Sertão e a revelia do mundo

Expropriação, enlouquecimento, migração forçada e concentração de terra durante a modernização conservadora no Brasil

Autores

  • João Batista de Almeida Costa Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v27n1p245-268

Palavras-chave:

Expropriação, Anomia, Enlouquecimento, Migrações Forçadas

Resumo

No escopo da modernização conservadora brasileira, no norte de Minas Gerais, ocorreu uma intensa concentração fundiária a partir de usurpação das terras de famílias de comunidades negras, principalmente, mas também de comunidades brancas de agricultores familiares que foram forçados à migração com maior número de casos entre os anos 1965 e 1980, após a anexação da região norte mineira à área de atuação da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste. A autarquia de desenvolvimento nordestino financiava a transformação de fazendas em empresas rurais modernas e na região norte mineira, profissionais liberais das principais cidades, buscando se afazendar para usufruir dos recursos fiscais e financeiros disponibilizados para modernizar a economia regional, e fazendeiros tradicionais, em busca das melhores terras da região, expropriaram com violência desmedida às famílias negras que ocupavam, desde o século XVII, as terras férteis do vale do rio Verde Grande e as famílias brancas de agricultores em outros espaços regionais. Um número significativo de pessoas enlouqueceu com a destruição do mundus social em que cada uma vivia. Utilizando um relato etnográfico, minhas rememorações, estudo acadêmico, crônicas e relatos de jornais do período que informam o despejo de pessoas enlouquecidas pelos prefeitos dos municípios norte mineiros nas ruas de Montes Claros e daí, enviadas pelo poder público local, para o Hospital Colônia de Barbacena e, também, para o Hospital Galba Veloso em Belo Horizonte. A interpretação construída, em uma leitura antropológica da teoria econômica dos fatores de migração - expulsão e atração -, é feita a partir do conceito de anomia de Durkheim (1982) e utilizado em seus estudos por Merton (1970) e Oliven (2000) que permitem entender, em minha leitura, o enlouquecimento das pessoas em consequência à desestruturação do mundus social em que viviam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Batista de Almeida Costa, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (1983), mestrado em Antropologia pela Universidade de Brasília (1999) e doutorado em Antropologia pela Universidade de Brasília (2003). Atua como professor-pesquisador com estudo e pesquisas sobre temáticas culturais vinculadas às populações tradicionais, Sertão, Identidade Regional e diversas temáticas necessárias à formação dos estudantes na área disciplinar da Antropologia Social na graduação da Universidade Estadual de Montes Claros. No Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social estou vinculado à linha de pesquisa Movimentos sociais, identidade e territorialidade, desenvolvendo estudos e orientando pesquisas sobre povos e comunidades tradicionais no Norte de Minas, bem como realizando perícias para elaboração de relatórios antropológicos para organismos estatais ou para entidades de povos e comunidades tradicionais que assessora em seus processos sociais. Também tenho atendido à demanda de Terreiros de Candomblé e de Umbanda para elaboração de pareceres dos bens patrimoniais e imateriais, em que buscam registrar nos Conselhos de Patrimônio Cultural dos municípios suas condições singulares.

Referências

ARBEX, Daniela. O holocausto brasileiro, 1ª. Ed. São Paulo: Geração Editorial, 2013.

AUGUSTO, Rosely Carlos. A intervenção do Estado na região norte de Minas Gerais. Mimeo. Montes Claros: Comissão Pastoral da Terra / Norte de Minas, 1968.

BELO, Fábio Roberto Rodrigues Belo. Loucura e morte em “Sorôco,sua mãe, sua filha”,de João Guimarães Rosa [online]. Revista do Centro de Estudos Portugueses, v. 19 (25), 1999, p. 109-120

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A comunidade tradicional. Em COSTA, João Batista de Almeida e OLIVEIRA, Cláudia Luz de (orgs), Cerrado, Gerais, Sertão: Comunidades tradicionais no Sertão Roseano. São Paulo: Intermeios; Belo Horizonte: FAPEMIG; Montes Claros: Editora da Unimontes, 2012, p. 367-380.

CALEIRO, Regina Célia Lima e CELESTINO. Késia Tavares. As veredas da loucura no Sertão das Gerais [online]. Histórica: Revista Eletrônica do Arquivo Público do Estado de São Paulo, nº 44, out. 2010, s/p. Acesso em 14/04/2020.

CAMPOS, Leonardo Álvares da Silva. Saluzinho: luta e martírio de um bravo. Belo Horizonte: D´Plácido, 2014.

