Modos de fazer cidades e resistências

Aproximando rua, vila e bairro a partir de deambulações pedestres e reflexivas em Fortaleza e Juazeiro do Norte

Autores

  • Aline Maria Matos Rocha Universidade Federal do Ceará
  • Lara Denise Silva Universidade Federal do Ceará
  • Antonio Lucas Cordeiro Feitosa Universidade Federal do Ceará https://orcid.org/0000-0003-4211-0059

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v26n1p114-143

Palavras-chave:

Cidade. Resistência. Criatividade. Cotidiano. Direito à cidade.

Resumo

Busca-se neste artigo compreender a cidade como espaço, cenário e motor de resistências (Agier, 2011; 2015) a partir da dimensão micro do urbano: o bairro, a vila, a rua. A partir de uma metodologia do tempo compartilhado, da deambulação e inserção nos espaços pesquisados, descrevemos experiências que acontecem em duas cidades: Fortaleza e Juazeiro do Norte, ambas no estado do Ceará, pautando o que une e o que singulariza as iniciativas apresentadas. Nas tramas do cotidiano, resiste-se, entre tantas agressões, à especulação imobiliária, à violência, ao controle do espaço, ao desinvestimento no espaço público. Na busca por compreender as astúcias (Certeau, 1994) daqueles que resistem criativamente, dialogamos com a noção de direito à cidade (Lefebvre, 2001), sentidos de resistência (Scott, 2011).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Maria Matos Rocha, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará (UFC), integra o Laboratório de Estudos da Cidade (LEC-UFC), professora da Universidade de Fortaleza (UNIFOR). E-mail: alinemmatos@gmail.com.

Lara Denise Silva, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará (UFC), integra o Laboratório das Artes e das Juventudes (Lajus - UFC), professora da rede básica de ensino do Estado do Ceará. E-mail: laradenisesilva@gmail.com.

Antonio Lucas Cordeiro Feitosa, Universidade Federal do Ceará

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará, professor temporário na Universidade Regional do Cariri (URCA- Unidade Iguatu). E-mail: cordeirofeitosa@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-4211-0059.

Referências

AGIER, Michel. Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos. São Paulo: Terceiro Nome, 2011.

______. “Do direito à cidade ao fazer-cidade: o antropólogo, a margem e o centro”. Mana: Estudos de Antropologia Social, Rio de Janeiro, n. 3, p. 483-498, 2015.

ALONSO, Angela. “As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate”. Lua Nova, São Paulo, v. 76, p. 49-86, 2009.

ANDRADE, Margarida Júlia Farias de Salles. Fortaleza em perspectiva histórica: poder e iniciativa privada na apropriação e produção material da cidade (1810-1933). Tese (Doutorado - Área de Concentração: História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) - FAUUSP. São Paulo, 2012.

BARTHES, Roland. Fragmentos de um discurso amoroso. 11.ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1991.

BENNETT, Andy. Consolidating the music scenes perspective. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0304422X04000270. Acesso em: 08 ago. 2020.

BOLTANSKI, L.; DARRÉ, M. Y.; SCHILTZ, M. M. La dénonciation. In: Actes de la recherche en sciences sociales, 1984. Disponível em: https://www.persee.fr/docAsPDF/arss_0335-5322_1984_num_51_1_2212.pdf. Acesso em: 10 jul. 2020.

BRINGEL, Breno. “Com, contra e para além de Charles Tilly: mudanças teóricas no estudo das ações coletivas e dos movimentos sociais”. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 43-67, 2012.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Ed. 34; Edusp, 2000.

CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. São Paulo, Companhia das Letras, 1990.

CAMPOS, Ricardo. Por que pintamos a cidade? Uma abordagem etnográfica do graffiti. Lisboa: Fim de Século., 2010.

CANEVACCI, Massimo. Culturas extremas: mutações juvenis nos corpos das metrópoles. Rio Janeiro: DP&A, 2005.

CASTELLS, Manuel. A questão urbana. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

Cefaï, 2017

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994. 1 v.

CHAGAS, Juliana Almeida. Imagens e narrativas: a cultura nômade dos pixadores de Fortaleza. Monografia (Graduação em Ciências Sociais) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

CORRÊA, D. S.; DIAS, R. DE C. Crítica e os momentos críticos: de la justification e a guinada pragmática na sociologia francesa. Mana, v. 22, n. 1, p. 67–99, 2016.

DIÓGENES, Glória; CHAGAS, Juliana. “O ruidoso silêncio da pixação: linguagens e artes de rua”. Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes, Cultura e Linguagens Instituto de Artes e Design, Juiz de Fora, v. 1, p. 304-330, 2016.

DUARTE JR., Romeu (Coord.) Contribuição Técnica ao Tombamento Municipal da Vila Vicentina da Estância, em Fortaleza-CE. Fortaleza, 2017.

ESPINOZA, Benedidus de. Ética. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

FEITOSA, Antonio Lucas Cordeiro. Bairro brincante: estudo sobre entrecruzamentos de socialidades constitutivas de um bairro de Juazeiro do Norte-CE. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal do Ceará, 2020.

FORTALEZA. Prefeitura Municipal. Lei Complementar n. 062, de 02 de fevereiro de 2009. Institui o Plano Diretor Participativo do Município de Fortaleza e dá outras providências. Diário Oficial do Município, Fortaleza, CE, Ano LVI, n. 14.020, 13 mar. 2009.

