O SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL: GÊNESE, NATUREZA E DESAFIOS NA CONTEMPORANEIDADE

Autores

  • MABLY TRINDADE Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Palavras-chave:

Serviço Social., Gênese, Natureza, Conservadorismo, Neoconservadorismo

Resumo

O presente artigo aborda as concepções sobre a gênese e a natureza do Serviço Social no Brasil, bem como apresenta alguns aspectos dos significados sócio-históricos da profissão. Considerando as inúmeras e significativas mudanças de rumo ocorridas ao longo da história, pretende-se analisar o processo de legitimação do Serviço Social e de consolidação de suas funções na sociedade e no Estado brasileiro, com base em metodologia que, essencialmente, privilegia a pesquisa da literatura sobre o tema. O recorte temporal, por sua vez, compreende o período de 1930, quando a profissão institucionaliza-se no Brasil, num contexto de intensa agudização das refrações da questão social, aos anos 2000. Por fim, tendo em vista o inegável amadurecimento intelectual da categoria dos assistentes sociais, ocorrido a partir dos anos oitenta do século XX, procura-se examinar os desafios do Serviço Social no país, em face dos retrocessos na preservação de direitos e do afloramento do conservadorismo e do neoconservadorismo na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

NDER-EGG, Ezequiel et al. Del ajuste a latransformación: Apuntes para uma historia deltrabajo social. Buenos Aires: Ecro, 1975.
BARROCO, Maria Lúcia da S. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. São Paul: Cortez, 2001.
_____. Barbárie e Neoconservadorismo: os desafios do projeto ético-político. In: Revista Serviço Social & Sociedade. 106. Abril/Junho de 2011. Educação, Trabalho e Sociabilidade.
BEHRING, Elaine Rossetti. Brasil em Contrarreforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. São Paulo: Cortez, 2003.
CFESS Manifesta. 30 Anos do Congresso da Virada. São Paulo, 2009. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/congresso.pdf. Último acesso em 30/01/2017.
CFESS/CRESS. Neoconservadorismo e Serviço Social no cenário atual: começa o 44º Encontro Nacional CFESS/CRESS, Rio de Janeiro, 2015.
CHAUÍ, Marilena. Silêncio Forçado. Revista Espaço Acadêmico – nº 53. Outubro/2005. Disponível: https://www.espacoacademico.com.br/053/53chaui.htm.
Último acesso em 29/01/2017.

CHESNAIS, François. A Mundialização do Capital. São Paulo: Xamã, 1996.
FALEIROS, Vicente de Paula. Serviço Social nas instituições: Hegemonia e prática. Serviço Social & Sociedade. São Paulo: Cortez, n. 17, 1985.
IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional – 9ª Ed. – São Paulo: Cortez, 2005.
IAMAMOTO, Marilda Villela; Carvalho, Raul de. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. – 23ª ed. – São Paulo. Cortez, 2008.
IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na cena contemporânea. In: Serviço Social: Direitos Sociais e Competências Profissionais. Cortez, 2010.
______. Serviço Social em tempo de capital fetiche. Capital financeiro, trabalho e questão social. 6ª edição: Cortez, 2011a, cap. 1 e 3.
_____. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social – 11ª Ed. – São Paulo: Cortez, 2011b.
IANNI, Otávio. A Questão Social. Revista USP, setembro, outubro e novembro. São Paulo, 1997.
LIMA, Boris Alexis. Epistemologíadeltrabajo social. Buenos Aires: Humanitas, 1986. Versão em português: Contribuição à metodologia do Serviço Social. Belo Horizonte: Interlivros, 1978.
MANRIQUE CASTRO, Manuel. História do Serviço Social na América Latina. São Paulo: Cortez/Celats, 1993. Versão brasileira de Deapóstoles a agentesde cambio. Lima: Celats, 1982.
MARTINELLI, Maria Lúcia. Serviço Social. Identidade e alienação. São Paulo: Cortez, 1991.
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. Lisboa. Avante, 1975.
MARX, Karl. “A lei geral da acumulação capitalista“ In: O Capital. Contribuição à Crítica da Economia Política. São Paulo: Nova Cultural, 1985, cap. XXIII.
MONTAÑO, Carlos. A Natureza do Serviço Social: um ensaio sobre a gênese, a “especificidade” e sua reprodução. São Paulo. Cortez, 2007.
NETTO, José Paulo. “La crítica conservadora a lareconceptualización”. Acción Crítica, 1981. Lima. Celats.
_____. “Transformações Societárias e Serviço Social: notas para uma análise prospectiva da profissão no Brasil”. In: Serviço Social e Sociedade nº 50. São Paulo: Cortez, 1996, p. 87-132.
_____. Ditadura e Serviço Social: uma análise do serviço social no Brasil pós-1964 – 12ª – ed. – São Paulo: Cortez, 2008.
OTTONI VIEIRA, Balbina. História do Serviço Social: Contribuição para a construção de sua teoria. Rio de Janeiro: Agir, 1977.
SERVIÇO SOCIAL & SOCIEDADE. 106. Abril/Junho de 2011. Educação, Trabalho e Sociabilidade.
YAZBEK, Maria Carmelita. Pobreza e exclusão social: expressões da questão social no Brasil. Temporalis: Revista da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social, Brasília, v. 2, n. 3, jan./jun. 2001, p. 33-40.

Downloads

Publicado

2020-01-29

Como Citar

TRINDADE, M. (2020). O SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL: GÊNESE, NATUREZA E DESAFIOS NA CONTEMPORANEIDADE. Revista Serviço Social Em Perspectiva, 1(1), 05–26. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/sesoperspectiva/article/view/665