CELESTINO, Késia Tavares. Os Loucos do Sertão uma abordagem da percepção da loucura no norte de Minas Gerais nas décadas 1950-1980. Monografia (Bacharelado em História) Montes Claros: Universidade Estadual de Montes Claros, 2007.

CHAVES, Luiz Antônio. Saluzinho e a luta pela terra no Norte de Minas. Em Revista Verde Grande 1 (3), p. 98-107, 2006.

COSTAa, João Batista de Almeida. Do tempo de fartura dos crioulos ao tempo de penúria dos morenos: a identidade através de um rito em Brejo dos Crioulos (MG). 1999. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Brasília: UnB / PPGAS.

COSTAb, João Batista de Almeida. Processos de territorializações e o deslizamento de conteúdos na etnicidade quilombola em Agreste. Em Argumentos 7, p. 193-244, 2012.

DAYRELL. Carlos Alberto. De nativo e de caboclos: reconfiguração do poder de representação de comunidades que lutam pelo lugar. 2019. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Social). Montes Claros: Unimontes / PPGDS.

DURHAM, Eunice R. A caminho da cidade: a vida rural e a migração para São Paulo. São Paulo: Perspectiva, 1984. Debates Ciências Sociais.

DÜRKHEIM, Emile. O suicídio: Estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes, 1982.

GUIMARÃES ROSA, João. Sorôco, sua mãe, sua filha. Em Primeiras estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988, p. 15-19.

HENRIQUES, Franciele Lagni. Migração catarinense: deslocamento populacional na Microrregião de Joaçaba. 2011. Monografia (Bacharelado em Ciências Econômicas). Florianópolis: UFSC.

MARTINS, Saul. Antônio Dó: o jagunço mais famoso do sertão. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1967.

MERTON, Robert King. Teoria e estrutura social. São Paulo, Mestre Jou, 1970.

MONÇÃO, Kátia Maria Gomes. As sementes da luta: o conflito agrário de Cachoeirinha - Um estudo dos assentamentos e dos acampamentos do município de Verdelândia, Norte de Minas Gerais. 2009. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Social). Montes Claros: Unimontes PPGDS.

MOORE JUNIOR, Barrington. As origens sociais da ditadura e da democracia: Senhores e camponeses na construção do mundo moderno. São Paulo: Martins Fontes, 1975.

MOREIRA, Hugo Fonseca. “Se for para morrer de fome, eu prefiro morrer de tiro”: o Norte de Minas e a formação de lideranças rurais. 2010. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Rio de Janeiro: UFRRJ / ICHS.

MOURA, Hélio Augusto de (org.). Migração Interna: textos selecionados. Fortaleza: BNB, 1980.

OLIVEN, Ruben George. Metabolismo social da cidade e outros ensaios [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2009.

PEIRANO, Mariza. Os Antropólogos e suas Linhagens. Em: A Favor da Etnografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995, pp. 13-30.

PIRES, Murilo José de Souza e RAMOS, Pedro. O termo modernização conservadora: sua origem e utilização no Brasil. Documentos técnicos-científicos. Revista Econômica do Nordeste 40 (3), p. 411-425, 2009.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. 2. ed.- Ria de Janeiro: Compus, 2000.

RADCLIFFE-BROWN, Alfred Reginald. Apontamentos sobre a Relação de Brincadeiras. Em Estrutura e função nas Sociedades Primitivas. Lisboa: Edições 70, 1989, p. 133-154.

SANTOS, Nonidor. Betão. Em Diário de Montes Claros. Montes Claros. 09/02/1975.

SANTOS, Sônia Nicolau. À procura da terra perdida: para uma reconstituição do Conflito de Cachoeirinha. 1985. Dissertação (Mestrado em Ciências Políticas). Belo Horinzonte: UFMG / FAFICH.

SINGER, P. Migrações Internas: considerações teóricas sobre seu estudo. In MOURA, Hélio Augusto de (org.). Migração Interna: textos selecionados. Fortaleza: BNB, 1980, p. 211-244.

WEBER, Max. A ciência como vocação.São Paulo: Cultrix, 1972.

WOORTMANN, Ellen F. Herdeiros, parentes e compadres. São Paulo: Hucitec; Brasília: EdUnB, 1995.

Downloads

Publicado

2021-08-16

Como Citar

de Almeida Costa, J. B. (2021). Sertão e a revelia do mundo: Expropriação, enlouquecimento, migração forçada e concentração de terra durante a modernização conservadora no Brasil. Revista Desenvolvimento Social, 27(1), 245–268. https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v27n1p245-268