FRAVET-SAADA, Jeanne. “Ser afetado”. Cadernos de Campo, São Paulo, n.13, 2005.

FRÚGOLI JÚNIOR, Heitor. Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole. São Paulo: Edusp, 2000.

GOHN, Maria da Glória. “Movimentos sociais na contemporaneidade”. Revista Brasileira de Educação, v. 16. n. 47, p. 333-513, 2011.

GOLDMAN, Márcio. “Antropologia contemporânea, sociedades complexas e outras questões”. Anuário Antropológico/93. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

GONDIM, Linda Maria de Pontes. Habitação e meio ambiente em disputa: novas configurações dos conflitos socioambientais em Fortaleza-CE (o caso do movimento Quem Dera Ser um Peixe). Relatório final de pesquisa apoiada com Bolsa de Produtividade em Pesquisa pelo CNPq, Fortaleza-CE, abril de 2016, mimeo.

GONDIM, Linda Maria de Pontes; ROCHA, Aline Maria Matos. Repertórios de confronto em movimentos sociais urbanos: os casos da “Resistência Vila Vicentina” e do “Quem Dera Ser um Peixe”, em Fortaleza-CE. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 50, n. 1, p. 365–407, 2019.

IBGE. Características da população e dos domicílios. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-demografico/demografico-2010/universo-caracteristicas-da-populacao-e-dos-domicilios. Acesso em: 13 dez. 2019.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis, RJ, Vozes, 2015.

KOWARICK, Lucio. A Espoliação urbana. 2.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

KUSTER, Eliana; PECHMAN, Robert. Maldita Rua. O Chamado da Cidade: ensaios sobre a urbanidade. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2014.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

MCADAM, Doug; TARROW, Sidney; TILLY, Charles. “Para mapear o confronto político”. Lua Nova, São Paulo, n. 76, p. 11-48, 2009.

MELUCCI, Alberto. A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes, 2001.

MILLS, C. Wright. Sobre o artesanato intelectual e outros ensaios. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

MONTEIRO SILVA, Igor. “A roda como “agir urbano”: reflexões sobre capoeira e cidade a partir da Praça João Gentil, Gentilândia – Fortaleza/CE”. Capoeira: Revista de Humanidades e Letras, Redenção, v. 4, n. 2, p. 35-61, 2018.

MONTENEGRO, Tércia. Dicionário Amoroso de Fortaleza. Anajé: Casarão do Verbo, 2014

NASCIMENTO, Ricardo; MONTEIRO SILVA, Igor. “Capoeira, cidade e cultura: notas etnográficas sobre ocupações criativas em Fortaleza-CE”. O público e o privado, Fortaleza, n. 29, p. 55-71, 2017.

PARK, Robert Ezra. “A cidade: sugestões para a investigação do comportamento humano no meio urbano”. In: VELHO, Otávio Guilherme (org.). O fenômeno urbano. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2009.

SANTOS, Carlos Nelson Ferreira. Movimentos urbanos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

SASSEN, Saskia. Sociologia da globalização. Porto Alegre: Artmed, 2010.

SCOTT, James. “Exploração normal, resistência normal”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 5, p. 217-243, 2011.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SILVA, Lara. De olho nos muros: itinerários do graffiti em Fortaleza. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Programa de Pós-graduação em Sociologia. Universidade Federal do Ceará, 2013.

SILVA, Lara. Paisagens de grafite: uma análise da dinâmica do grupo de grafiteiros grafiticidade. Monografia (Graduação em Ciências Sociais) – Universidade Estadual do Ceará. 2011.

SILVA, José Borzacchiello da. Fortaleza, a metrópole sertaneja do litoral in SILVA, José Borzacchiello da; DANTAS, Eustógio Wanderley Correia; Zanella, Maria Elisa Zanella; MEIRELES, Antônio Jeovah de Andrade (orgs.). Litoral e Sertão, natureza e sociedade no nordeste brasileiro . Fortaleza: Expressão Gráfica, 2006.

SILVEIRA, Fabrício. “Outros Grafites. Outras topografias, outras medialidades”. In: CAMPOS, Ricardo; BRIGHENTI, Andrea; SPINELLI, Luciano (Orgs.). Uma cidade de imagens: produções e consumos visuais em meio urbano. Lisboa: Mundos Sociais, 2011.

SIMMEL, Georg. “A metrópole e a vida mental”. In: VELHO, Otávio Guilherme (org.). O fenômeno urbano. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

TURNER, Victor. Dramas, campos e metáforas. Niterói: EdUFF, 2008.

VELHO, Gilberto. “Individualismo, anonimato e violência na metrópole”. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 6, n. 13, p. 15-29, 2000.

WIRTH, Louis. “O urbanismo como modo de vida”. In: VELHO, Otávio Guilherme (org.). O fenômeno urbano. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

YÚDICE, George. A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. 2 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

Downloads

Publicado

2020-09-15

Como Citar

Maria Matos Rocha, A., Denise Silva, L., & Lucas Cordeiro Feitosa, A. (2020). Modos de fazer cidades e resistências: Aproximando rua, vila e bairro a partir de deambulações pedestres e reflexivas em Fortaleza e Juazeiro do Norte. Revista Desenvolvimento Social, 26(1), 114-143. https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v26n1p114-143