O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL

LIMITES E DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Autores

  • Mably Trindade

DOI:

https://doi.org/10.46551/rssp.202003

Palavras-chave:

Estágio Supervisionado. Serviço Social. Neoliberalismo. Formação Profissional

Resumo

O presente artigo tem como objetivo precípuo analisar o estágio supervisionado, componente curricular obrigatório para a integralização da graduação em Serviço Social constituindo-se, assim, um dos grandes desafios do projeto de formação profissional. Como se sabe, tal etapa da formação, quando adequadamente realizada, propicia ao aluno o acesso ao ensino-aprendizagem da realidade social na qual se inserem os(as) assistentes sociais. Cumpre destacar que o estágio curricular obrigatório desenvolve-se em articulação com a política educacional, num contexto no qual a educação vem sendo tratada como mercadoria, a exemplo do crescimento de cursos aligeirados e à distância, com várias repercussões, dentre elas o aumento exponencial do número de estudantes em busca de estágio e que não conseguem ser absorvidos nos espaços sócio-ocupacionais disponíveis. A metodologia adotada para elaboração desse texto privilegiou essencialmente referências bibliográficas sobre o tema, utilizando-se, por conseguinte, autores(as) considerados fundamentais nessa discussão. Sobre os resultados da pesquisa, conclui-se que, lamentavelmente, o estágio curricular tem sido cada vez mais utilizado pelo capital como forma privilegiada de exploração de mão de obra e obtenção de lucros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABEPSS. Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social. Revista Temporalis. Brasília (DF), ABEPSS, nº 02, 2000.

______. Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social. Revista Temporalis. Brasília (DF), ABEPSS, nº 03, 2001.

______. Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social. Revista Temporalis. São Luís (MA), ABEPSS, nº 14, 2007.

______. Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social. Revista Temporalis. Brasília (DF), ABEPSS, nº 17, 2009.

ANTUNES, Ricardo. A desertificação neoliberal no Brasil (Collor, FHC e Lula). 2ª ed. Campinas: Autores Associados, 2005. 172p.

CARNEIRO, Maria Lúcia Fattorelli. Auditoria da Dívida Externa: Questão de Soberania. Editora Contraponto, Rio de Janeiro, 2003.

BARROCO, Maria Lúcia. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. São Paul: Cortez, 2001.

_____. Barbárie e Neoconservadorismo: os desafios do projeto ético-político. In: Revista Serviço Social & Sociedade. 106. Abril/Junho de 2011. Educação, Trabalho e Sociabilidade.

BEHRING, Elaine Rossetti. Brasil em Contrarreforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. São Paulo: Cortez, 2003.

BEHRING, Elaine Rossetti & Boschetti, Ivanete. Política social: fundamentos e história. 9ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CHAUI, Marilena. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação. Set /Out /Nov /Dez 2003, nº 24.

DAHMER, Larissa. Mercantilização do ensino superior, educação à distância e Serviço Social. Rev. Katál. Florianópolis v. 12 n. 2 p. 268-277 jul./dez. 2009.

FATTORELLI, Maria Lúcia; Gastos com a dívida pública em 2014 superaram 45% do orçamento federal executado. 5 fev. 2015. Disponível em: http://www.aepet.org.br/noticias/preview/12450/Gastos-com-a-Dvida-Pblica-em-2014-superaram-45-do-Oramento-Federal-Executado. Acesso em: 04 de maio de 2020.

FORTI, Valéria; GUERRA, Yolanda. “Na prática a teoria é outra?” In: Serviço Social: Temas, Textos e Contextos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

GRAMSCI, Antonio. Quaderni del carcere. Torino: Einaudi, 1977.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Renovação e conservadorismo no Serviço Social. Ensaios Críticos. São Paulo, Cortez, 1992.

______. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 5.ed. São Paulo: Cortez, 2001b.

_______. Questão social no capitalismo. In: Temporalis, Revista da Associação Brasileira e Pesquisa em Serviço Social, ano II, nº 3, 2ª edição, ABEPSS, Grafline, Brasília, 2004.

______. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 23ª ed. São Paulo: Cortez, 2008.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista, 1848. Porto Alegre: L&PM, 2009.

MOTTA, Ana Elizabete & AMARAL, Angela (Org.) Cenários, Contradições e Pelejas do Serviço Social Brasileiro. São Paulo: Cortez, 2016.

NETTO, José Paulo. “La crítica conservadora a la reconceptualización”. Acción Crítica, Lima. Celats,1981.

_____. Crise do Socialismo e Ofensiva Neoliberal. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

_____. “Transformações Societárias e Serviço Social: notas para uma análise prospectiva da profissão no Brasil”. In: Serviço Social e Sociedade nº 50. São Paulo: Cortez, 1996, p. 87-132.

_____. Ditadura e Serviço Social: uma análise do serviço social no Brasil pós-1964 – 12ª – ed. – São Paulo: Cortez, 2008.

ORTIZ, Fátima Grave. A Política Nacional de Estágio e a Supervisão Direta: Avanços e Desafios. Revista Temporalis. Brasília (DF), ano 14, n. 27, p. 203-219, jan./jun. 2014.

RIBEIRO, Eleusa B. O Estágio no Processo de Formação dos Assistentes Sociais. In: Serviço Social: Temas, Textos e Contexto. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2010.

______. O Estágio no Processo de Formação dos Assistentes Sociais. In: FORTI, V.; GUERRA, Y. Serviço Social: Temas, Textos e Contextos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

SANTOS, Cláudia Mônica; LEWGOY, Alzira Maria Baptista; ABREU, Maria Helena Elpídio (ORG.). A Supervisão de Estágio em Serviço Social: aprendizados, processos e desafios. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

Downloads

Publicado

2020-07-04

Como Citar

Trindade, M. (2020). O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: LIMITES E DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Revista Serviço Social Em Perspectiva, 4(1), 45-66. https://doi.org/10.46551/rssp.202003