados: com relação aos níveis
de atividade física nenhum dos cursos tiveram docentes considerados sedentários, 90% dos docentes em
enfermagem e 40% em educação física foram considerados insuficientemente ativos b e 10% dos docentes
de educação física foram considerados muito ativos. Em todos os cinco componentes analisados no estilo
de vida, os docentes de educação física não apresentaram nenhum índice negativo comparados com os
docentes de enfermagem. Conclusão: verificou-se valores bem parecidos com relação aos componentes
nutrição, comportamento preventivo e relacionamento social; sobre atividade física e estresse os docentes
em educação física tiverem melhor resultado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. CARLOTTO, M.S. (2002). A síndrome de
burnout e o trabalho docente. Psicologia em
Estudo, 7(1), 21-29, 2002. Disponívem em: <http://
www.scielo.br/pdf/pe/v7n1/v7n1a03.pdf>. Acesso
em: 10 jan. 2016.
2. NAHAS, M. V.; BARROS, M. V. G.;
FRANCALACCI, V. L. O Pentáculo do Bem-Estar.
Base conceitual para avaliação do estilo de vida
de indivíduos ou grupos. Revista Brasileira de
Atividade Física e Saúde, v.5, n.2, p.48-59, 2000.
3. BRUSCHINI, C.; AMADO, T. Estudos sobre
mulher e educação:Algumas questões sobre o
magistério. Cad. Pesq.(64)fev,1988.
4. MOREIRA, R.H.; NASCIMENTO, V.J.;
SONOO, N.C. et al. Qualidade de vida do
trabalhador docente em Educação Fisica do Estado
do Paraná, Brasil. Rev.Bras.Cineamtropometria
Desempenho Humano. 2010,12 (6):435-442
5. MAGALHAIS, B.C.L.; YASSAKA, B.M.C.;
1. CARLOTTO, M.S. (2002). A síndrome de
burnout e o trabalho docente. Psicologia em
Estudo, 7(1), 21-29, 2002. Disponívem em: <http://
www.scielo.br/pdf/pe/v7n1/v7n1a03.pdf>. Acesso
em: 10 jan. 2016.
2. NAHAS, M. V.; BARROS, M. V. G.;
FRANCALACCI, V. L. O Pentáculo do Bem-Estar.
Base conceitual para avaliação do estilo de vida
de indivíduos ou grupos. Revista Brasileira de
Atividade Física e Saúde, v.5, n.2, p.48-59, 2000.
3. BRUSCHINI, C.; AMADO, T. Estudos sobre
mulher e educação:Algumas questões sobre o
magistério. Cad. Pesq.(64)fev,1988.
4. MOREIRA, R.H.; NASCIMENTO, V.J.;
SONOO, N.C. et al. Qualidade de vida do
trabalhador docente em Educação Fisica do Estado
do Paraná, Brasil. Rev.Bras.Cineamtropometria
Desempenho Humano. 2010,12 (6):435-442
5. MAGALHAIS, B.C.L.; YASSAKA, B.M.C.;
SOLES, G.S.A.Z. Indicadores da qualidade de vida
no trabalho entre docentes de curso de graduação
em enfermagem. Arq Ciêc Saúde. 2008 julset;15(3):117-24
6. EURICH, B.R.; KLUTHCOVSKY, C.G.C.A.
Avaliação da qualidade de vida de academicos de
graduação em enfermagem do primeiro e quatro
anos: influencia das variáveis sociodemograficas.
Rev Psiquiattri RS. 2008; 30(3): 211-220.
7. MADUREIRA, A.S.; FONSECA, A.S.; MAIA,
M.F.M. Estilo de vida e atividade física habitual de
professores de educação física. Revista Brasileira
de Cineamtropometria e Desempenho Humano.
Volume 5- Numero 1- p.54-62 – 2003.
8. SANTOS, A.L.G.; VENANCIO, E.S. Perfil
do estilo de vida de acadêmicos concluintes em
educação física do centro universitário do leste de
Minas Gerais UNILESTE-MG MOVIMENTUMRevista Digital de Educação Física. Ipatinga
Unileste-MG. V.1-Ago./dez.2006.
9. NAHAS, M.V. Atividade física, saúde e
qualidade de vida: conceitos e sugestões para um
estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf, 2010.
10. BECK, C.L.C.; BUDÓ, D.L.M.; GONZALEZ,
B.M.R. A qualidade de vida na concepção de um
grupo de professoras de enfermagem.elementos
para reflexão. Rev. Esc. Enf. USP,v.33 n.4,p.348-54
dez.1999.
11. XAVIER, S.E.C.; MORAIS, S.A. Qualidade
de vida em professores da rede pública estadual
de ensino da cidade de ARCAJU-SE. Revista
Brasileira De Prescrição e Fisiologia do Exercicio.
São Paulo ,v.1, n.5, p.85-94. Set/Out.2007.
12. BRANDÃO, S.J. Perfil do estilo de vida dos
professores de educação física aposentados no
Vale Do Itajaí-S.C. Outubro 2012. Dissertação
apresentada ao Colegiado de Curso de Mestrado
em Educação Fisica, da Universidade Federal de
Santa Catarina.
13. CONTAIFER, C.R.T.; BACHION, M.M.;
YOSHIDA, F. et al. Estresse em professors
universitarios da área da saúde. Rev Gaucha
Enferm. Porto Alegre (RS) 2003 ago;24(2):215-
25.
14. OLIVEIRA, R. F.; POLICARPO, F.;
BARROS, F.J. et al. Habitos de vida de professores
universitários do Distrito Federal.Unimontes
Científica. V.2, n.2- Setembro de 2011.
15. PETROSKI, L.E.; OLIVEIRA, M.M.
Atividade física de lazer e estágios de mudança
de comportamento em professores universitários.
Revista Brasileira de Ciências do Desporto.
Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.
Vol.8, nº2,Maio-Agosto 2008.

Downloads

Publicado

2020-12-06

Como Citar

COSTA CARDOSO, Berta Leni; TEIXEIRA FERREIRA, Thaís Danyelle; NASCIMENTO FERREIRA, Bráulio; PINTO NUNES, Claudio. Estilo de Vida e Nível de Atividade Física em Docentes Universitários. Revista Unimontes Científica, [s. l.], v. 18, n. 1, p. 15–23, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/1820. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)